DIALOGICIDADE E EDUCAÇÃO BIOLÓGICA

  • Macilene Pereira de Araújo Universidade Estadual da Paraíba
  • Thiago Emmanuel Araújo Severo Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Evanize Custódio Rodrigues Secretária de Educação da Paraíba
  • Márcia Adelino Da Silva Dias Universidade Estadual da Paraíba
Publicado
2015-12-10
Repensar a Educação Biológica (EB), tem sido uma necessidade apontada por diversos trabalhos, é importante pensar a EB como uma ciência múltipla e aberta. Porém, o que observamos é um ensino que se esgota nos modelos educacionais fragmentados, dificultando assim o desenvolvimento de habilidades e competências pelos estudantes, o que torna importante o desenvolvimento de pesquisas que possam tecer reflexões sobre a superação deste modelo de ensino fragmentado. Neste sentido, objetivamos avaliar a evolução conceitual do argumento, a partir de uma sequência didática na perspectiva argumentativa. Para tal, executamos as seguintes etapas: observação de campo; apresentação de textos sobre o aquecimento global; documentários sobre esse fenômeno; realização de dois debates de natureza argumentativa. Os dados foram construídos a partir de observações de campo, da filmagem e gravação dos debates, sendo os mesmos transcritos e analisados usando o método proposicional. Os resultados foram considerados satisfatórios no que diz respeito à evolução conceitual referente a quantidade e qualidade do argumento
La descarga de datos todavía no está disponible.
Macilene Pereira de Araújo, Universidade Estadual da Paraíba
Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática – Universidade Estadual da Paraíba, maci.pereira.araujo@gmail.com
Thiago Emmanuel Araújo Severo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Departamento de Práticas Educacionais e Currículo – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, thiagosev@gmail.com
Evanize Custódio Rodrigues, Secretária de Educação da Paraíba
Secretária de Educação da Paraíba, nizecr@hotmail.com
Márcia Adelino Da Silva Dias, Universidade Estadual da Paraíba

Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Estadual da Paraíba, adelinomarcia@yahoo.com.br

de Araújo, M. P., Araújo Severo, T. E., Custódio Rodrigues, E., & Da Silva Dias, M. A. (2015). DIALOGICIDADE E EDUCAÇÃO BIOLÓGICA. Bio-grafía, 458.469. https://doi.org/10.17227/20271034.vol.0num.0bio-grafia458.469

ASSIS, A. (2005). Leitura, argumentação e ensino de Física: análise da utilização de um texto paradidático em sala de aula, 286f. Tese de doutorado Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP, Brasil.

BILLIG, M. (1996). Arguing and thinking: A rethorical approach to social psycology. Cambridge: Cambridge University Press.

COSTA, A. (2008). Desenvolver a capacidade de argumentação dos estudantes: um objectivo pedagógico fundamental. [Versão eletrônica], Revista Iberoamericana de Educacion, nº 46(5).

ERDURAN, S. & JIMÉNEZ-ALEIXANDRE, M. P (2007). Argumentation in Science Education: An Overview. (Cap. 1, pp. 3-27). Springer.

KUHN, D. (1993). Science as argument: implications for teaching and learning scientific thinking. Science Education 77/3, 319-337.

KRASILCHIK, M. (2004). Prática de Ensino de Biologia, (4ª. Ed.) São Paulo: USP.

MEC/BRASIL. (2006) Parâmetros Curriculares Nacionais, Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/SEF.

RATCLIFFE, M. (1998). Discussing socio-scientific issues in science lessons – pupils’ actions and the teacher’s role. School Science Review, 79/288,. 55-59.

RIBEIRO, R. M. (2009). A construção da Argumentação oral em contexto escolar. São Paulo: Cortez.

SANTOS, W. L. P. D., MORTIMER, E. F., SCOTT, P. H. (2001). A argumentação em discussões sócio-científicas: reflexões a partir de um estudo de caso. [Versão eletrônica] Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências - 1/1, 140-152. Porto AlegrE.

SEVERO, T. E. A. & DIAS, M. A. D. S. (2009). O ensino de ecologia na escola e as interfaces da educação ambiental na formação dos professores de biologia. João Pessoa/PB. Anais do Encontro de Pesquisa Educacional do Norte Nordeste / EPENN - Educação Direitos Humanos e Inclusão Social. João Pessoa, PB, Brasil, 19.

SEVERO, T. E. A. & ALMEIDA, M. D. C. X. D. (2011). Ensino de Biologia e Saberes da Tradição. Curitiba – PR. Atas do Seminário Internacional de Representações Sociais, Subjetividade e Educação/ Congresso Nacional de Educação - EDUCERE. Curitiba –PR, Brasil I/X.

SEVERO, T. E. A. (2012). Ecologia também é educação ambiental? um estudo sobre as necessidades formativas do professor Educador Ambiental. Campinas/SP. Atas do ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino. Campinas, SP, Brasil XVI.

VIEIRA, R. D. & NASCIMENTO, S. S. (2013). Argumentação no ensino de ciências: tendências, práticas e metodologia de análise. – (1a ed). - Curitiba: Appris.

ILLANI, C. E. P . & NASCIMENTO, S. S. D. (2003). A argumentação e o ensino de ciências: uma atividade experimental no laboratório didático de física do ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências, 8/3, 187-209