6B003 A contextualização do jogo da onça na visão de um grupo de professores indígenas do Alto Solimões

  • Tiago. Da Silva Almeida Universidade Federal do Amazonas.
  • Célia Verginia Fernandes Maia Universidade Federal do Amazonas.
  • Edilanê Mendes dos Santos Universidade Federal do Amazonas
Publicado
2018-11-20

Este trabalho buscou abordar o olhar de um grupo de professores indígenas da etnia Ticuna da região do Alto Solimões-Amazonas, participantes da Ação Saberes Indígenas na Escola quanto a aplicação dos materiais produzidos por eles durante a capacitação. Dos jogos elaborados durante o curso, foi escolhido para esta finalidade o “Jogo da Onça”, descrevendo de que forma na visão destes professores o jogo pode exercer um papel facilitador no processo de ensino-aprendizagem na disciplina de matemática e possíveis contextualizações com as demais ciências. Por ser um jogo de estratégia e requerer raciocínio lógico dos jogadores, os professores sugeriram a contextualização em áreas como ecologia e geografia, mostrando o uso interdisciplinar do mesmo

Palabras clave: : Jogo da onça; Ticuna; Saberes indígenas. (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Da Silva Almeida, T., Verginia Fernandes Maia, C., & Mendes dos Santos, E. (2018). 6B003 A contextualização do jogo da onça na visão de um grupo de professores indígenas do Alto Solimões. Tecné Episteme Y Didaxis: TED, (Extraordin), 1-7. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/9069
Andreola, B. A. (1993). O Processo do Conhecimento em Paulo Freire. Educação e Realidade, (18), 32-45.
Bardin, L. (1977). Analises de Conteúdos. Trad. Luis, R. & Augusto, P. Edições 70: Lisboa.
Bonatto, A., Barros, C. R., Gemeli, R. A., Lopes, T. B., & Frison, M. D. (2012). Interdisciplinaridade no ambiente escolar. Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 9, 1-12.
Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Referencial curricular nacional para as escolas indígenas. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental.
Freire, P. (1993). Professor sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 6º edição. Olho d'água: São Paulo.
Grando, B. S. (org.) (2010). Jogos e culturas indígenas: posibilidades para a educação intercultural na escola. Cuiabá, MT: EdUFMT.
Júnior, B. O & Santos, E. M. (2016). Etnomatemática: O ensino de medida de comprimento no 6º ano do ensino fundamental na Escola Indígena Kanamari Maraã-AM, Brasil. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 9(2), 53-66.
Lima, M. (2004). Jogos indígenas do Brasil. Acessado em fevereiro 13, de 2009 em http://www.jogosindigenasdobrasil.art.br/port/projeto.html.
Lüdke, M. & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. EPU: São Paulo.
Piaget, J. (1975). A Formação do Símbolo na Criança. Zahar: Rio de Janeiro.