3B022 A História da Ciência no ensino de Genética: cartas à Gregor Mendel como uma resposta do tempo ao conhecimento científico

  • Renato Araújo Torres de Melo Moul Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Maria Iracema Barbosa Moura Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Eliabe da Silva Santos Universidade Federal Rural de Pernambuco
Publicado
2018-11-23

Resumen (pt)

O ensino de Genética aponta um caminho desafiador, no qual o docente deve transitar com prudência e maestria. Um ensino descontextualizado pode obstruir a correta assimilação do conteúdo. Buscamos neste trabalho observar como uma abordagem pautada na História da Ciência pode contibuir para facilitar a assimilação de conteúdos em Genética, utilizando a Abordagem das Múltiplas Inteligências. Percebemos que os estudantes demonstraram afinidade pelo conteúdo e resgataram, ao fim da sequência didática, elementos variados da aprendizagem, desde conceitos puramente biológicos aos conceitos éticos e sociais.

 

Palabras clave: História da Ciência, Genética, Discurso. (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Moul, R. A. T. de M., Moura, M. I. B., & Santos, E. da S. (2018). 3B022 A História da Ciência no ensino de Genética: cartas à Gregor Mendel como uma resposta do tempo ao conhecimento científico. Tecné Episteme Y Didaxis: TED, (Extraordin), 1-7. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/9224
Almeida, A. V. (2012). Fundamentos histórico-epistemológicos dos paradigmas centrais da Biologia. Recife: Editora Universitária.
Bagdonas, A., Gurgel, I., & Zanetic, J. (2014). Controvérsias sobre a natureza da ciência como enfoque curricular para o ensino de física: o ensino de história da cosmologia por meio de um jogo didático. Revista Brasileira de Histórica da Ciência, 7(2), 242-260.
Braga, M., Guerra, A., & Reis, J. C. (2012). The role of historical-philosophical controversies in teaching sciences: The debate between Biot and Ampère. Science & Education, 21 (6), 921-934.
Bizzo, N., & El-Hani, C. N. (2009). O arranjo curricular do ensino de evolução e as relações entre os trabalhos de Charles Darwin e Gregor Mendel. Filosofia e História da Biologia, 4(1), 235-257.
Charaudeau, P. (2008). Uma teoria dos sujeitos da linguagem. En: Lara, G., Machado, I., & Emediato, W. (Eds.). Análises do Discurso hoje. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/Lucerna.
Chaves, M. G. A. (2016). Aportes de la história y la filosofía de las ciencias a la estructuración del contenido disciplinar biológico. Revista TED, número extraordinário, 871 – 875.
Forato, T. C. M., Pietrocola, M., & Martins, R. A. (2011). Historiografia e natureza da ciência na sala de aula. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 28 (1), 27-59.
Gardner, H. (2013). Abordagens múltiplas à inteligência. En: Illeris, K. (Org.) Teorias contemporâneas da aprendizagem. Porto Alegre: Penso.
Kampourakis, K., & McComas, W. F. (2010). Charles Darwin and evolution: illustrating human aspects of science. Science & Education, 19(6-8), 637-654.
Silva, C. C., Kalhil, J. B. (2017). A aprendizagem de genética à luz da Teoria Fundamentada: um ensaio preliminar. Ciência & Educação, 23 (1), 125 – 140.
Wenger, E. (2013). Uma teoria social da aprendizagem. En: Illeris, K. (Org.) Teorias contemporâneas da aprendizagem. Porto Alegre: Penso.