Aproximações entre a filosofia antiga e o pensamento de Paulo Freire: desafios para pensar a aula no presente

Approximations Between Ancient Philosophy and Paulo Freire’s Thought: Challenges to Think About the Class in the Present

Aproximaciones entre la filosofía antigua y el pensamiento de Paulo Freire: desafíos para pensar la clase en el presente

Publicado
2022-07-15

Este artículo, resulta de un proceso de investigación que investigó la clase desde la tradición grecorromana hasta prácticas pedagógicas innovadoras, buscando reflexionar, desde una perspectiva foucaultiana, sobre la educación contemporánea en este espacio microfísico de encuentro entre vivos y muertos. Para ello, establece una aproximación entre la filosofía antigua y el pensamiento del educador brasileño Paulo Freire, en el año de su centenario, tomando los ejercicios espirituales para aprender a vivir, aprender a morir, aprender a leer y aprender a dialogar (Hadot, 2014a) como una apertura para pensar en otras clases posibles y, por tanto, en otros mundos posibles.

Palabras clave: contemporary school, spiritual exercises, pedagogy of the oppressed (en)
escuela contemporánea, ejercicios espirituales., pedagogía de los oprimidos (es)
escola contemporânea, exercícios espirituais, pedagogia do oprimido (pt)

Aquino, J. G. (2015). A crítica educacional como recusa à metafísica pedagógica. Revista De Educação Pública, 24(56), 351-364.

Barthes, R. (2004). O rumor da língua. Martins Fontes.

Butler, Judith. (2015). Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Civilização Brasileira.

Cambi, F. (2009). História da pedagogia. Fundação Editora da UNESP.

Corazza, S. (2015). Nos tempos da educação: cenas de uma vida de professora. Revista da Abem, 13(12), 7-10.

Dalbosco, C. A. (2012). Educação e formas de conhecimento: do inatismo antigo (Platão) e da educação natural moderna (Rousseau). Educação, 35, (2), 268-276.

Deleuze, G. (1992). Conversações. Ed. 34.

Deleuze, G. (1997). Crítica e clínica. Ed. 34.

Fernandes, D.G. (2018). A juventude estudantil moderna na confluência da contemporaneidade. Revista Eletrônica de Educação, 3(12), 776-791. DOI: https://doi.org/10.14244/198271992072

Foucault, M. (1984). História da Sexualidade 2: o uso dos prazeres. Graal.

Foucault, M. (2004). Tecnologias de si. Verve. revista semestral autogestionária do Nu-Sol, 6, 321-360.

Foucault, M. (2005). Em defesa da sociedade. Martins Fontes.

Foucault, M. (2006). A hermenêutica do sujeito. Martins Fontes.

Freire, A. M. A. (2014). Notas explicativas. Em Freire, Paulo (Org.). Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido (pp. 273-333). Paz e Terra.

Freire, P. (1983). Pedagogia do oprimido. Paz e Terra, 1987.

Freire, P. (1989). A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. Cortez.

Gadelha Costa, S.S. (2005). De fardos que podem acompanhar a atividade docente ou de como o mestre pode devir burro (ou camelo). Educação & Sociedade, 26, (93), 1257-1272. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000400009

Gadelha Costa, S.S. (2009). Governamentalidade Neoliberal, Teoria do Capital Humano e Empreendedorismo. Educação & Realidade, 34(2), 171-186.

Gallo, S., & Espinel, O. (2021). Lecturas cruzadas entre Freire y Foucault. A propósito de aleturgias escolares y prácticas de libertad. Pedagogía y Saberes, (55). DOI: https://doi.org/10.17227/pys.num55-13017

Hadot, P. (2014). O que é a filosofia antiga? Loyola.

Hadot, P. (2014a). Exercícios espirituais e filosofia antiga. É Realizações.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (1960). Censo demográfico.

Jaeger, W.W. (1994). Paidéia: a formação do homem grego. Martins Fontes.

Kohan, W. O. (2019). Paulo Freire, mais do que nunca: uma biografia filosófica. Vestígio. DOI: https://doi.org/10.2307/j.ctv253f5tq

Kohan, W. O. (2021). ¿A favor o contra Paulo Freire? Pensar filosóficamente un legado, entre la descalificación ideológica y la crítica académica. Pedagogía y Saberes, (55). DOI: https://doi.org/10.17227/pys.num55-13121

Laval, C. (2003). A escola não é uma empresa: o neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Planta.

Lazzarato, M. (2006). As revoluções do capitalismo. Civilização Brasileira.

Marchionni, A. (2007). Introdução. (Int., pp 7-8). Editora da Universidade São Francisco.

Masschelein, J. & Simons, M. (2014). Em defesa da escola: uma questão pública. Autêntica Editora.

Ó, J.M.R. (2019). Fazer a mão: por uma escrita inventiva na universidade. Edições do Saguão.

Platão. (2014). A República. Martins Fontes.

Quissini, A.R. (2016). As políticas de EJA na América Latina em diálogo com a educação popular e oposição ao referencial neoliberal: leituras entre Brasil e Argentina (Dissertação de mestrado). Univille, Joinville, SC, Brasil.

Séneca, L.A. (2018). Cartas a Lucilio. Fundação Calouste Gulbenkian.

Schuler, B. (2009). Veredito: escola, inclusão, justiça restaurativa e experiência de si (Tese de doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Schuler, B. (2016). Docência e modos de subjetivação: dissoluções genealógicas e o cuidado de si. Revista Educação em Questão, 54, (40), 129-152. DOI: https://doi.org/10.21680/1981-1802.2016v54n40ID9851

Streck, D. (2006). A educação popular e a (re)construção do público: há fogo sob as brasas? DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782006000200006

Revista Brasileira de Educação, (32), 272-372.

Streck, D. (2006). Cinco razões para dialogar com Paulo Freire. Revista e-curriculum, (3), 1-18.

Unicef - Fundo das Nações Unidas para a Infância. (2021). Cenário da Exclusão Escolar no Brasil: um alerta sobre os impactos da pandemia da COVID-19 na Educação, 1-58.

Veiga-Neto, A. (2013, setembro). Estudos de Biopolítica e Educação na América Latina: avaliação e perspectivas. Conferência de encerramento do IV Coloquio Latinoamericano de Biopolítica e Coloquio Internacional de Biopolítica y Educación (pp. 1-14), Bogotá, Colômbia.

Veyne, P. (2009). O Império Romano. Em Duby, G., Ariès, P. (orgs.). História da vida privada 1: do Império Romano ao ano mil (pp. 11-212). Companhia das Letras.

Zitkoski, J. J. (2008). Diálogo/Dialogicidade.Em Streck, D. R., Redin, E. e Zitkoski, J. J. (orgs.) Dicionário Paulo Freire (pp. 117-118). Autêntica

APA

Campesato, M. A. G. (2022). Aproximações entre a filosofia antiga e o pensamento de Paulo Freire: desafios para pensar a aula no presente. Pedagogía y Saberes, (57), 143–156. https://doi.org/10.17227/pys.num57-14433

ACM

[1]
Campesato, M.A.G. 2022. Aproximações entre a filosofia antiga e o pensamento de Paulo Freire: desafios para pensar a aula no presente. Pedagogía y Saberes. 57 (jul. 2022), 143–156. DOI:https://doi.org/10.17227/pys.num57-14433.

ACS

(1)
Campesato, M. A. G. Aproximações entre a filosofia antiga e o pensamento de Paulo Freire: desafios para pensar a aula no presente. Pedagog. saberes 2022, 143-156.

ABNT

CAMPESATO, M. A. G. Aproximações entre a filosofia antiga e o pensamento de Paulo Freire: desafios para pensar a aula no presente. Pedagogía y Saberes, [S. l.], n. 57, p. 143–156, 2022. DOI: 10.17227/pys.num57-14433. Disponível em: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/PYS/article/view/14433. Acesso em: 1 dic. 2022.

Chicago

Campesato, Maria Alice Gouvêa. 2022. «Aproximações entre a filosofia antiga e o pensamento de Paulo Freire: desafios para pensar a aula no presente». Pedagogía y Saberes, n.º 57 (julio):143-56. https://doi.org/10.17227/pys.num57-14433.

Harvard

Campesato, M. A. G. (2022) «Aproximações entre a filosofia antiga e o pensamento de Paulo Freire: desafios para pensar a aula no presente», Pedagogía y Saberes, (57), pp. 143–156. doi: 10.17227/pys.num57-14433.

IEEE

[1]
M. A. G. Campesato, «Aproximações entre a filosofia antiga e o pensamento de Paulo Freire: desafios para pensar a aula no presente», Pedagog. saberes, n.º 57, pp. 143–156, jul. 2022.

MLA

Campesato, M. A. G. «Aproximações entre a filosofia antiga e o pensamento de Paulo Freire: desafios para pensar a aula no presente». Pedagogía y Saberes, n.º 57, julio de 2022, pp. 143-56, doi:10.17227/pys.num57-14433.

Turabian

Campesato, Maria Alice Gouvêa. «Aproximações entre a filosofia antiga e o pensamento de Paulo Freire: desafios para pensar a aula no presente». Pedagogía y Saberes, no. 57 (julio 1, 2022): 143–156. Accedido diciembre 1, 2022. https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/PYS/article/view/14433.

Vancouver

1.
Campesato MAG. Aproximações entre a filosofia antiga e o pensamento de Paulo Freire: desafios para pensar a aula no presente. Pedagog. saberes [Internet]. 1 de julio de 2022 [citado 1 de diciembre de 2022];(57):143-56. Disponible en: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/PYS/article/view/14433

Descargar cita

Citaciones

Crossref Cited-by logo
0

Métricas PlumX

Visitas

146

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.