3B011 Conceito energia em livros didáticos brasileiros da área de Ciências da Natureza

  • Franciele Siqueira Radetzke Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Fabiane de Andrade Leite Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Roque Ismael da Costa Güllich
  • Rosangela Inês Matos Uhmann Universidade Federal da Fronteira Sul
Publicado
2018-11-23

Apresenta-se o resultado de uma investigação com foco nas relações conceituais na área de Ciências da Natureza (CN). Busca-se discutir as contribuições das relações conceituais para um aprendizado significativo e as possíveis relações interdisciplinares na área de CN. Realizou-se uma análise em Livros Didáticos (LDs) do PNLD de 2012 a fim de buscar os conceitos científicos presentes concomitantemente em livros de Biologia, Física e Química. Sob os princípios da análise de conteúdo, nos LDs emergiram três categorias de apresentação do conceito energia, sendo elas: Abordagem Processual (energia como um agente em movimento); Fontes de Energia (produto gerado ou produzido a partir de uma interação)e a Abordagem Tipológica (conceitua o tipo (nome) de energia do qual determinado contexto expressa).

Palabras clave: Livro Didático; relações conceituais; energia (es)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Radetzke, F. S., Leite, F. de A., Güllich, R. I. da C., & Uhmann, R. I. M. (2018). 3B011 Conceito energia em livros didáticos brasileiros da área de Ciências da Natureza. Tecné Episteme Y Didaxis: TED, (Extraordin), 1-6. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/9215
Angotti, J. A.P. (1991). Fragmentos e Totalidades no Conhecimento Científico e no Ensino de Ciências. Tese de doutorado, Faculdade de Educação Didática, São Paulo, SP, Brasil.
Base Nacional Comum Curricular. (2017). Brasília. Recuperado em 20 julho, 2018, de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/06/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf
Güllich, R.I. da C. (2013). Investigação-Formação-Ação em Ciências: um Caminho para reconstruir a Relação entre Livro Didático, o Professor e o Ensino. Curitiba: Prismas.
Lopes, A. C., & Macedo, E. (2002) A estabilidade do currículo disciplinar: o caso das ciências. In: A.C. Lopes., E. Macedo (Org.). Disciplinas e integração curricular: história e políticas. Rio de Janeiro: DP&A.
Young, M. F. D. (2011). O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: o argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, 16(48), 609-810.
Wirzbicki, S. M. (2015). As aprendizagens do conceito energia do metabolismo celular nas interações entre professores e estudantes mediadas pelos livros didáticos de biologia do ensino médio. Tese de doutorado, Instituto de Ciências Básicas da Saúde, Porto Alegre, RS, Brasil.
Wirzbicki, S.M., Araújo, M.C.P de., & DEL PINO, J.C. (2016). O conceito energia na formação inicial e continuada dos professores de biologia do ensino médio. Revista da SBEnBio, 9(1) , 3443-3454.
Wenzel, J. S. (2017). A significação da linguagem química em contexto escolar: relações conceituais estabelecidas na elaboração de mapas conceituais. Revista Latino Americana de Educação, Cultura e Saúde (RELECS), 1(1), 169-177.
Vigotski, L.S. (2001). A construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Martins Fontes.