Experimentação e imaginação na aprendizagem em ciências:reflexões teóricas e implicações educacionais

Experimentation and Imagination in Science Learning: Theoretical Reflections and Educational Implications

Experimentación e imaginación en el aprendizaje de las ciencias: reflexiones teóricas e implicaciones educativas

Publicado
2020-01-01

En este artículo de investigación discutimos la participación de la imaginación en la enseñanza de la ciencia y la biología en dos contextos de actividad experimental, uno demostrativo y otro investigativo. A partir de nuestros estudios previos, creamos dos situaciones hipotéticas en la que explicitamos los conceptos de ciencia, aprendizaje y el rol de los docentes en cada una de estas actividades experimentales. A partir de un análisis interpretativo del papel de la imaginación en estos dos contextos, concluimos que la imaginación es más valorada en la actividad investigadora experimental, aunque no es un constructo teórico que subyace a este enfoque. Tal fundamentación sería posible a partir de una concepción del aprendizaje como producción de sentidos subjetivos, una alternativa al pensamiento dominante, que concibe el aprendizaje como la asimilación de conceptos. 

Palabras clave: experimentation, imagination, learning (en)
experimentación, imaginación, aprendizaje (es)
experimentação, imaginação, aprendizagem (pt)

Alberts, B., Bray, D., Lewis, J., Raff, M., Roberts, K. e Watson, J. D. (1997). Biologia Molecular da Célula. Artes Médicas.

Amaral, A.L.N. e Mitjáns Martínez, A. (2009). Aprendizagem criativa no ensino superior: a significação da dimensão subjetiva. Em A. Mitjáns Martínez, e M. C. V. R Tacca (Orgs.), A complexidade da aprendizagem: destaque ao ensino superior (pp.149-192). Alínea.

Arroio, A., Santana, R. E., e Silva, K. V. C. (2012). Visões de Ciências e Cientistas através dos desenhos: Um Estudo de Caso com Alunos dos 8º e 9º Ano do Ensino Fundamental de Escola Pública. xvi Encontro Nacional de Ensino de Química (XVI eneq) e x Encontro de Educação Química da Bahia (x eduqui), Salvador.

Astolfi, J. P., Peterfalvi, B., e Vérin, A. (1998). Como as Crianças Aprendem as Ciências (M. J. Figueiredo, trad.). Coleção Horizontes Pedagógicos.

Azevedo, M. C. P. S. (2004). Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. Em A. M. P. Carvalho (Org.), Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática (pp. 19-33). Thomsom.

Bassoli, F. (2014). Atividades práticas e o ensino-aprendizagem de ciência (s): mitos, tendências e distorções. Ciênc. Educ, 20(3), 579-593. http://dx.doi.org/10.1590/1516-73132014000300005

Beane, J. A. (2003). Integração curricular: a essência de uma escola democrática. Currículo sem Fronteiras, 3(2), 91-110. http://www.curriculosemfronteiras.org/vol3iss2articles/beane.pdf

Burkil, H. M. (1985). The Useful Plants of West Tropical Africa (Vol. 4). Royal Botanic Gardens.

Caamaño, A. (2010). Los trabajos prácticos em ciências. Em M. P. J. Aleixandre (Org.), Enseñar ciências (pp. 95-118). Graó.

Cachapuz, A. F., Praia, J. F. e Jorge, M. P. (2000). Perspectivas de Ensino de Ciências. Centro de Estudos em Ciências (ceec).

Cachapuz, A. F., Praia, J. F. e Jorge, M. P. (2004). Da educação em ciências às orientações para o ensino das ciências: um repensar epistemológico. Ciência & Educação, 10(3), pp. 363-381. www.scielo.br/pdf/ciedu/v10n3/05

Cachapuz, A., Gil-Pérez, D., Carvalho, A. M. P., Praia, J. e Vilches, A. (Orgs). (2011). A Necessária renovação do ensino das ciências. Cortez.

Cañal, P. (1999). Investigación escolar y estrategias de enseñanza por investigación. Investigación en la escuela, 38, 15-36.

Carvalho, A. M. P., Vannuchi, A. I., Barros, M. A., Gonçalves, M. E. R., e Rey, R. C. (2009). Ciências no ensino fundamental: o conhecimento físico. Scipione.

Carvalho, A. M. P. (2013). O Ensino de Ciências e a Proposição de Sequencias de Ensino Investigativas. Em A. M. P. Carvalho (Org.), Ensino de Ciências por Investigação (pp. 1-20). Cengage Learning.

Carvalho, A. M. P. (2018). Fundamentos Teóricos e Metodológicos do Ensino por Investigação. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 18(3), 765-794. https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/download/4852/3040/.

Chassot, A. (2010). Educação consciência (2. ed.). edunisc.

Contreras, J. (2002). A autonomia de professores (S. Trabucco, trad.). Editora Cortez.

Corrêa, M. P. (1978). Dicionário das Plantas Úteis do Brasil e das Exóticas Cultivadas (Vol. 3). Imprensa Nacional.

De Robertis, E. D. P. e De Robertis Jr, E. M. F. (1993). Bases da biologia celular e molecular. Guanabara Koogan.

Domínguez, X. A. (1973). Métodos de Investigación Fitoquímico. Editorial Limusa, S. A.

Driver, R., Asoko, H., Leach, J., Mortimer, E. F. e Scott, P. (1999). Construindo conhecimento científico em sala de aula. Química Nova na Escola, 9, 31-40.

Egan, K. (2007). Por que a imaginação é importante na educação? Em C. Fritzen e G. S. Cabral (Orgs.), Infância: Imaginação e educação em debate (pp. 11-37). Papirus.

Eiterer, M. (2010). Quanto tempo vive uma flor? http://ciencianojardim.blogspot.com.br/2010/11/quanto-tempo-vive-uma-flor.html

Giordan, M. (1999). O papel da experimentação no ensino de ciências. Química Nova na Escola, 10, 43-49.

Gomes, A. D. T., e Borges, A. T. (2005). Percepção de Estudantes Sobre Desenhos de Testes Experimentais. Cad. Brás. Ens. Fís., 22 (1), 71-94. https://doi.org/10.5007/%25x

González Rey, F. L. (2006). O sujeito que aprende. Desafios do desenvolvimento da aprendizagem na psicologia e na prática pedagógica. Em M. C. V. R. Tacca (org.), Aprendizagem e Trabalho Pedagógico (pp. 29-44). Alínea.

González Rey, F. L. (2012). A configuração subjetiva dos processos psíquicos: avançando na compreensão da aprendizagem como produção subjetiva. Em A. Mitjáns Martínez, B. Scoz, e M. Castanho (Orgs), Ensino e Aprendizagem: a subjetividade em foco (pp. 21-41). Liber Livro.

González Rey, F. L. (2014). A imaginação como produção subjetiva: as ideias e os modelos da produção intelectual. Em A. Mitjáns Martínez e P. Álvarez (Orgs), O sujeito que aprende: diálogo entre a psicanálise e o enfoque histórico-cultural (pp. 35-61). Liber Livro.

González Rey, F. L. e Mitjáns Martínez, A. (2017). Subjetividade: teoria, epistemologia e método. Alínea.

Harlen, W. (2007). Enseñanza y aprendizaje de las ciencias. Edições Morata.

Hodson, D. (1988). Experimento na Ciência e no Ensino de Ciências. Educational Philosophy and Theory, 20, 53-66. http:www.iq.usp.br/wwwdocentes/palporto/texto

Hodson, D. (1994). Hacia un enfoque más crítico del trabajo de laboratorio. Enseñanza de las ciencias, 12(3), 299-313.

Junqueira, L. C. e Carneiro, J. (1991). Biologia celular e molecular (5. ed.). Guanabara Koogan.

Krasilchik, M. (2000). Reformas e Realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em perspectiva, 10(1), 85-93.

Laburú, C. E., e Zômpero, A. F. (2011). Atividades investigativas no ensino de ciências: aspectos históricos e diferentes abordagens. Rev. Ensaio, Belo Horizonte, 13(3), 67-80. https://doi.org/10.1590/1983-21172011130305

Lopes, T. e Precioso, J. (2016). Causas do insucesso escolar na disciplina de Biologia e Geologia do Ensino Secundário em Portugal e vias para o prevenir: um estudo efetuado com professores. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 15(1), 1-23.

Lorenzi, H. e Souza, H. M. (2008). Plantas Ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras (4. ed.). Instituto Plantarum.

Malheiro, J. M. S. (2016). Atividades experimentais no ensino de ciências: limites e possibilidades. ACTIO: Docência em Ciências, 1(1), 107-126.

Mitjáns Martínez, A. (2012). Aprendizagem criativa: uma aprendizagem diferente. Em A. Mitjáns Martínez, B. Scoz, e M. Castanho (Orgs), Ensino e Aprendizagem: a subjetividade em foco (pp. 85-109). Liber Livro.

Mitjáns Martínez, A. (2014). O lugar da imaginação na aprendizagem escolar: suas implicações para o trabalho pedagógico. Em A. Mitjáns Martínez e P. Àlvarez (Orgs), O sujeito que aprende: diálogo entre a psicanálise e o enfoque histórico-cultural (pp. 63-97). Liber Livro.

Mitjáns Martínez, A., e González Rey, F. (2017). Psicologia, educação e aprendizagem escolar: avançando na contribuição da leitura cultural-histórica. Cortez.

Mortimer, E. F., e Machado, A. H. (2001). Elaboração de conflitos e anomalias na sala de aula. Em F. Eduardo, A. L. Mortimer. B. Smolka (Org.) Linguagem, Cultura e Cognição: reflexões para o ensino e a sala de aula (pp. 107-138). Editora Autêntica.

Nascimento, M. C., Almeida, E. S., e Silva, N. S. (2008). Fenômenos Químicos e Físicos Alterando o Fenótipo do Organismo. R. D. Lopes, I. K. Ficheman, E. Saggio (Orgs), Feira de Brasileira de Ciência e Engenharia – Resumos febrace . epusp.

Nascimento, M. C. (2016). Práticas Investigativas com Professores de Ciências: contribuições para a formação e para o ensino. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação em Ciências e Matemáticas) – Universidade Federal do Pará, Belém/Pará/Brasil.

Nascimento, M. C., e Parente, A. G. L. (2019). Imaginação e Aprendizagem de Ciências no Contexto de Práticas Investigativas. xii enpec - Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Natal – RN.

Nóvoa, A. (2009). Professores: imagens do futuro presente. educa. https://rosaurasoligo.files.wordpress.com/2017/04/antc3b3nio-nc3b3voa-professores-imagens-do-futuro-presente.pdf.

Parente, A. G. L. (2012). Práticas de investigação no ensino de ciências: percursos de formação de professores. [Tese Doutorado em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista– unesp].

Pietrocola, M. (2004). Curiosidade e Imaginação – Os Caminhos do Conhecimento nas Ciências, nas Artes e no Ensino. Em A. M. P. Carvalho (Org.), Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática (pp.119-133). Thomsom.

Pozo, J. L., e Crespo, M. A. G. (2009). A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Artmed.

Raven, P. H., Evert, R. F. e Eichharn, S. E. (2014 [1996]). Biologia Vegetal. Guanabara Koogan.

Rossato, M. e Mitjáns Martínez, A. (2011). A Superação das Dificuldades de Aprendizagem e as Mudanças na Subjetividade. Em A. Mitjáns Martínez, e M. C. V. R. Tacca, Possibilidades de Aprendizagem: ações pedagógicas para alunos com dificuldades e deficiência. Alínea.

Sasseron, L. H. e Machado, V. F. (2017). Alfabetização Científica na Prática: inovando a forma de ensinar física (M. P. O. Pietrecola, coord.). Editora Livraria da Física (Série Professor Inovador).

Scarpa, D. L. e Silva, M. B. (2013). A Biologia e o ensino de Ciências por investigação: dificuldades e possibilidades. Em A. M. P. Carvalho (Org.), Ensino de Ciências por Investigação (pp. 129-152). Cengage Learning.

Scoz, B. (2011). Identidade e subjetividade de professores: sentidos do aprender e do ensinar (2. ed.). Vozes.

Silva, L. H. A. e Zanon, L. B. (2000). A experimentação no ensino de ciências. Em R. P. Schnetzler e R. M. R. Aragão, (Org.). Ensino de ciências: fundamentos e abordagens. R. Vieira Gráfica e Editora Ltda.

Snustad, D. P., e Simmons, M. J. (2008). Fundamentos de Genética. Guanabara Koogan.

Tacca, M. C. V. R. (2006). Estratégias pedagógicas: conceituação e desdobramentos com foto nas relações professor-aluno. Em Aprendizagem e trabalho pedagógico (pp. 45–68). Editora Alínea.

Valbuena, E. e Puentes, M. (2010). Sistema de categorías para análisis didáctico de los trabajos prácticos en la enseñanza de la biología. Bio-grafía: Escritos sobre la Biología y su Enseñanza. 3(5), pp. 83-101. https://doi.org/10.17227/20271034.vol.3num.5bio-grafia83.101

Valbuena, E. e Correa, M. (2011). Aproximación al estado del arte sobre los trabajos prácticos en la biología: Hallazgos relacionados con los problemas de investigación durante el período (2004-2006). Bio-grafía Escritos sobre la Biología y su Enseñanza, número extraordinario, 311-319.

Valbuena, E., e Correa, M. (2012). Estado del arte sobre los trabajos prácticos en la enseñanza de la biología abordados en publicaciones (2004-2006): Resultados relacionados con la imagen de práctica. Bio-grafía Escritos sobre la Biología y su Enseñanza, 5(8), 117-135. https://doi.org/10.17227/20271034.vol.5num.8bio-grafia117.135

Valbuena, E. e Correa, M. (2013). Estado del arte sobre los trabajos prácticos en la enseñanza de la biología abordados en publicaciones (2004-2008): Resultados relacionados con las finalidades. Bio-grafía Escritos sobre la Biología y su Enseñanza, (número extraordinario), 695-704. https://doi.org/10.17227/20271034.vol.0num.0bio-grafia695.704

Valbuena, E., e Valencia, N. (2013). Formación en investigación en futuros profesores. El caso de sexto semestre de licenciatura en biología de la Universidad Pedagógica Nacional. Planteamiento del problema. Bio-grafía Escritos sobre la Biología y su Enseñanza, (número extraordinario), 858-866. https://doi.org/10.17227/20271034.vol.0num.0bio-grafia871.881

Valbuena, E., Moreno, J. A. C., Pichardo, A. A. H., Ovalle, Y. C. V., Castro, L. M. T., Bareño, L. A. A. (2013). Formación en investigación en futuros profesores de biología. Validación de un instrumento para indagar experiencias y referentes sobre investigación. Bio-grafía Escritos sobre la Biología y su Enseñanza, (número extraordinario), 822-837. https://doi.org/10.17227/20271034.vol.0num.0bio-grafia822.837

Valbuena, E., e Valencia, N. (2015). Formación en investigación en futuros profesores. El caso de sexto semestre de licenciatura en biología de la Universidad Pedagógica Nacional. Planteamiento del problema. Bio-grafía Escritos sobre la Biología y su Enseñanza, (número extraordinario), 871-881. https://doi.org/10.17227/20271034.vol.0num.0bio-grafia871.881

APA

Costa Nascimento, M. ., & Garibaldi Loureiro Parente, A. . (2020). Experimentação e imaginação na aprendizagem em ciências:reflexões teóricas e implicações educacionais. Bio-grafía, 13(24). https://doi.org/10.17227/bio-grafia.vol.13.num24-10928

ACM

[1]
Costa Nascimento, M. y Garibaldi Loureiro Parente, A. 2020. Experimentação e imaginação na aprendizagem em ciências:reflexões teóricas e implicações educacionais. Bio-grafía. 13, 24 (ene. 2020). DOI:https://doi.org/10.17227/bio-grafia.vol.13.num24-10928.

ACS

(1)
Costa Nascimento, M. .; Garibaldi Loureiro Parente, A. . Experimentação e imaginação na aprendizagem em ciências:reflexões teóricas e implicações educacionais. Bio-grafía 2020, 13.

ABNT

COSTA NASCIMENTO, M. .; GARIBALDI LOUREIRO PARENTE, A. . Experimentação e imaginação na aprendizagem em ciências:reflexões teóricas e implicações educacionais. Bio-grafía, [S. l.], v. 13, n. 24, 2020. DOI: 10.17227/bio-grafia.vol.13.num24-10928. Disponível em: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/10928. Acesso em: 7 dic. 2021.

Chicago

Costa Nascimento, Maridalva, y Andrela Garibaldi Loureiro Parente. 2020. «Experimentação e imaginação na aprendizagem em ciências:reflexões teóricas e implicações educacionais». Bio-grafía 13 (24). https://doi.org/10.17227/bio-grafia.vol.13.num24-10928.

Harvard

Costa Nascimento, M. . y Garibaldi Loureiro Parente, A. . (2020) «Experimentação e imaginação na aprendizagem em ciências:reflexões teóricas e implicações educacionais», Bio-grafía, 13(24). doi: 10.17227/bio-grafia.vol.13.num24-10928.

IEEE

[1]
M. . Costa Nascimento y A. . Garibaldi Loureiro Parente, «Experimentação e imaginação na aprendizagem em ciências:reflexões teóricas e implicações educacionais», Bio-grafía, vol. 13, n.º 24, ene. 2020.

MLA

Costa Nascimento, M. ., y A. . Garibaldi Loureiro Parente. «Experimentação e imaginação na aprendizagem em ciências:reflexões teóricas e implicações educacionais». Bio-grafía, vol. 13, n.º 24, enero de 2020, doi:10.17227/bio-grafia.vol.13.num24-10928.

Turabian

Costa Nascimento, Maridalva, y Andrela Garibaldi Loureiro Parente. «Experimentação e imaginação na aprendizagem em ciências:reflexões teóricas e implicações educacionais». Bio-grafía 13, no. 24 (enero 1, 2020). Accedido diciembre 7, 2021. https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/10928.

Vancouver

1.
Costa Nascimento M, Garibaldi Loureiro Parente A. Experimentação e imaginação na aprendizagem em ciências:reflexões teóricas e implicações educacionais. Bio-grafía [Internet]. 1 de enero de 2020 [citado 7 de diciembre de 2021];13(24). Disponible en: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/bio-grafia/article/view/10928

Descargar cita

Citaciones

Crossref Cited-by logo
0

Métricas PlumX

Visitas

129

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.