REPRESENTAÇÕES SOBRE O CONCEITO DE NATUREZA: UM ESTUDO COM PROFESSORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EM FORMAÇÃO

  • Thiago Emmanuel Araújo Severo Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
  • Márcia Adelino Da Silva Dias Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
Publicado
2015-12-10

O ensino de Biologia, pautado na dialogia, reproblematiza conceitos e gera espaços democráticos de discussão sobre as dinâmicas da sociedade e do meio ambiente. Para este fim, objetivamos identificar como um grupo de estudantes do curso de Ciências Biológicas compreende o conceito de Natureza. Utilizamos um questionário e categorias teóricas de análise para identificar os elementos que emergiram nas respostas. Parte dos participantes da pesquisa reduziu a natureza apenas à fonte de alimento (14,29%), ou símbolo de dominação, pertencente à humanidade (35,3%), mas não se incluíram dentro das dinâmicas dos sistemas vivos. A fragmentação deste conceito pode ter bases na atual abordagem hegemônica dos conteúdos curriculares, priorizando um ensino pontual e a separação dos pólos homem/meio ambiente, sociedade/cultura.

La descarga de datos todavía no está disponible.
Thiago Emmanuel Araújo Severo, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Departamento de Biologia; thiagosev@gmail.com
Márcia Adelino Da Silva Dias, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Departamento de Biologia; adelinomarcia@yahoo.com.br
Araújo Severo, T. E., & Da Silva Dias, M. A. (2015). REPRESENTAÇÕES SOBRE O CONCEITO DE NATUREZA: UM ESTUDO COM PROFESSORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EM FORMAÇÃO. Bio-grafía, 957.969. https://doi.org/10.17227/20271034.vol.0num.0bio-grafia957.969

Almeida, M. d. C. d. (2010). Complexidade, saberes científicos, saberes da tradição. São Paulo: Editora Livraria da Física.

Atlan, H. (2001). Viver e conhecer. Cronos. Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFRN, 2(2).

Bachelard, G. (1977). Epistemologia. Escritos organizado por Dominique Lecourf. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Campos, M. C. C., & Nigro, R. G. (1999). Didática de ciências: o ensino-aprendizagem como investigação. São Paulo: FTD.

Cobern, W. W. (1996). Wordview Theory and Conceptual Change in Science of Education. Journal of Science Education, 5(80), 579-610.

Cobern, W. W., Gibson, A. T., & Underwood, S. A. (1999). Conceptualization of nature: an interpretive study of 16 ninth graders’ everyday thinking. Journal of Research in Science Teaching(36), 541-564.

Dean, W. (1996). A Ferro e fogo: a história e a devastação da mata atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.

Dias, M. A. d. S. (2008). Dificuldades na aprendizagem dos conteúdos de Biologia e as concepções alternativas: constatações a partir do índice de aproveitamento nas provas de múltipla escolha dos Vestibulares da UFRN, no período entre 2001 e 2008. (Doutorado em Educação), Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Dias, M. A. d. S., & Nunez, I. B. (2006). Dificuldades de aprendizagem nos conteúdos de biologia: Um reflexo nos resultados das provas objetivas do vestibular da URFN no período de 2003 a 2006. Paper presented at the Congresso ANPAE, Natal.

Dias, M. A. d. S., Soares, W. C., Ramos, I. C. d. O., & Nunez, I. B. (2005). Análise do índice de aproveitamento das questões objetivas das provas de química e de biologia do vestibular da UFRN: um estudo comparativo dos candidatos de escolas públicas e privadas no período de 2003 a 2005. Paper presented at the V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (V ENPEC).

Espírito-Santo, A. P. d. (Producer). (2009, 2009). Ecologia e Educação Ambiental. Retrieved from http://www.ufpa.br/npadc/gpeea/artigostext/Ecologia_EdAmbiental.pdf

Latour, B. (2009). Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica (Segunda Edição ed.). Rio de Janeiro: Editora 34.

Layrargues, P. P. (2002). Muito prazer, sou a educação ambiental, seu novo objeto de estudo sociológico. Paper presented at the I Encontro da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade, Indaiatuba.

MEC/BRASIL. (2006). Parâmetros Curriculares Nacionais, Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/SEF.

Moreira-Coneglian, I. R., Diniz, R. E. d. S., & Bicudo, L. R. H. (2004). Educação ambiental em praça pública no município de Botucatu/SP. Revista Ciência em Extensão, 3(1), 39-52.

Morin, E. (2000). Da necessidade de um pensamento complexo. In F. Menezes & J. M. d. Silva (Eds.), Para nevegar no século XXI. Porto Alegre: Sulina; Edipucrs.

Pereira, A. B. (1993). Aprendendo Ecologia através da Educação Ambiental. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto.

Pierson, A. H. C., & Neves, M. R. (2001). Interdisciplinaridade na Formação de Professores de Ciências: conhecendo obstáculos. Revista Brasileira de Pesquisa Em Educação Em Ciências - Porto Alegre, 1(2), 19-30.

Silva, F. J. D. d., & Dias, M. A. d. S. (2008). As representações que os estudantes do PROBÁSICA têm acerca da sua profissão: Elementos para refletir sobre a ação docente. Paper presented at the III CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE PESQUISA (AUTO) BIOGRÁFICA, Natal - RN.

Stillman, C. W. (1977). On the meanings of “nature”. Paper presented at the Symposium on Children, Nature, and the Urban Environment - U.S. Department of Agriculture Northeastern Forest Experiment Station, Upper Darby, PA.