Metodologias ativas na aprendizagem da cartografia escolar.

Active methodologies in the learning of school cartography

Metodologías activas en el aprendizaje de cartografía escolar

  • Gislaine Batista Munhoz Secretaria Municipal de Educação de São Paulo
Publicado
2011-07-26
En este artículo se pretende reflexionar sobre la contribución de los juegos digitales basados aprendizaje, puede traer a la geografía. En la Educación Geográfica, y en particular la Escuela de Cartografía de esta nueva perspectiva en la enseñanza y el aprendizaje permite la creación de entornos innovadores y puede proporcionar un aprendizaje más significativo, ya que los profesores y los estudiantes pueden crear simulaciones, el trabajo con situaciones problemáticas, crear espacios imaginarios y/o procesos ficticios cuyo funcionamiento lleven a los estudiantes para tomar decisiones y desarrollar relaciones y habilidades en otros contextos sería más difícil de ser adquridos. La práctica de este enfoque educativo para los estudiantes de primaria, secundaria y superior y la investigación que se ha hecho sobre este tema, ha demostrado la importancia de integrar estos recursos en el aula. Por encima de todo, sin embargo, se da cuenta de la necesidad de considerar con más cuidado y de investigación la cultura juvenil actual, en la que los juegos digitales son parte de la vida cotidiana, así como la formación de profesores de geografía en este contexto.
Palabras clave: Juegos, juegos digitales, cartografía de la escuela, relaciones espaciales, aprendizaje basado en juegos digitales. (es)
Games, jogos digitais, cartografia escolar, relações espaciais, aprendizagem baseada em jogos digitais. (pt)
Games, digital games, school cartography, spatial relations, digital game-based learning. (en)
Gislaine Batista Munhoz, Secretaria Municipal de Educação de São Paulo

Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, Especialista em EaD - Redefor/USP, Designer Instrucional, Professora Titular de Geografia e Orientadora de Informática Educativa na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo.

Asary, A Y.; Moura, J. D. P. “Uso de computadores no Ensino de Geografia”. In: Asary, A.Y.; Antonello, I. T.; Tsukamoto, R. Y. (2004) Múltiplas Geografias: Ensino-Pesquisa-Reflexão. Londrina: Edições Humanidades, 161-173.

Alves, S. (2011) Dicionário de tecnologia educacional – Terminologia básica apoiada por micromapas. São Paulo: PerSe.

Almeida, R.D. (org.). (2010) Cartografia escolar. São Paulo: Contexto, 2010.

____________ (org.). (2011) Novos rumos da cartografia escolar – Currículo, linguagem e tecnologia. São Paulo: Contexto.

Battro, A. M. (1978). Dicionário terminológico de Jean Piaget, São Paulo: Pioneira.

Behar, P. A. et al. (2003) “Metodologia de análise de ferramentas computacionais segundo os principios da lógica operatória”. Educação e Pesquisa. São Paulo, 29 (1). DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022003000100005

Behar, P. A. e colaboradores. (2009) Modelos Pedagógicos em Educação a Distância. Porto Alegre: Artmed.

Behar, P. A. (2009) “Arquiteturas Pedagógicas para a Educação a Distância: a construção e validação de um objeto de aprendizagem”. RENOTE – Revista Novas Tecnologias na Educação: Porto Alegre, 7 (1). DOI: https://doi.org/10.22456/1679-1916.14088

Borges H. N., Borges, S. M. C. O papel da Informática Educativa no desenvolvimento do raciocinio lógico. Disponível em http://www.multimeios.ufc.br/arquivos/pc/pre-print/O_papel_da_Informatica.pdf acesso em: 10 jun. de 2005.

Callai, H. C. (org.) (2011). Educação geográfica – Reflexão e prática. Ijuí (RS): Editora Unijuí (coleção Ciências Sociais).

Castellar, S. M. V. (1995). “A construção do conceito de espaço e o ensino de Geografia”. Caderno Prudentino de Geografia - Geografia e Ensino - AGB - Seção Prudente (17),94-114.

_____________. (org.) (2005) “Educação Geográfica e as Teorias da Aprendizagem”. Caderno Cedes, Campinas, 25 (66).

Castellar, S. M. V.: Moraes, J. V.; Sacramento, A. C. R. “Jogos e resolução de problemas para o entendimento do espaço geográfico no ensino de geografia”. Callai, H. C. (org.). (2011) Educação geográfica. Reflexão e prática. Ijuí (RS): Editora Unijuí. (Coleção Ciências Sociais).

Cavalcanti, L. S. (1998). Geografia, escola e construção de conhecimentos. Campinas: Papirus (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

Conselho Nacional de Pesquisa Dos Estados Unidos. (2007) Como as pessoas aprendem. Cérebro, mente, experiência e escola. Tradução de Carlos David Szlak. São Paulo: Editora Senac.

Isaksson, A. (1998). Block Cad. Suécia.Disponível em http://www.blockcad.net/proglego.htm Acesso em: 03 fev. 2005.

Jenkins, H. (2009). Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph.

Moita, M. G. S.C. Games Contexto Cultura e Curricular Juvenil (2006) (Tese de Doutorado), Centro de Educação, Universidade Federal da Paraíba, 2006, João Pessoa. Disponível em http://www.filomenamoita.pro.br/pdf/tese-games.pdf, acesso em: out. 2011.

Mattar, J. (2010). Games em educação – Como os nativos digitais aprendem. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Moran, J. M.; Masseto, M. T.; Behrens, M. A. (2000). Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas/São Paulo: Papirus.

Moraes, J. V., Sacramento, A. C. R.(2007). Jogos e situações problemas no Ensino de Geografia. Rio de Janeiro: Anais 9º ENPEG.

Munhoz, G. B. (2006). A aprendizagem da Geografia por meio da Informática Educativa. Dissertação apresentada à Faculdade de Educação da USP. São Paulo.

Munhoz, G. B.; Sacramento, A. C. (2011) “The Learning Objects: A way to teaching geography in basic school”.Problems of Education in the 21st Century. Issues in Geographical Education, 27, 100-111.

Munhoz, G. B.; Castellar, S. M.V.; Sacramento, A. C. R. (2011). “Recursos multimídia na educação geográfica: perspectivas e possibilidades”. Ciência geográfica. Bauru XV (1), 114-123. Disponível em: http://www.agbbauru.org.br/publicacoes/revista/anoXV_1/AGB_dez2011_artigos_versao_internet/AGB_dez2011_16.pdf.Acesso em: 06 dez. 2011.

Oliveira, L. (1986) Estudo metodológico e cognitivo do mapa. Tese de Doutorado apresentada ao Departamento de Geografia, FFLCH/USP, São Paulo.

Oliveira, L, Rio, V. D. (1999) Percepção e representação do espaço geográfico. Percepção ambiental: a experiência brasileira. São Carlos: Editora da UFSCAR.

Piaget, J. (1993) A representação no espaço na criança. Porto Alegre: Artes Médicas.

Prensky, M. (2001) “Digital natives, Digital immigrants”. On the Horizon. United Kingdom, MCB University Press, 9 (5). Disponível em: http://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20%20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part1.pdf, acesso em: 10 set. 2011.

__________. (2001) “The digital game based learning revolution”. Prensky, M. Digital game based learning. McGraw-Hill, s.l. Disponível em http://www.marcprensky.com/writing/prensky%20-%20ch1-digital%20game-based%20learning.pdf, acesso em: 10 ago. 2011.

Prata, C. L.; Nascimento, A C. A. A. (Orgs). (20007) Objetos de aprendizagem: uma proposta de recurso pedagógico. Brasília: MEC, SEED.

Revista Nova Escola. (sem data). Daqui pra lá, de lá pra cá. Disponível em http://revistaescola.abril.com.br/matematica/pratica-pedagogica/jogo-espaco-forma-428061.shtml, acesso em:03 fev. 2011.

Silva, E. F. (2011) Nove aulas inovadoras na universidade. Campinas: Papirus Editora (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

Simielli, M. E. R. (1996) Cartografia e Ensino – Proposta e Contraponto de uma Obra Didática, Livre Docência apresentada ao Departamento de Geografia, FFLCH/USP, São Paulo.

Tori, R. (2010) Educação sem distância. As tecnologias interativas na redução de distâncias em ensino e aprendizagem. São Paulo: Editora Senac.

Smith, P. H. (1995). Zeek. Sidewalk Software. Disponível em http://pauls-place.awardspace.com/zeek.html e http://sokoban-jd.blogspot.com/2011/6/zeek-geek.html, acesso em: 09 set. 2011.

APA

Batista Munhoz, G. (2011). Metodologias ativas na aprendizagem da cartografia escolar. Anekumene, 1(2), 86-110. https://doi.org/10.17227/Anekumene.2011.num2.7199

ACM

[1]
Batista Munhoz, G. 2011. Metodologias ativas na aprendizagem da cartografia escolar. Anekumene. 1, 2 (jul. 2011), 86-110. DOI:https://doi.org/10.17227/Anekumene.2011.num2.7199.

ACS

(1)
Batista Munhoz, G. Metodologias ativas na aprendizagem da cartografia escolar. Anekumene 2011, 1, 86-110.

ABNT

BATISTA MUNHOZ, G. Metodologias ativas na aprendizagem da cartografia escolar. Anekumene, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 86-110, 2011. DOI: 10.17227/Anekumene.2011.num2.7199. Disponível em: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/anekumene/article/view/7199. Acesso em: 24 jul. 2021.

Chicago

Batista Munhoz, Gislaine. 2011. «Metodologias ativas na aprendizagem da cartografia escolar.». Anekumene 1 (2):86-110. https://doi.org/10.17227/Anekumene.2011.num2.7199.

Harvard

Batista Munhoz, G. (2011) «Metodologias ativas na aprendizagem da cartografia escolar.», Anekumene, 1(2), pp. 86-110. doi: 10.17227/Anekumene.2011.num2.7199.

IEEE

[1]
G. Batista Munhoz, «Metodologias ativas na aprendizagem da cartografia escolar.», Anekumene, vol. 1, n.º 2, pp. 86-110, jul. 2011.

MLA

Batista Munhoz, G. «Metodologias ativas na aprendizagem da cartografia escolar.». Anekumene, vol. 1, n.º 2, julio de 2011, pp. 86-110, doi:10.17227/Anekumene.2011.num2.7199.

Turabian

Batista Munhoz, Gislaine. «Metodologias ativas na aprendizagem da cartografia escolar.». Anekumene 1, no. 2 (julio 26, 2011): 86-110. Accedido julio 24, 2021. https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/anekumene/article/view/7199.

Vancouver

1.
Batista Munhoz G. Metodologias ativas na aprendizagem da cartografia escolar. Anekumene [Internet]. 26 de julio de 2011 [citado 24 de julio de 2021];1(2):86-110. Disponible en: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/anekumene/article/view/7199

Descargar cita

Citaciones

Crossref Cited-by logo
0

Métricas PlumX

Visitas

147

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.