Chave interativa como método motivador e facilitador no ensino de botânica

Interactive key as a motivator and facilitator in the teaching of botany

  • João Rodrigues Miguel UNIGRANRIO
  • Míria Simões de Araújo Rodrigues UNIGRANRIO
Publicado
2019-10-11

No ensino de Botânica, os conteúdos são abordados sob a valorização de termos científicos, descontextualizados tornando-se distantes do cotidiano. Tal fato, não permite aos alunos enxergarem as plantas como seres tão importantes, causando a eles uma visão distorcida das mesmas. Diante destas observações e de outras situações, constata-se uma falta de motivação dos alunos em aprender e até mesmo nos professores, em ensinar essa disciplina tão essencial. O objetivo desta pesquisa foi desenvolver atividades práticas utilizando material botânico e um software que envolvessem os alunos de maneira dinâmica e construtiva. Para tal, foram selecionadas duas turmas do Ensino Médio de uma instituição de ensino particular. Utilizamos o método qualitativo para obtenção dos dados, que se constituíram por transcrições do questionário e de relatos. Após a análise dos resultados, concluímos que a metodologia usada contribuiu efetivamente, alterando a percepção equivocada sobre as plantas, por parte dos alunos participantes

Palabras clave: Classification of plants, practical activities, software (en)
Palabras clave: Classificação das plantas, atividades práticas, software (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Rodrigues Miguel, J., & Simões de Araújo Rodrigues, M. (2019). Chave interativa como método motivador e facilitador no ensino de botânica. Bio-grafía, 1637-1649. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/11147
AMABIS, J. M.; MARTHO, G. R. Biologia: biologia dos organismos. 3ª ed. São Paulo: Moderna, 2009. v. 2.
ANDRADE, M. L. F.; MASSABINI, V. G. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de ciências. Practical activities development: a challenge to science teachers. Ciência & Educação, v. 17, n. 4, p. 835-854, 2011.
ARAÚJO, J. N.; SILVA, M. F. V. Aprendizagem significativa de botânica em ambientes naturais. Revista Areté: Revista Amazônica de Ensino de Ciências, v. 8, n. 15, 2015.
ARRAIS, M. G. M.; DE SOUSA, G. M.; DE ANDRADE MASRUA, M. L. O Ensino de Botânica: Investigando Dificuldades na Prática Docente. Revista de Ensino de Biologia da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio) – V. 7 – 2014. ISSN 19821867.
BITTRICH, V.; SOUZA, C. S.; COELHO, R. L.G.; MARTINS, M. V.; HOPKINS, M. J. G.; AMARAL, M. C. E. 2012. An interactive key (Lucid) for the identifying of the genera of seed plants from the Ducke Reserve, Manaus, AM, Brasil. Rodriguésia 63:55-64.
CHALUBERT, A., DUBUS, G., GULLUT, C., PAVIE, B. & VIGNES-LEBBE, R. (2005) Xper2, computer aided identification sofware. UMR 7207 Laboratoire de Systématique et Informatique, Paris.
JOLY, A. B. Botânica: Introdução à taxonomia vegetal. 3° edição. São Paulo: Ed. Nacional, 1976.
KRASILCHIK, M. Práticas de Ensino de Biologia. 4ª ed. rev. e ampl., 3ª reimpr. São Paulo: Edusp, 2011.
LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. 2ª Ed. São Paulo: EPU. 2013.
MALAFAIA, G.; BÁRBARA, V. F.; RODRIGUES, A. S. L. Análise das concepções e opiniões de discentes sobre o ensino da biologia. Revista Eletrônica de Educação, v. 4, n. 2, p. 165-182, 2010.
MARANHÃO, M. E. A Importância da Interdisciplinaridade e Contextualização. 2009. Disponível em: . Acesso em: 02 de setembro de 2019.
MELO, E. A. et al. A aprendizagem de botânica no ensino fundamental: Dificuldades e desafios. Scientia Plena, v. 8, n. 10, 2012.
MINHOTO, M. J. Ausência de músculos ou por que os professores de biologia odeiam a Botânica. São Paulo: Cortez, 2003.
PRADO, M.; ALVES, A. H. B.; ENRIONE, M. J. B.; SILVA, A. F. G. A contextualização e a organização dialógica no ensino de Botânica na formação inicial de professores de Biologia para superação de dificuldades deste ensino. In: Atas do VIII ENPEC - Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, Campinas, 2011.
PRODANOV, C. C.; DE FREITAS, E. C. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico-2ª Edição. Editora Feevale, 2013.
ROCKENBACH, M. E.; OLIVEIRA, J. H. F.; PESAMOSCA, A. M.; CASTRO, P. E. E.; MACIAS, L.. (2012). Não se gosta do que não se conhece? A visão de alunos sobre a botânica. In: XXI Congresso de Iniciação Científica. 4ª Mostra Científica. Universidade Federal de Pelotas. http://www2.ufpel.edu.br/cic/2012/anais/pdf/CH/CH_01069.pdf. 31 Acesso em 28 ago., 2015.