Aprendizagem: o imperativo de uma nova ordem econômica e social para o desenvolvimento

Learning: the Imperative of a New Economic and Social Order for Development

Aprendizaje: el imperativo de un nuevo orden económico y social para el desarrollo

Publicado
2019-06-27

El objetivo de este artículo es problematizar como los conceptos de desarrollo y de aprendizaje se articulan, subjetivando a los individuos hacia una cultura digital. La pesquisa documental permitió la identificación de dos ejes analíticos, a saber: desarrollo y enseñanza y aprendizaje. Se utilizan los conceptos de discurso y subjetivación para demonstrar que, en el meollo de los discursos que alían el desarrollo a el aprendizaje, se encuentra la constitución del Homo oeconomicus discentis accessibilis.

Palabras clave: digital technologies, learning, development, discoursive practice, subjectivation (en)
Palabras clave: tecnologías digitales, aprendizaje, desarrollo, práctica discursiva, subjetivación (es)
Palabras clave: tecnologias digitais, aprendizagem, desenvolvimento, prática discursiva, subjetivação (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Carine Bueira Loureiro, Instituto Federal Rio Grande do Sul

Doutora em Educação, Professora do Mestrado Profissional em Informática na Educação.

Maura Corcini Lopes, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Decana da Escola de Humanidades. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação UNISINOS.

Bueira Loureiro, C., & Corcini Lopes, M. (2019). Aprendizaje: el imperativo de un nuevo orden económico y social para el desarrollo. Pedagogía Y Saberes, (51). https://doi.org/10.17227/pys.num51-8054

Ball, S. (2013). Aprendizagem ao longo da vida, subjetividade e a sociedade totalmente pedagogizada. Educação, 36(2), 144-155. Disponível < http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/issue/view/697 > Acesso em 15 de jul. 2013.

Biesta, G. (2013). Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica.

Dardot, P. e Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo.

Dathein, R. (2008). Estado e desenvolvimento no Brasil: o novo padrão de ação estatal como determinante da mudança estrutural da economia no último quarto de século. In: Dathein, R. (Eds.). Desenvolvimento econômico brasileiro. Porto Alegre: UFRGS.

Dussel, I. ; Masschelein, J. e Simons, M. (Org.) (2017). A politização e a popularização como domesticação da escola: contrapontos latino-americanos. Em Larrosa, J. (Org.), Elogio da escola (pp. 147-155). Belo Horizonte.

Ensweiler, D. (2017). Intencionalidade pedagógica: relações entre ensinar e aprender. In: Loureiro, C. B.; Klein, R. R. (Org). Inclusão e aprendizagem: contribuições para pensar as práticas pedagógicas. Curitiba: Appris.

Escobar, A. (2007). La invención del Tercer Mundo: construcción y desconstrucción del desarollo. Colombia: Norma.

Farias, L. A. E. (2008). Além da estabilização e aquém da estagnação: o Brasil depois do Plano Real. In: Dathein, Ricardo (org.). Desenvolvimento econômico brasileiro. Porto Alegre: UFRGS.

Foucault, M. (2008). O Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins fontes.

Foucault, M. (2009). A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2010). Governamentalidade. In: Ditos e escritos IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 281-305.

Gallo, S. (2015). Pensar a escola com Foucault: além da sombra da vigilância. In: Carvalho, Alexandre Filordi e Gallo, Sílvio (Orgs.). Repensar a educação: 40 anos após vigiar e punir. São Paulo: Livraria da Física, 427-449.

Han, B. (2018). No enxame: perspectivas do digital. Petrópolis: Vozes.

Klaus, V. (2016). Gestão e Educação. Belo Horizonte: Autêntica.

Klaus, V. (2011). Governamentalidade (Neo)Liberal: da administração para a gestão educacional. Porto Alegre: UFRGS, 2011. Tese (Doutorado em Educação).

Laval, C. (2004). A escola não é uma empresa. O neoliberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Planta.

Lazzarato, M. (1999). Para uma definição do conceito de biopolítica. Lugar Comum. Rio de Janeiro, 5-6, 81-96. Disponível em http://uninomade.net/lugarcomum/5-6/

>

Lazzarato, M. (2017). O governo do homem endividado. São Paulo: n-1 edições.

Loureiro, C. B. e Lopes, M. C. (2017). A constituição do Homo oeconomicus discentes accessibilis. (Texto para discussão). São Leopoldo, RS: UNISINOS.

Moreira, A. F. e Kramer, S. (2007). Contemporaneidade, educação e tecnologia. ¿Educação e Sociedade, 28(100), 1037-1057.

Nied. (1983). Núcleo de Informática Aplicada à Educação – Universidade Estadual de Campinas. Projeto Educom: Proposta Original. Memo n. 1.

Noguera-Ramirez, C. E. (2011). Pedagogia e governamentalidade: ou da Modernidade Educativa como uma sociedade educativa. Belo Horizonte: Autêntica.

Proiec. (2018a). Programa de inovação educação conectada: Conceito. Disponível em < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=77461-conceito-do-programa-de-inovacao-educacao-conectada-pdf&category_slug=novembro-2017-pdf&Itemid=30192 > Acessado em 03 de maio de 2018.

Proiec. (2018b). Programa de inovação educação conectada: Diretrizes. Disponível em < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=77471-diretrizes-e-criterios-do-programade-inovacao-educacao-conectada-pdf&category_slug=novembro-2017-pdf&Itemid=30192 > Acessado em 03 de mai de 2018.

Proinfo. (1997). Programa nacional de informática na educação: Diretrizes. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto.

Proninfe. (1989). Programa nacional de informática educativa: Documento orientador. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto.

Prouca. (2010a). Programa um computador por aluno: Manual. Disponível em < http://www.uca.gov.br/institucional/dowloads/manual_eletronico.pdf > Acessado em 04 de dez. de 2010.