O diário de bordo como instrumento formativo no processo de formação inicial de professores de ciências e biologia

The Logbook as Educational Instrument in the initial Training Process of Science and Biology Teachers

  • Camila Boszko Universidade Federal da Fronteira Sul – UFFS. Bolsista de Iniciação Científica PROBIC/FAPERGS – UFFS
  • Roque Ismael da Costa Güllich Universidade Federal da Fronteira Sul
Publicado
2016-07-01

O presente trabalho objetivou analisar o potencial formativo das narrativas reflexivas sob a perspectiva da Investigação-Formação-
Ação (IFA). Para tanto, utilizamos como instrumento de pesquisa os diários de bordo escritos pelos sujeitos participantes de
um projeto de formação docente. Procedemos à leitura destes, demarcação de trechos e posterior transcrição e categorização.
O processo de pesquisa qualitativa com base nas narrativas dos sujeitos nos levou a afirmar que as metodologias que eram desenvolvidas no programa de formação sob a perspectiva da IFA vieram a estimular a reflexão sobre diferentes conteúdos relacionados à construção da prática docente. Com base nos resultados construídos nesta pesquisa, podemos estar argumentando em favor da perspectiva da IFA desenvolvida a partir da prática da escrita reflexiva nos diários de bordo, visto que percebemos que se apresenta como um potencial formativo valioso, tornando-se além de um processo de formação docente, um método de intervenção e possível (re)construção constante da prática. Sendo assim, vemos o exercício de construção dos diários de bordo, respaldado na metodologia da IFA, como uma metodologia constituinte e formativa da ação docente.

Palabras clave: Escritas reflexivas, formação de professores, investigação-ação, pesquisa-ação. (es)

- Alarcão, I. (2011).Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8.ed. São Paulo: Cortez.

- Carr, W. & Kemmis, S. (1988).Teoria crítica de la enseñanza: investigación-acción en la formación del profesorado.Barcelona: Martinez Roca.

- Güllich, R. I.& Silva, L. H.(2013) O Enredo da Experimentação

no Livro Didático: Construção de conhecimentos ou reprodução de teorias e verdades científicas? Revista Ensaio, 15, (02), 155-167.

- Krasilchik, M.(1987)O professor e o currículo de ciências.

São Paulo: EPU - Editora da Universidade de São Paulo.

- Lopes, A.(2005) Política do currículo: Recontextualização

e Hibridismo. [s. L.]: Currículo Sem Fronteiras, 5,(p. 50-64)..

- Lüdke, M.; André, M. E. D. A. (2011) Pesquisa em educação:

abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

- Martins, R. (2006)A história das ciências e seus usos da educação. In: C. Silva.Estudo de história e filosofia das ciências, subsídios para aplicações no ensino. São Paulo: livraria da física.

- Mckernan, J.(2009)Currículo eimaginação: teoria do processo, pedagogia e pesquisa-ação. Porto Alegre: Artmed.

- Moreira, A. F. B.; Candau, V. M. (2007) Indagações sobre

o currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério da Educação. (p. 5 – 21).

- Person, V. A.; Gullich, R. I. C. (2013)O espelhamento de

práticas desencadeando a reflexão na formação continuada de professores de ciências. In: XVI Encontro Nacional de Educação e Ciclo de Estudos da Pedagogia, 2013, Santa Rosa.. Ijuí: Editora UNIJUI.

- Porlán, R.; Martín, J. (1997) El diario del profesor: um recurso

para investigación em el aula.Díada: Sevilla.

- Reis, P. (2008) As Narrativas na Formação de Professores

e na Investigação em Educação. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente, Sp, 15, (16), 17-34. Recuperado em 01 maio, 2015 de::<http://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/viewFile/174/244>.

- Rosito, B.A. (2008) O Ensino de Ciências e a Experimentação.

In: MORAES, Roque. Construtivismo e Ensino de Ciências. Porto Alegre: EDIPUCRS.

- Silva, L. H. A; Zanon, L. B. (2000) Experimentação no ensino

de ciências. In: SCHNETZER, Roseli P.; ARAGÃO, R. M. R. (Orgs.) Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. Campinas: V Gráfica. (p. 120-153).

- Schön, D. (2000) Tradução de Roberto Cataldo Costa.

Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e aprendizagem. Porto Alegre:ARTMED.

- Wyzykowski, T., Silva, J. da, & Güllich, R.. (2013)Narrativas

no ensino de ciências: a investigação-ação como processo de formação de professores.Anais do VI Encontro Regional Sul de Biologia, Santo Ângelo, RS, Brasil.Recuperado em 26 março, 2016 de:<http://santoangelo.uri.br/erebiosul2013/anais/wp-content/uploads/2013/07/comunicacao/13385_133_Tamini_Wyzykowski.pdf>.

- Wengzynski, D. C.;Tozetto, S. S. (2012) A formação continuada face a suas contribuições para a docência.

Anais do IX Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, Caxias do Sul, RS, Brasil. Recuperado em 20 de março, 2016, de: < http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/2107/513>.

- Zabalza, M. (2004)Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional.(Trad. E. Rosa). Porto Alegre: Artmed.

- Zanon, L. (2013) Interações de licenciandos, formadores

e professores na elaboração conceitual de prática docente: módulos triádicos na licenciatura de Química.Tese de Doutoramento.Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP). Faculdade de Ciências Humanas, Piracicaba, SP, Brasil.

APA

Boszko, C., & da Costa Güllich, R. I. (2016). O diário de bordo como instrumento formativo no processo de formação inicial de professores de ciências e biologia. Bio-grafía, 9(17), 55.62. https://doi.org/10.17227/20271034.vol.9num.17bio-grafia55.62

ACM

[1]
Boszko, C. y da Costa Güllich, R.I. 2016. O diário de bordo como instrumento formativo no processo de formação inicial de professores de ciências e biologia. Bio-grafía. 9, 17 (jul. 2016), 55.62. DOI:https://doi.org/10.17227/20271034.vol.9num.17bio-grafia55.62.

ACS

(1)
Boszko, C.; da Costa Güllich, R. I. O diário de bordo como instrumento formativo no processo de formação inicial de professores de ciências e biologia. Bio-grafía 2016, 9, 55.62.

ABNT

BOSZKO, C.; DA COSTA GÜLLICH, R. I. O diário de bordo como instrumento formativo no processo de formação inicial de professores de ciências e biologia. Bio-grafía, [S. l.], v. 9, n. 17, p. 55.62, 2016. DOI: 10.17227/20271034.vol.9num.17bio-grafia55.62. Disponível em: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/5812. Acesso em: 21 ene. 2022.

Chicago

Boszko, Camila, y Roque Ismael da Costa Güllich. 2016. «O diário de bordo como instrumento formativo no processo de formação inicial de professores de ciências e biologia». Bio-grafía 9 (17):55.62. https://doi.org/10.17227/20271034.vol.9num.17bio-grafia55.62.

Harvard

Boszko, C. y da Costa Güllich, R. I. (2016) «O diário de bordo como instrumento formativo no processo de formação inicial de professores de ciências e biologia», Bio-grafía, 9(17), p. 55.62. doi: 10.17227/20271034.vol.9num.17bio-grafia55.62.

IEEE

[1]
C. Boszko y R. I. da Costa Güllich, «O diário de bordo como instrumento formativo no processo de formação inicial de professores de ciências e biologia», Bio-grafía, vol. 9, n.º 17, p. 55.62, jul. 2016.

MLA

Boszko, C., y R. I. da Costa Güllich. «O diário de bordo como instrumento formativo no processo de formação inicial de professores de ciências e biologia». Bio-grafía, vol. 9, n.º 17, julio de 2016, p. 55.62, doi:10.17227/20271034.vol.9num.17bio-grafia55.62.

Turabian

Boszko, Camila, y Roque Ismael da Costa Güllich. «O diário de bordo como instrumento formativo no processo de formação inicial de professores de ciências e biologia». Bio-grafía 9, no. 17 (julio 1, 2016): 55.62. Accedido enero 21, 2022. https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/5812.

Vancouver

1.
Boszko C, da Costa Güllich RI. O diário de bordo como instrumento formativo no processo de formação inicial de professores de ciências e biologia. Bio-grafía [Internet]. 1 de julio de 2016 [citado 21 de enero de 2022];9(17):55.62. Disponible en: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/5812

Descargar cita

Citaciones

Crossref Cited-by logo
0

Métricas PlumX

Visitas

1027

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.