Parodia musical como recurso educativo para estudiar conceptos ambientales

  • Tafarel Fernandes Tavares de Melo Universidade Estadual da Paraíba – Brasil
  • Márcia Adelino Da Silva Dias Universidade Estadual da Paraíba – Brasil
Publicado
2015-12-10

La práctica de asociar a la musica sus factores sociales se refleja en el aprendizaje en diferentes niveles y ambientes, por lo que es una característica potencialmente constructivo.En este trabajo tomamos la parodia como un elemento para estudiar cómo la música contribuye al desarrollo de la conciencia mediante la investigación de los conceptos ambientales expresadas por los estudiantes de Ensino Médio (Escuela Secundaria). Por lo tanto, al final de un curso corto realizado en una escuela pública en Campina Grande – PB (Brasil), fueron construidos parodias por estudiantes que recibieron tratamiento de los datos cualitativos, como se propone en la "análisis temática" (Bardin, 2011).Los elementos que surgieron del análisis contribuyeron al conocimiento de los conceptos expresados por los participantes en relación con el medio ambiente, las relaciones sociales y el proyecto de jardín escolar desarrollado en el campo de estudio, clasificados en identificación, conceptos ambientales amplios y conceptos ambientales estrictos.Señaló la importancia de la parodia como recurso estimulante a la construcción de conciencia crítica, haciendolo un gran articulador para la comprensión de diversos conocimientos circunscritos dentro de las Ciencias Naturales.

La descarga de datos todavía no está disponible.
Tafarel Fernandes Tavares de Melo, Universidade Estadual da Paraíba – Brasil
Universidade Estadual da Paraíba – Brasil; e-mail: tafarel.melo@gmail.com
Márcia Adelino Da Silva Dias, Universidade Estadual da Paraíba – Brasil
Universidade Estadual da Paraíba – Brasil; e-mail: adelinomarcia@yahoo.com.br
Tavares de Melo, T. F., & Da Silva Dias, M. A. (2015). Parodia musical como recurso educativo para estudiar conceptos ambientales. Bio-grafía, 1575.1589. https://doi.org/10.17227/20271034.vol.0num.0bio-grafia1575.1589

Barbosa, R. G.; Batista, I. L. (2011). A criatividade como uma referência para discutir as bases da ciência e do seu ensino. Atas do VIII ENPEC, Campinas.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. 2. ed. São Paulo: Edições 70.

Brasil. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9394, de 20 de novembro de 1996. Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio): bases legais. Brasília: MEC/SEF.

Campos, L. M. L; Bortoloto, T. M.; Felicio, A. K. C. (2008). A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Disponível em: <http://www.unesp.br/prograd/PDFNE2002/aproducaodejogos.pdf.> Acesso em 25/jul/2012.

Damasceno, A. M. B. (2009). Um encontro da biologia com a música: por um ensino mais humanista. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Fernandes, R. S.; Souza, V. J.; Pelissari, V. B. Fernandes, S. T. (2004). Uso da Percepção Ambiental como instrumento de gestão em aplicações ligadas às áreas educacional, social e ambiental. Rede CEAs. Disponível em: <http://www.redeceas. esalq.usp.br/noticias/Percepcao_Ambiental.pdf>. Acesso em 26 fev. 2012.

Ferreira, M. (2008). Como usar a música na sala de aula. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

Granja, C. de S. E. C. (2006). Musicalizando a escola: música, conhecimento e educação. 1. ed. São Paulo: Ensaios Transversais.

Guimarães, M. (1995). A dimensão ambiental na educação. Campinas: Papirus.

Hernández, F.; Sancho, J. M. (2000) Aprendendo com as Inovações nas Escolas. Porto Alegre: Artmed.

Jacobi, Pedro. (2003). Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, 118(3), 189-205.

Leff, E. (2001). Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez.

Loureiro, A. M. A. (2003). O ensino de música na escola fundamental. Campinas, SP: Papirus.

Melo, T. F. T. De; Assis, M. L. G. De; Severo, T. E. A.; Silva, M. V. K. F. (2012). Ação do PIBID por meio de um projeto de Horta comunitária como estratégia didática de Educação Ambiental. Anais do XVI ENDIPE – Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino: UNICAMP – Campinas: p. 6652 - 6663.

Morgado, F. da S. (2006). A horta escolar na educação ambiental e alimentar: experiência do Projeto Horta Viva nas escolas municipais de Florianópolis. Monografia de Graduação em Ciências Agrárias – Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

Morin, E. (2003). A Cabeça Bem Feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 8.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Muggler, C. C. Almeida, S. De; Mol, M. J. L.; Franco, P. R. C.; Monteiro, D. E. J.; (2004). Solos e Educação Ambiental: Experiência com alunos do Ensino Fundamental na Zona Rural de Viçosa, MG. Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária – Belo horizonte: UFMG.

Ricklefs, R. E. (2010). A Economia da Natureza. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan.

Santos, P. A. M. (2005). Inovações no ensino de ciências e na educação em saúde: um estudo a partir de projeto Finlay. Dissertação de mestrado – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Severo, T. E. A. (2012). Ecologia também é Educação Ambiental? Um estudo sobre as necessidades formativas do professor educador ambiental. Anais do XVI ENDIPE – Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino: UNICAMP, Campinas, 6627 – 6638.

Sousa, M. E; Silva, O. F; Silva, S. R. T; Silva, G. H. P. (2012). A importância das atividades lúdicas: uma proposta para o ensino de ciências. Anais do VII CONNEPI, Palmas: IFTO.