6B008 O popular e o escolar: análise dos saberes populares na produção artesanal de vinagre de vinho tinto da regiã

Fernando Nonnemacher
Luciana Dornelles Venquiaruto
Betyna Faccin Preischardt
Rogério Marcos Dallago

Este estudo teve como objetivo geral identificar saberes populares da produção artesanal de vinagre de vinho, com o intuito de viabilizar ações que contribuam com um ensino de Química contextualizado. Com uma abordagem qualitativa e metodologia com “inspiração etnográfica”, com agricultores da Região Fronteira Noroeste do estado do Rio Grande do Sul, Brasil, os discursos foram coletados por meio de entrevistas com três agricultores e a análise, realizada mediante a identificação de categorias dos saberes populares e suas relações com os saberes escolares e acadêmicos. Constatou-se que todos relatam o saber da produção do vinagre de vinho, oriundo da família, como forma de reaproveitar cascas de uva e de vinhos. As técnicas utilizadas pelos três entrevistados foram muito semelhantes, sendo possível identificar a explicação de reações químicas.

Nonnemacher, F., Venquiaruto, L. D., Preischardt, B. F., & Dallago, R. M. (2018). 6B008 O popular e o escolar: análise dos saberes populares na produção artesanal de vinagre de vinho tinto da regiã. Tecné Episteme Y Didaxis TED, (Extraordin), 1-6. Recuperado a partir de http://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/9073
ANGROSINO, M. (2009). Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed.
BERNSTEIN, B. (1996). A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Vozes: Petrópolis.
CEOLIN, I.; CHASSOT, A. I.; NOGARO, A. (2016). Ampliando a alfabetização científica por meio do diálogo entre saberes acadêmicos, escolares e primevos. Revista Fórum Identidades, v. 9, p. 13-33.
CHASSOT, A. (2014). Alfabetização Científica: questões e desafios para a educação. 6 ed. Ijuí: Ed. Unijuí.
CHRISTENSEN, T. (2008). Santa Rosa: histórias e memórias. Porto Alegre, RS: Editora Palloti.
FREIRE, P. (2005). Pedagogia do oprimido. 46. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
MAINARDES, J.; STREMEL, S. (2010). A teoria de Basil Bernstein e algumas de suas contribuições para as pesquisas sobre políticas educacionais e curriculares. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 11, n. 22, p. 1-24.
VENQUIARUTO, L. D.; DALLAGO, R. M.; ZANATTA, R. C.; NONNEMACHER, F.; SILVA, R. M. G.; KRAUSE, J. C. (2017). Qualidade de vinagres artesanais da Fronteira Noroeste Gaúcha: Teor de ácido acético. Vivências (URI Erechim), v. 13, p. 230.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Article Details