El Proyecto Pescar como estrategia educacional de inclusión productiva

The “Pescar Project” as an Educational Strategy for Productive Inclusion

Projeto Pescar como estratégia educacional de inclusão produtiva

  • Daniela Ortácio Universidad Luterana do Brasil-ULBRA
  • Karla Saraiva Universidad Luterana do Brasil-ULBRA
Publicado
2016-12-23

El artículo, resultado de investigación, tiene como objetivo analizar las prácticas pedagógicas propuestas por el Proyecto Pescar en su eje de “Desarrollo personal y ciudadanía”, asumiendo tales prácticas como estrategias de promoción de la inclusión productiva. La investigación fue desarrollada a través del análisis discursivo utilizando herramientas teórico-metodológicas derivadas de los estudios foucaultianos, particularmente los conceptos de gubernamentalidad y biopolítica. Los resultados señalan la importancia del eje de “Desarrollo personal y ciudadanía” en la producción de sujetos comprometidos con su inclusión en el mercado laboral, que funcionaría como una estrategia de educacionalización enfocada en la gestión de las desigualdades.

Palabras clave: Pescar Project, education, productive inclusion, biopolitics (en)
Palabras clave: Proyecto Pescar, educación, inclusión productiva, biopolítica (es)
Palabras clave: Projeto Pescar, educação, inclusão produtiva, biopolítica (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Ortácio, D., & Saraiva, K. (2016). El Proyecto Pescar como estrategia educacional de inclusión productiva. Pedagogía Y Saberes, (45), 31.40. https://doi.org/10.17227/01212494.45pys31.40

Castel, R. (1998). As Metamorfoses da Questão Social: uma Crônica do Salário. Rio de Janeiro: Vozes.

Depaepe, M., & Smeyers, P. (2008). Educationalization as an ongoing modernization process. Educational Theory (Vol. 58, n.4, pp.379-389). Recuperado de https://www. google.com.br/?gfe_rd=cr&ei=7oSvVbPMELPd8gfyo 4GgDA#q=DEPAEPE%2C+Marc%3B+SMEYERS% 2C+Paul.+Educationalization+as+an+ongoing+modernization+ process.+Educational+Theory%2C+v.58% 2C+n.4%2C+p.379-389%2C+2008.

Foucault, M. (2010). Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Rio de Janeiro: Vozes.

Foucault, M. (2008a). Segurança, Território, População. Curso dado no Collège de France. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2008b). Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FPP, Fundação Projeto Pescar. Projeto Pescar. (sem ano). Recuperado de http://site.projetopescar.org.br/

FPP, Fundação Projeto Pescar. (2014). Relatório de Atividades. Porto Alegre, RS: Gráfica Comunicação Impressa.

FPP, Fundação Projeto Pescar. (2008). Coleção Projeto Pescar - Desenvolvimento Pessoal e Cidadania: Descoberta do Eu, Família, Comunicação e Tecnologia, Ambiente de trabalho, Meio Ambiente, Saúde, Ecologia. Porto Alegre: Fundação Projeto Pescar.

FPP, Fundação Projeto Pescar. (2009). Guia de Orientação ao Dirigente da Empresa. Porto Alegre: Fundação Projeto Pescar.

Lazzarato, M. (2011). O governo das desigualdades: crítica da insegurança neoliberal. (R. Abramowicz. Santos, Trad). São Carlos: EDUFSCAR. (Obra original publica em 2011).

BRASIL, (2009). Lei nº 12.101, 27 de novembro de 2009. Dispõe sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social, regula os procedimentos de isenção de contribuições para a seguridade social. Brasília. DF, BRASIL. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12101.htm.

Lockmann, K. (2013). A proliferação das Políticas de Assistência Social na Educação Escolarizada: estratégias da governamentalidade neoliberal. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Lopes, M. (2009). Políticas de inclusão e governamentalidade. Revista Educação e realidade, 34l (2), 153-169.

Mandetta, F. (2013). Juventude, Trabalho e Escolarização: uma análise da trajetória de jovens de classes populares de Sousas-Campinas, São Paulo. In: Souza, A. N (Org). Juventude e Emprego: educar para qual trabalho? Campinas, SP: Edições Leitura Crítica.

Manfredi, S. (2002). Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome do Brasil. (2011). Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM. Recuperado de http:// aplicacoes.mds.gov.br/sagirmps/ferramentas/docs/ curso_de_indicadores.pdf

Nascimento, M., & BaracuhI, R. (2013). Inclusão e Mercado de Trabalho: um corpo produtivo ou um discurso que segrega. (Vol. 18. n 1). Acta Semiótica et Lingvistica.

Ortácio, D., & Saraiva, K. (2015). Educação para o trabalho e moralização de jovens vulneráveis. Anais do 6º Seminário Brasileiro de Estudos Culturais/3º Seminário Internacional de Estudos Culturais. Canoas, RS, Brasil.

Schultz, T. (1973). Capital Humano. Rio de Janeiro: Zahar.

Saraiva, K. (2015). Novas geometrias no trabalho e na educação. In: Kirchof, E. R.; & Wortmann, Maria L.; Costa, M. V. (Org.). Estudos Culturais e Educação: contingências, articulações, aventuras, dispersões (pp. 57-72) Canoas: ULBRA.

Saraiva, K., & Lopes, M. (2011). Educação, Inclusão e reclusão. Currículo sem fronteiras (Vol. 11, n. 1, pp. 14-33).

Saraiva, K., & Veiga-Neto, A. (2009). Modernidade líquida, Capitalismo Cognitivo e Educação Contemporânea. Educação & Realidade (v. 34, n. 2, p. 187-201), Porto Alegre.