Gênero, Ciência e fecundação Humana em Pauta: compreensões estabelecidas por alunos/as da educação básica durante uma intervenção didática

Gender, Science and Human Fecundation in the Agenda: Understandings Established by Students of Basic Education During a Didactic Intervention

Género, ciencia y fecundación humana en la agenda: entendimientos establecidos por los estudiantes de Educación básica durante una intervención didáctica

Publicado
2020-01-01

Vivimos en una sociedad impregnada de relaciones de género desiguales que también influyen en la ciencia. En biologia el género se identifica en las descripciones del proceso de fecundación humana, en las cuales el ovócito es invisibilizado. En el momento de la enseñanza y el aprendizaje, discriminaciones pueden ser reafirmadas de forma naturalizada. El objetivo de esta investigación es analizar el conocimiento de los estudiantes de educación básica sobre ciencia, género y sus relaciones, así como los posibles estereotipos de género en la descripción del proceso de fecundación humana, antes y después de participar en una intervención pedagógica denominada “La visibilidad de los ovócitos en el proceso de fecundación humana”. La coleta de dados fue realizada por medio de cuestionario anterior y posterior a la unidad didáctica. Para el análisis de datos, se elaboraron unidades de contexto y registro. La ciencia previamente entendida como una forma de estudio y género en forma binaria (masculino y femenino); las relaciones entre género y ciencia se entendían como la ciencia estudiando el género y el único gameto enfatizado en los discursos era el esperma. Después de las discusiones, llegaron a citar el carácter social de la ciencia y las descripciones del proceso de fecundación humana se volvieron más equitativas. El concepto de género permaneció descrito en forma binaria. Las relaciones entre género y ciencia se percibieron en la proporción de hombres y mujeres en ciencia y el género que influye en el conocimiento científico. Estos temas deben abordarse constantemente en la escuela, ya que son complejos y socialmente naturalizados.

 

Palabras clave: biology education, secondary education, gender issues (en)
Palabras clave: enseñanza de biología, enseñanza secundaria, cuestiones de género (es)
Palabras clave: ensino de biologia, ensino médio, questões de gênero (pt)
Alves-Diniz, J. E. (2004). A linguagem e as representações da masculinidade. Escola Nacional de Ciências Estatísticas. https://biblioteca.ibge.gov. br/visualizacao/livros/liv3121.pdf

Anjos, M. C. dos, Bruel de Oliveira, A. do C. e Heerdt, B. (2018). A ciência na perspectiva das/os futuras/ os docentes de iologia. Anais do Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia. Ponta Grossa, pr, Brasil.

Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo (4. Ed.). Edições 70.

Batista, I. de L., Torejani, A. T. do C., Heerdt, B., Lucas, L. B., Ohira, M. A., Corrêa, M. L., Barbosa-Gonçalves, R. e Bastos, V. C. (2011). Gênero feminino e formação de professores na pesquisa em educação científica e matemática no Brasil. Atas do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Campinas, sp, Brasil.

Benite-Canavarro, A. M., Bastos, M. A., Vargas, R. N., Fernandes, F. S. e Assis-Faustino,G. A. A. (2018). Cultura africana e afro-brasileira e o ensino de química: estudos sobre desigualdades de raça e gênero e a produção científica. Educação em Revista, 34, 2-36. http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698193098

Bruel de Oliveira, A. do C. (2019). Ensino de evolução humana e as questões de gênero: percepção das (os) acadêmicas (os) de ciências biológicas (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, pr, Brasil. http://tede2.uepg.br/jspui/handle/prefix/2898

Chiari-Andreoli, N. D. (2016). Uma situação de ensino para uma discussão da temática de gênero na Licenciatura em Ciências Biológicas (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual de Londrina, Londrina, pr, Brasil. http://www.uel.br/pos/mecem/arquivos_pdf/chiari_dissertacao.pdf

Collins, P. H. (2015). Intersectionality’s definitional dilemmas. Annual Review of Sociology, (41), 1-20. https://doi.org/10.1146/annurev-soc-073014-112142

Deslaureis, J.P. e Kérisit, M. (2008). O delineamento de pesquisa qualitativa. Em J, Poupart, Jean; Deslauriers, Jean-Pierre; Groulx, Lionel-H; A. Laperriere, R. Mayer e A. Pires. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Vozes.

França, F. F. e Calsa, G. C. (2010). Intervenção pedagógica: a contribuição dos estudos de gênero à formação docente. Revista de Educação puc-Campinas, (28), 21-31. http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/68

Gioppo, C. (2012). Pollyana, tome a pílula vermelha! Mas, e depois?: revisitando o preconceito de gênero nas avaliações dos livros didáticos de ciências. Revista Contexto e Educação, 27(88),103-125. https://doi.org/10.21527/2179-1309.2012.88.103-125

González-Camacho, J. P. (2013). Concepciones sobre ciencia y género en el profesorado de química: aproximaciones desde un estudio colectivo de casos. Ciência & Educação, 19(2), 323-338. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132013000200007

Haraway, D. (1995). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, (5), 07-41. https://periodicos.
sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773

Heerdt, B. (2014). Saberes docentes: gênero, natureza da ciência e educação científica (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Londrina, Londrina, pr, Brasil. http://www.uel.br/pos/mecem/arquivos_pdf/heerdt%20Bettina.pdf

Hooks, B. (2015). Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política, (16), 193-210. http://dx.doi.org/10.1590/0103-335220151608

Keller, E. F. (2006). Qual foi o impacto do feminismo na ciência? (Tradução de Maria Luiza Lara). Cadernos Pagu, (27), 13-34. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644756

Keller, E. F. (1978). Gender and science. Psychoanalysis and Contemporary Tought, 1, 409-433.

Lee, E. e Kwon, H. (2018). Primary students’ stereotypic image of inventor in Korea. Journal of Baltic Science Education, 17(2), 252-266.
https://www.researchgate.net/publication/324924062_Primary_students'_stereotypic_image_of_inventor_in_Korea/fulltext/5b10a06e0f7e9b4981007838/Primary-students-stereotypic-image-of-inventor-in-Korea.pdf

Longino, H. (2008). The social dimensions of scientific knowledge. Stanford Encyclopedia of Philosophy. https://plato.stanford.edu/entries/scientific-knowledge-social/

Louro-Lopes, G. (2014). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós- estruturalista (16ª Ed.). Vozes.

Louro-Lopes, G. L. (2007). Gênero, sexualidade e educação das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação em Revista, 46, 201-218.

Maffía, D. (2014). Epistemología feminista: la subversión semiótica de las mujeres en la ciencia. Revista Feminismos, 2(3), 103-122. https://portalseer.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/30037

Martin, E. (1991). The egg and the sperm: how science has constructed a romance based on stereotypical male-female roles. (Tradução de Fernando Manso). Signs: Journal of Women in Culture and Society, 16(3), 485-501.

Mendoza, B. (2014). La epistemología del sur, la colonialidad del género. Em Y. E. Miñoso, D. G. Correal e K. O. Muñoz (Eds.). Tejiendo de otro modo: feminismo, epistemología y apuestas descoloniales en Abya Yala (pp. 91-104). Universidad del Cauca. http://www2.congreso.gob.pe/sicr/cendocbib/con4_uibd.nsf/498EDAE050587536052580040076985F/$FILE/Tejiendo.pdf

Nettleton, P. H. (2015). Brave sperm and demure eggs: fallopian gender politics on YouTube. Feminist Formations, 27(1), 25-45. https://epublications.marquette.edu/comm_fac/286

Neves, S. e Nogueira, C. (2005). Metodologias feministas: a reflexibilidade ao serviço da investigação nas ciências sociais. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(3), 408-412. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722005000300015

Oliveira Jr., I. B. de e Maio, E. R. (2016). Opção ou orientação sexual? (des)constrovérsias na (des) contextualização da homossexualidade. Ensino Em Re-Vista, 23(2), 324-344. https://doi.org/10.14393/er-v23n2a2016-1

Oliveira dos Santos, A. P. e Heerdt, B. (2017, 26 de novembro). Natureza da ciência e gênero: o processo de fecundação humana nos livros didáticos. Resumos do Encontro Anual de Iniciação Científica. Ponta Grossa, pr, Brasil.

Oliveira dos Santos, A. P. e Heerdt, B. (2019). Unidade didática: a visibilidade do ovócito no processo de fecundação humana. Experiências em Ensino de Ciências, 14(2). https://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID605/v14_n2_a2019.pdf

Passos, E., Rocha, N. e Barreto, M. (2011). Gênero e educação. Em A. A. A. Costa, A. T. Rodrigues e I. M. Vanin (Orgs). Ensino e gênero: perspectivas transversais. ufba–neim.

Pessano-Castro, E., Muller-Garcia, I., Querol-Morini, M., Folmer, V. e Puntel, R. (2014). Concepções de ciência de educadores e estudantes, e identificação das estratégias do ensino de ciências em uma escola localizada no interior da Fundação de Atendimento Socioeducativo em Uruguaiana-rs. Revista Eletrônica de Educação Reveduc, 8(2), 58-80. http://dx.doi.org/10.14244/19827199651

Porro, S. (2012). Las cuestiones de género en El curriculum (oculto) en la enseñanza de las ciências. Rencima–Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 3(3), 25-36. https://doi.org/10.26843/rencima.v3i3.366

Rago, M. (2012). Epistemologia feminista, gênero e história. Descobrindo historicamente o gêneroCompostela.

Rodrigues e Silva, F. A. e Coutinho, F. Â. (2016). Realidades colaterais e a produção da ignorância em livros didáticos de biologia: um estudo sobre os hormônios e a questão de gênero. Investigações em Ensino de Ciências, 21(3), 176-194. http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n3p176

Sardenberg-Bacellar, C. M. (2002). Da crítica feminista à ciência a uma ciência feminista? Em A. A. A. Costa e C. M. B. Sardenberg (Orgs.). Feminismo, Ciência e Tecnologia. redor/neim-ffch/ufba.

Schatten, G. e Schatten, H. (1983). The energetic egg. The Sciences, 23(5), 28-35. https://doi.org/10.1002/j.2326-1951.1983.tb02646.x

Schienbinger, L. (2001). O feminismo mudou a ciência? (Tradução de Raul Filker). Edusc.

Schienbinger, L. (2008). Mais mulheres na ciência: questões de conhecimento. Apresentação de Maria Margaret Lopes. História, Ciências, Saúde –Manguinhos, 15(Suppl.), 269-281.

Souza-Pinho, M. J. (2017). A sala de aula de biologia: espaço gendrado. Revista Educação, Cultura e Sociedade (ecs), 7(1), 32-44. http://sinop.unemat.br/projetos/revista/index.php/educacao/article/view/2584

Swiech, M. J., Oliveira dos Santos, A. P. e Heerdt, B. (2019, 12 de julho). Processo de fecundação humana: uma análise de gênero nos livros didáticos. Atas do xii Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Natal, rn, Brasil.

Swiech, M. J. e Heerdt, B. (2019). Hormônios esteroides e as questões de gênero: uma análise dos livros didáticos de biologia. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 12(1), 462-476. 10.3895/rbect.v12n1.9639.

Toğrol, A. Y. (2013). Turkish students’ images of scientists. Journal of Baltic Science Education, 12(3). http://www.scientiasocialis.lt/jbse/files/pdf/vol12/289-298.Togrol_jbse_Vol.12.3.pdf45
Oliveira dos Santos, A. P., & Heerdt, B. (2020). Género, ciencia y fecundación humana en la agenda: entendimientos establecidos por los estudiantes de Educación básica durante una intervención didáctica. Bio-grafía, 13(24). Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/12361

Visitas

48

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.