Autoavaliação, prática inovadora para promover o aprendizado

  • Vanessa Alves Cruz De Almeida
  • Hylio Laganá Fernandes
Publicado
2017-10-13
A concepção de Educação sugerida por Carl Rogers tem como pressuposto a centralidade no sujeito e a liberdade de aprender. Diante esta perspectiva pedagógica, ao final do ano letivo de 2015 foi realizado junto aos alunos de escola pública do interior do estado de São Paulo/ Brasil uma autoavaliação, objetivando verificar a aprendizagem que ocorre quando há espaço para que o aluno seja compreendido a partir de seu próprio ponto de vista e não simplesmente avaliado pela perspectiva curricular. Pesquisa-ação de natureza quantitativa e qualitativa, utilizou uma auto avaliação elaborada com questões abertas, de modo a permitir a livre expressão dos alunos. Os resultados apontam que a autenticidade e a empatia existente nas relações professor-aluno, são pontos chave para o desenvolvimento de um ambiente adequado para a aprendizagem.
Palabras clave: Autoavaliação, Pedagogia libertaria, Autenticidade, Empatia professor/aluno (es)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Cruz De Almeida, V. A., & Fernandes, H. L. (2017). Autoavaliação, prática inovadora para promover o aprendizado. Tecné Episteme Y Didaxis: TED. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/4419

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70 Mendonça, C. F. de (2000). Aprendizagem centrada na pessoa: Contributo para a compreensão do modelo educativo proposto por Carl Rogers. Revista de Estudos Rogerianos Nº. 5, 17 – 28. Libaneo, J. C. (1983). Tendências pedagógicas na prática escolar. Revista da Associação Nacional de Educação–ANDE, 3, 11-19.

Rogers, C. R. (1969). Freedom to learn. Ohio, Estados Unidos: Columbus Rogers, C. R. (1972). Grupos de encontro Lisboa, Portugal: Moraes Editores.