Educação ambiental e enfoque CTSA: subsídios para organização curricular dos cursos de graduação

Environmental education and CTSA focus: subsidy to the undergraduate courses’ curricular organization

  • Raquel Weyh Dattein UNIJUÍ
  • Maria Cristina Pansera de Araújo UNIJUÍ
  • Vidica Bianchi UNIJUÍ
Publicado
2019-10-11

Neste artigo, fundamentado nas discussões sobre a evolução da relação Ciência, Tecnologia e Sociedade na incorporação da questão ambiental, intentamos dialogar de modo reflexivo e crítico sobre a relevância científica e social da Educação Ambiental (EA), nos diversos espaços de formação profissional para (re)pensar a relação sustentável entre sociedade e ambiente. Com a corrente biorregionalista em EA, defendemos uma organização curricular dos cursos de graduação visando a conscientização dos discentes, para que vivam nos ambientes como pertencentes, a partir da elaboração e desenvolvimento de sequências didáticas pelos professores com esta intencionalidade.

Palabras clave: Curriculum, Professional training, bioregionalist current in Environmental Education (en)
Palabras clave: Currículo, Formação profissional, corrente biorregionalista em Educação Ambiental (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Weyh Dattein, R., Pansera de Araújo, M. C., & Bianchi, V. (2019). Educação ambiental e enfoque CTSA: subsídios para organização curricular dos cursos de graduação. Bio-grafía, 885-894. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/10987
Auler, D. (2007). Enfoque Ciência-tecnologia-Sociedade: Pressupostos para o contexto brasileiro. Revista Ciência e Ensino, Edição Especial, v.1, nov.
Auler, D.; Bazzo, W. A. (2001). Reflexões para a implementação do movimento CTS no contexto educacional brasileiro. Ciência & Educação. Bauru. 7(1), 1-13, 2001.
Cachapuz, A. (1999). Epistemologia e ensino das ciências no pós – mudança conceitual: análise de um percurso de pesquisa In: II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Valinhos: São Paulo. Atas II – ENPEC.
Cerezo, J. A. L. (1998) Ciencia, Tecnología y Sociedad: el estado de la cuestión en Europa y Estados Unidos. Revista Ibero-americana de Educação, n. 18, p. 1-25, set/dez.
Cerezo, J. A. L. (2002). Ciência, Tecnologia e Sociedade: o estado da arte na Europa e nos Estados Unidos. In: Santos, L. W. (Org.). Ciência, tecnologia e sociedade: o desafio da interação. Londrina: IAPAR, p. 3–38.
González Gaudiano, E. & Arias Ortega, M. (2011) La educación ambiental institucionalizada: proceso, reflexiones y posibilidad. In: Flores, Raúl Calixto; García-Ruiz, Mayara; Martínez, Daniel Gutiérrez (Coord.). Educación e investigación ambientales y sustentabilidad: entornos cercanos para desarrollos por venir. México: UPN: El colegio Mexiquense, 520 p. (Horizontes educativos).
Gutiérrez-Pérez, J.(2005). Por uma formação dos profissionais ambientalistas baseada em competências de ação. In: Sato, M; Carvalho; I.C.M. (e colaboradores). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre, Artmed.
Leff, E. (2012). Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis: Vozes.
Martínez, L. (2010). A abordagem de questões sociocientíficas na formação continuada de professores de ciências: contribuições e dificuldades. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência). Faculdade de Ciências, UNESP, Bauru.
Moreno, D. F. S. (2015). Compreensões sobre a natureza da ciência de licenciandos a partir da experiência com questões sociocientíficas: possibilidades para a formação inicial. 248f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência). Faculdade de Ciências, UNESP, Bauru.
Nascimento, T. G.; Linsingen, I. V. (2006). Articulações entre o enfoque CTS e a pedagogia de Paulo Freire como base para o ensino de ciências. Convergencia: Revista de Ciencias Sociales, (42), 1405-1435.
Pansera-De-Araújo, M. C.; Bianchi, V.; Boff, E. T. de O. (2017). Interações entre licenciandos estagiários e professores de escola. In: Magalhães Júnior, C.A.O.; Corazza, M.J.; Lorencini Júnior, A. (Org.). Formação de professores de ciências: perspectivas e desafios. Maringá: Eduem. 271p.
Santos, W. L. P. Dos; Mortimer, E. F. (2001). Tomada de decisão para ação social responsável no ensino de ciências. Ciência & Educação, v.7, n.1, p.95-111.
Santos, W. L. P.; Mortimer, E. F. (2002). Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência – Tecnologia –Sociedade) no contexto da educação brasileira. Revista Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciência, vol. 2, n. 2, dezembro.
Santos, W. L. P. dos; Galiazzi, M. do C.; Pinheiro Junior, E. M.; Souza, M. L. De; Portugal, S.. (2010). O enfoque CTS e a Educação Ambiental: possibilidade de “ambientalização” da sala de aula de Ciências. In: Santos, W. L. P.. dos; Maldaner, O. A. (Org.). (2010). Ensino de Química em Foco. Ijuí, Ed. Unijuí – 368 p. (Coleção educação em Química).
Sauvé, L. (2005). Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, M; CARVALHO; I.C.M. (e colaboradores). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre, Artmed.
Teixeira, P. M. M. (2003) A educação científica sob a perspectiva da pedagogia histórico-social e do movimento CTS no ensino de ciências. Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p.177-190.
Vilches, A.; Gil-Pérez, D.; Praia, J. (2011). De CTS a CTSA: educación por un futuro sostenible. In: Santos, Wildson Luiz Pereira dos; Auler, Décio (Org.) CTS e educação científica: desafios, tendências e resultados de pesquisa. Brasília: Editora Universidade de Brasília. p. 185-209.