Saberes ancestrais e formação de professores de biologia: aproximações entre história ambiental e narrativas locais na proteção do patrimônio biocultural

Ancestral knowledge and biology teacher training: bridging environmental history and local narratives in the protection of biocultural heritage

Saberes ancestrales y formación de profesores de biología: aproximaciones entre la história ambiental y las narrativas locales en la protección del patrimonio biocultural

Publicado
2023-01-24

En este ensayo discutimos sobre el papel que la enseñanza de la biología puede tener en la protección del patrimonio biocultural y sobre el lugar que los enfoques antropológicos que pretenden comprender las diferentes relaciones que se establecen entre los seres humanos, sus culturas y la naturaleza que les rodea pueden asumir en la enseñanza y formación de los profesores de biología, en una perspectiva intercultural. Argumentamos que las estrategias que desencadenan el pasado, por medio de la historia ambiental, las narraciones míticas y una concepción histórica del discurso pueden constituir poderosos dispositivos educativos para el diálogo intercultural en la formación del profesorado y la enseñanza de la biología. Tomamos como objeto de estudio el discurso sobre la “camboa”, como término, artefacto y arte de pesca, a través de una aproximación que destaca la relevancia de los enfoques que promueven la convergencia entre la historia ambiental, la investigación narrativa y el análisis del discurso. Ejemplificamos a proposta de colocar em relação a história e a memória biocultural dos alunos e das suas comunidades com a narrativa “Camboa do Padre”, identificada em duas comunidades de pescadores en el litoral de Bahía, Brasil. Evidenciamos, a partir de este estudio, que es importante conocer la red de afiliaciones en la que se inscriben el término, el artefacto y la técnica para que se puedan atribuir significados a las narrativas locales, ampliando los horizontes de conservación del patrimonio biocultural.

Palabras clave: biocultural memory; environmental history; local narratives; historical repetition; intercultural dialogue (en)
memoria biocultural; historia ambiental; narrativas locales; repetición histórica; diálogo intercultural (es)
memória biocultural; história ambiental; narrativas locais; repetição histórica; diálogo intercultural (pt)

ARAÚJO, Antônia Gabriela Pereira de; PEREIRA, Bruno Gonçalves. “Mar de Vaqueiros”: conhecimentos tradicionais da pesca de curral e os direitos territoriais dos pescadores artesanais da praia de Bitupitá, Ceará. Tessituras, Pelotas, v. 3, n. 1, p. 231-269, jan./jun. 2015.

Assunção, A. V. L. L. (2017). "Quilombo urbano", Liberdade, Camboa e Fé em Deus: identidade, festas, mobilização política e visibilidade na cidade de São Luís, Maranhão. 162 f. Dissertação (Mestrado em Cartografia Social e Política da Amazônia. Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Estadual do Maranhão, São Luís.

Barros, C. E. S. M. de (1992). O sentido do espaço na iconografia do aldeamento missionário de São Fidélis. 125 f. Dissertação de Mestrado (Artes Visuais) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Boutureira, F. C.(1999). La actividad pesquera en la Galicia de los ss. IX-XIII, a través de la diplomática medieval y la toponimia actual. Anuario Brigantino, 22, 105-134. Recuperado de: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2507493

Comissão Ilha Ativa. Pesca história: pois, conte outra. Parnaíba: Sieart, 2015.

Correia, A. da C. C. (2013). Cultura da desintegração: representações do litoral norte de Viana do Castelo. volume II. 138 f. Dissertação (Mestrado em Arquitectura: Cidade e Território). Escola de Arquitectura, Universidade do Minho, Minho.

Dean, W. (1997). A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.

Del'Antônio, U. J. (2005) Etimologia do topônimo Camboriú. Blumenau em Cadernos, 3/4. Recuperado em: http://hemeroteca.ciasc.sc.gov.br/blumenau%20em%20cadernos/2005/BLU2005003.pdf

El-Hani, C. N. (2022) Bases teórico-filosóficas para o design de educação intercultural como diálogo de saberes. Investigações em Ensino de Ciências, 27(1), 1-38. Recuperado de: https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2022v27n1p01

Fernandes, R. M. (2012). O Informal e o artesanal: pescadores e revendedeiras de peixe na Guiné-Bissau. Fronteiras pós-coloniais: rigidez, heterogeneidade e mobilidade. 275 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Economía, Universidade de Coimbra, Coimbra. Recuperado em: http://hdl.handle.net/10316/23327

Fonseca, J. de O. (2021). Pescando mudanças: embarcações, artes de pesca e educação intercultural na comunidade das Poças, Conde-BA. 162 f. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências). Faculdade de Educação, UFBA/UEFS. Recuperado de: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/34471

Freitas, D. (2004). As camboas de Afife. Cadernos Vianenses, 35, 157-236. Recuperado de: https://lm.redeescolardeciencia.pt/wp-content/uploads/2020/08/T35A8.pdf

Freitas, Á. C. et al. (2018). Lendas, misticismo e crendices populares sobre manguezais. In Pinheiro, M. A. A. & Talamoni, A. C. B. (Org.). Educação ambiental sobre manguezais (144-165). São Vicente: UNESP, Instituto de Biociências, Campus do Litoral Paulista. Recuperado de: https://www.clp.unesp.br/Home/publicacoes/educacao-ambiental-sobre-manguezais.pdf

Leff, E. (2010). Saber ambiental: sustentabilidad, racionalidad, complejidad, poder. 3. ed. México: Siglo XXI.

Mauch, C. (2011). A magia da história ambiental e esperanças para o futuro. In Coulter, K. & Mauch, C. (eds). O futuro da história ambiental: necessidades e oportunidades (75-77). Braga: RCC Perspectives. Recuperado de: https://www.environmentandsociety.org/sites/default/files/2011_i3_layout_portu_web_0.pdf

Molano, J. G. S.; Almeida, R. O. de. (2022) Tecituras ambientais: inspirações epistemológicas e axiológicas para educações insurgentes. Ensaio: Pesquisa em Educação e Ciências, Belo Horizonte, 24(e38389), p. 1-17. Recuperado de: https://www.scielo.br/j/epec/a/57Rttr5Tt3mPkgdFFG8JtbG/?format=pdf&lang=pt

Moraes, I. P. de. (2012) Do tempo dos Pretos d’antes aos Povos do Aproaga: patrimônio arqueológico e territorialidade quilombola no Vale do Rio Capim (PA). 237 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade Federal do Pará, Pará. Recuperado de http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/4038

Orlandi, E. P. (1994) Discurso, imaginário social e conhecimento. Em Aberto, 14(61), 53-59. Recuperado de http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/2250

Orlandi, E. P. (2010). Análise do discurso. In: Orlandi, E. P.; Lagazzi-Rodrigues, S. (Orgs). Discurso e textualidade. Campinas, SP: Pontes, p. 13-28.

Pedro, L. (2017) A cabeça do Brasil: A cidade do Salvador e os caminhos da capitalidade na Bahia (1481-1808). 374 f. Tese (Doutorado em História) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador. Recuperado em: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/31950

Pereira, T. D. (2011). A linguagem da pesca em comunidades baianas: um estudo dialetal em Siribinha e Bom Jesus dos Passos. 212 f. Mestrado (Língua e Cultura) - Instituto de Letras, UFBA. Salvador. Recuperado em: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/8652

Pynen, S. J. (2011) O Valor Monetário da História Ambiental. In Coulter, K. & Mauch, C. (eds). O futuro da história ambiental: necessidades e oportunidades (57-59). Braga: RCC Perspectives. Recuperado de: https://www.environmentandsociety.org/sites/default/files/2011_i3_layout_portu_web_0.pdf

Reigota, M. (2011). A floresta e a escola: por uma educação ambiental pós-moderna. São Paulo: Cortez.

Silva, A. de A. (2022). Educação intercultural e diálogo entre diferentes saberes: Desafios e possibilidades no ensino de ciências da escola básica. 90 f. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) - Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador. Recuperado de: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/35562

Vegini, V.; Vegini, R. L.; Ferreira Netto, W. (2014) O mostruoso mapinguari pan-amazônico: uma sucessão de adaptações aloindígenas. Porto Velho: Temática. Recuperado de: http://doi.editoracubo.com.br/10.4322/978.85.65720.09.0

VITERBO, Joaquim de Santa. Rosa de. Elucidario das palavras, termos, e frases antiquadas da língua portugueza. 2. ed. Lisboa: Typographia do Panorama, 1865. Tomo 1. https://purl.pt/13944/4/

APA

Oliveira de Almeida, R. (2023). Saberes ancestrais e formação de professores de biologia: aproximações entre história ambiental e narrativas locais na proteção do patrimônio biocultural. Bio-grafía. https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/18564

ACM

[1]
Oliveira de Almeida, R. 2023. Saberes ancestrais e formação de professores de biologia: aproximações entre história ambiental e narrativas locais na proteção do patrimônio biocultural. Bio-grafía. (ene. 2023).

ACS

(1)
Oliveira de Almeida, R. Saberes ancestrais e formação de professores de biologia: aproximações entre história ambiental e narrativas locais na proteção do patrimônio biocultural. Bio-grafía 2023.

ABNT

OLIVEIRA DE ALMEIDA, R. Saberes ancestrais e formação de professores de biologia: aproximações entre história ambiental e narrativas locais na proteção do patrimônio biocultural. Bio-grafía, [S. l.], 2023. Disponível em: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/18564. Acesso em: 1 feb. 2023.

Chicago

Oliveira de Almeida, Rosiléia. 2023. «Saberes ancestrais e formação de professores de biologia: aproximações entre história ambiental e narrativas locais na proteção do patrimônio biocultural». Bio-grafía, enero. https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/18564.

Harvard

Oliveira de Almeida, R. (2023) «Saberes ancestrais e formação de professores de biologia: aproximações entre história ambiental e narrativas locais na proteção do patrimônio biocultural», Bio-grafía. Disponible en: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/18564 (Accedido: 1 febrero 2023).

IEEE

[1]
R. Oliveira de Almeida, «Saberes ancestrais e formação de professores de biologia: aproximações entre história ambiental e narrativas locais na proteção do patrimônio biocultural», Bio-grafía, ene. 2023.

MLA

Oliveira de Almeida, R. «Saberes ancestrais e formação de professores de biologia: aproximações entre história ambiental e narrativas locais na proteção do patrimônio biocultural». Bio-grafía, enero de 2023, https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/18564.

Turabian

Oliveira de Almeida, Rosiléia. «Saberes ancestrais e formação de professores de biologia: aproximações entre história ambiental e narrativas locais na proteção do patrimônio biocultural». Bio-grafía (enero 24, 2023). Accedido febrero 1, 2023. https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/18564.

Vancouver

1.
Oliveira de Almeida R. Saberes ancestrais e formação de professores de biologia: aproximações entre história ambiental e narrativas locais na proteção do patrimônio biocultural. Bio-grafía [Internet]. 24 de enero de 2023 [citado 1 de febrero de 2023];. Disponible en: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/18564

Descargar cita

Visitas

6

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.