Imagens da “educação inclusiva”: alguns apontamentos acerca do espaço e do tempo escolares

Images of "inclusive education": some notes about school space and time

Imágenes de la "educación inclusiva": algunos apuntes acerca del espacio y del tiempo escolares

  • Ana Paula Nunes Chaves Universidade de São Paulo
  • Leila Procópia Do Nascimento Universidade Federal de Santa Catarina
  • Sonia Maria Vanzella Castellar Universidade de São Paulo
Publicado
2018-02-26
El objetivo de este texto es discutir el tiempo y el espacio escolar, y cómo estos elementos estructurantes de la cultura escolar se configuran con la temática de la educación inclusiva, una vez que creemos que la propuesta de educación inclusiva genera en la escuela un cambio significativo en la estructura de tiempo y espacio establecida en la medida en que considera el estudiante como sujeto activo del/en el proceso educativo, reconociendo su singularidad y los diferentes lenguajes y ritmos de aprendizaje. Delante de las innumerables tentativas en las reformas políticas educacionales y en las articulaciones de investigadores interesados en el “pensar” la escuela, el currículo y la cultura escolar se muestra como uno de los mayores desafíos de las políticas nacionales e internacionales.
Palabras clave: Inclusive education, school culture, space and time (en)
Palabras clave: Educación inclusiva, cultura escolar, espacio y tiempo (es)
Palabras clave: Educação inclusiva, cultura escolar, espaço, tempo. (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Ana Paula Nunes Chaves, Universidade de São Paulo

Licenciada em Geografía pelaUniversidade Federal de Santa Catarina-UFSC-Brasil.Mestra em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina-UFSC-Brasil.Doutoranda em Educaçãon a Universidade de São Paulo-USP-Brasil.Integrante Grupo de Investigación Educaçao e Didática da Geografia: Práticas Interdisciplinares.

Leila Procópia Do Nascimento, Universidade Federal de Santa Catarina

Licenciada em Geografía pela Universidadedo Estado de Santa Catarina-UESC-Brasil.Mestra em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina-UFSC-Brasil.Doutoranda em Educaçãon a Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC-Brasil.Pesquisadora junto aoNEPEGeo - Núcleo de Estudos e Pesquisas em Ensino de Geografia

Sonia Maria Vanzella Castellar, Universidade de São Paulo

Professora Doutora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo – USP- Brasil.Licenciada em Geografía pela Universidade de São Paulo-Brasil.Mestra em Educação pela Universidade de São Paulo-Brasil.Doutora em Geografía Física pela Universidade de São Paulo-Brasil.Professorae Pesquisadorada en laFaculdade de Educação da Universidade de São Paulo – USP- Brasil.Integrante Grupo de InvestigaciónEducaçao e Didática da Geografia: Práticas Interdisciplinares.

Nunes Chaves, A. P., Procópia Do Nascimento, L., & Vanzella Castellar, S. M. (2018). Imágenes de la "educación inclusiva": algunos apuntes acerca del espacio y del tiempo escolares. Anekumene, 1(3), 42-51. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/anekumene/article/view/7349

Bueno, J. G. S. (2008). As políticas de inclusão escolar: uma prerrogativa da educação especial? In: BUENO, J. G. S.; MENDES, G. M. L.; SANTOS, R. A. dos. Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise. Araraquara: Junqueira & Marin; Brasília: CAPES. p. 43-66.

Chaves, A. P (2010). Ensino de Geografia e a cegueira: diagnóstico da inclusão escolar na Grande Florianópolis. Florianópolis, 2010. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Catarina.

Chervel, A. (1998). La culture scolaire: une approche historique. Paris: Belin.

De Paula, L. S. B. (2009). Cultura escolar, cultura surda e construção de identidades na escola. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.15, n.3, p.407-416, Set.-Dez.

Faria F. (2004). et al. A cultura escolar como categoria de análise e como campo de investigação na história da educação brasileira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 139-159, jan./abr.

Forquin, J. (1993). Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas.

Frigotto, G. (1993). A produtividade da escola improdutiva: um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. 4.ed. São Paulo: Cortez.

Gallego, R. C.; Silva, V. B. (2010) A gestão do tempo e do espaço na escola. Material do Curso de Gestão da Escola para Diretores, realizado no Ambiente Virtual de Aprendizagem Rede de Formação Docente (REDEFOR/USP).

Habermas, J. (1997). Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio Janeiro: Tempo Brasileiro, v. 2.

Julia, D. (2001). A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, n. 1, p. 9-44.

Laval, C. (2004). A escola não é uma empresa: neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Editora Planta.

Rocha, H. H. P. (2000). Prescrevendo regras de bem viver: Cultura escolar e racionalidade científica. Cadernos Cedes, Campinas, ano XX, n. 52, p.1-19, Novembro.

Rodrigues, D. (2007). Educação Inclusiva: mais qualidade à educação. In: BRASIL. Ensaios pedagógicos - educação inclusiva: direito à diversidade. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, p. 29-36.

Rosenfield, Denis L. O que é democracia. Coleção primeiros passos. São Paulo: Brasiliense, 2007.

Silva, T. T. (1999). Quem escondeu o currículo oculto. In: SILVA, T. T. da. Documento de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, p. 77-152.

Veiga-Neto, A. (2001). Incluir para excluir. In: LARROSA, J; SLIAR, C. (org.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Trad. Semíramis Gorini da Veiga. Belo Horizonte: Autêntica, p.105-118.

Viñao Frago, A. (1995). Historia de la educación e historia cultural. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 0, p. 63-82, set./dez.

Viñao Frago, A. (2006). Sistemas Educativos, Culturas Escolares y Reformas: Continuidades y Câmbios. Madrid: Morata.

Viñao Frago, A., Escolano, A. (2001). Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A.