2A008 A disciplina de processos e sequências de ensino e aprendizagem em física no ensino médio para alunos de pós-graduação na prática

  • André Maurício Brinatti Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • André Vitor Chaves de Andrade Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Silvio Luiz Rutz Da Silva Universidade Estadual de Ponta Grossa
Publicado
2018-11-15

É fundamental pensar em processos e sequências de ensino e aprendizagem no ensino de física que atinjam a educação básica. É nesse contexto que se insere a disciplina Processos e Sequências de Ensino e Aprendizagem em Física no Ensino Médio, Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física, Polo 35, Universidade Estadual de Ponta Grossa. Assim, este trabalho apresenta a maneira pela qual a disciplina foi elaborada e desenvolvida, por professores em três turmas consecutivas, com base na dinâmica: elaborar, planejar e refletir, em conjunto, ações, etapas e aulas, respeitando e compartilhando suas práticas e experiências individuais, bem como as consequências da disciplina na prática do professor-discente. Evidenciando que a dinâmica adotada tanto para os professores quanto para os professores-discentes foi fundamental e influenciou as atividades fins da disciplina.

Palabras clave: TLS, UEPS, Reflexão da Prática Docente (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Brinatti, A. M., Andrade, A. V. C. de, & Da Silva, S. L. R. (2018). 2A008 A disciplina de processos e sequências de ensino e aprendizagem em física no ensino médio para alunos de pós-graduação na prática. Tecné Episteme Y Didaxis: TED, (Extraordin). Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/8893
Brasil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Recuperado 17 abril 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm
Brasil. (2007). Lei nº 11.502, de julho de 2007. Recuperado 17 abril 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11502.htm
Brasil. (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Recuperado 17 abril 2018, de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13448-diretrizes-curiculares-nacionais-2013-pdf&Itemid=30192
Brasil. (2014). Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 26 jun. 2014. EDIÇÃO EXTRA, p. 1. Recuperado 17 abril 2014, de http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm
Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular. 2017. Recuperado em 17 abril 2017, de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/
Buzan, T. (2005). Mapas mentais e sua colaboração: um sistema definitivo de pensamento que transforma sua vida. São Paulo: Cultrix.
Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2001). Metodologia do trabalho científico. 6. ed. São Paulo: Atlas.
Méheut, M. & Psillos, D. (2004). Teaching–learning sequences: aims and tools for science education research. International Journal of Science Education, 26 (5), 515-535.
Moreira, M. A. (2006). A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: UnB.
Moreira, M.A. (2011). Unidades de enseñanza potencialmente significativas – UEPS Aprendizagem Significativa em Revista/Meaningful Learning Review, 1(2), 43-63.
PARANÁ. (2008). Diretrizes curriculares da educação básica – física [Versão digital em Adobe Reader]. Recuperado 17 abril 2018, de http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_fis.pdf
SBF. (2018). Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física. Recuperado 17 abril 2018, de http://www1.fisica.org.br/mnpef/?q=node/61