Potencialidades da temática floresta sob um viés da educação ambiental (EA): um diagnóstico de professoras da educação básica

Potentialities of the forest themes under a bias of environmental education (EE): a diagnostic of teachers of basic education

  • Ana Lucia Olivo Moreira Universidade Estadual de Maringá
  • Anderson de Souza Moser Universidade Estadual de Maringá
  • Aline de Gregório Universidade Estadual de Maringá
  • Elocir Aparecida Correa Pires Universidade Estadual de Maringá
  • Fabiane Borges Pacanhela Universidade Estadual de Maringá
Publicado
2019-10-11

Este artigo buscou investigar se professoras participantes de um projeto de extensão conhecem a Unidade de Conservação Parque do Cinquentenário (UCPC), suas concepções EA, bem como analisar as potencialidades de uma Unidade de Conservação (UC) para o trabalho dos conhecimentos específicos disciplinares na interface com a EA. Esta pesquisa qualitativa é também de cunho exploratório, pois visou captar as informações gerais sobre o assunto utilizando um questionário. Participaram da investigação seis professoras das áreas de Ciências, Biologia, Geografia e Artes de um colégio estadual de Maringá-PR. Dentre elas, apenas duas apontaram conhecimento da UCPC. Não foram apresentadas concepções críticas sobre a EA e quanto à possível utilização de uma UC no ensino da EAC, pautaram-se em um entendimento pragmático e conservador sobre a EA. Dessa forma, a presente pesquisa reforça a necessidade de ações de qualificação docente voltadas a EA, contribuindo assim, para a superação da visão naturalista/conservadora para uma visão socioambiental/crítica da EA. Evidenciamos que as UC como o UCPC podem ser ferramentas potenciais para o levantamento de problemáticas de cunho ambiental, discussões, investigações e resolução de problemas, desde que sejam proporcionados aos professores subsídios teóricos e práticos sobre o tema

Palabras clave: Conservation Unity, Teaching Practice, Pedagogical Innovation, Critic Environmental Education, Continuous Teacher Qualification (en)
Palabras clave: Unidade de Conservação, Prática Docente, Inovação Pedagógica, Educação Ambiental Crítica, Formação Continuada de Professores (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Olivo Moreira , A. L., de Souza Moser, A., de Gregório, A., Aparecida Correa Pires , E., & Borges Pacanhela, F. (2019). Potencialidades da temática floresta sob um viés da educação ambiental (EA): um diagnóstico de professoras da educação básica. Bio-grafía, 958-969. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/10997
Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70
Bogdan, R. C.&Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora.
Brasil. (1999). Lei n. 9795 - 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental. Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília.
Brasil. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente: saúde. 3ª ed. Brasília: MEC/SEF.
Carvalho, I. C. M. (2004). Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 4 ed. São Paulo: Cortez.
Cerati, T. M. &Lazarini, R. A. M. (2009). A pesquisa-ação em educação ambiental: uma experiência no entorno de uma unidade de conservação urbana. Ciência & Educação, v.15, n.2, p. 383-392.
GIL, A. C.(1989).Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.
Gil-Pérez, D. (2001). Orientações didáticas para a formação continuada de professores em ciências. In: Menezes, L. C. (Org.). (2001). Formação continuada de professores de ciências: no âmbito ibero-americano.2ª ed. Campinas, SP: Autores Associados; São Paulo, SP: Nupes, p.71-81. (Coleção formação de professores).
Guimarães, M. (2004). A formação de educadores ambientais. Campinas: Papirus.
Krasilchik, M. (2000). Reformas e Realidade: o caso do ensino de Ciências. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 1, p. 85-93.
Layrargues P. P. (2012). Para onde vai a educação ambiental? O cenário político-ideológico da educação ambiental brasileira e os desafios de uma agenda política crítica contra-hegemônica. Revista. Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 7, n. 14, p.398-421.
Layrargues, P. P & Lima, G. F. C. (2014). As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, São Paulo v. XVII, n. 1, p.
Moser, A. S.; Gregório, A & Moreira, A. L. O. R. (2018). Recursos didáticos: uma análise das publicações do Encontro Paranaense de Educação Ambiental. Anais...VI SINECT – Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia, 1-12.
Munhoz, R. H &Knüpfer, R. E. N. (2017). Educação Ambiental Crítica: algumas dimensões e sua epistemologia. Anais... XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – XI ENPEC, 1-8.
Reigota, M. (1995). Meio Ambiente e Representação Social. São Paulo: Cortez. 87p.
Scortegagna, A & Negrão, O. B. M. (2005). Trabalhos de campo na disciplina de Geologia Introdutória: a saída autônoma e seu papel didático. Terra e Didática, Campinas, v. 1, n. 1, p. 36-43.
Selem, S.L. O. 2014). Trilha Interpretativa como Instrumento para Educação Ambiental: Estudo no entorno do parque do cinquentenário. (Dissertação de mestrado). Maringá.