1B135 Planos de aulas e o diário de campo: estratégias para a formação inicial docente

  • Rita de Cássia Suart Universidade Federal de Lavras
  • Raniele Aparecida da Silva Universidade Federal de Lavras
  • Francislainy Natália da Silva Universidade Federal de Lavras
  • Josefina Aparecida de Souza Universidade Federal de Lavras
Publicado
2018-11-15

Diante dos desafios encontrados pelos professores em sua prática docente, é necessário que os cursos de formação inicial e continuada proporcionem momentos para elaboração e avaliação de materiais didáticos, assim como discussões e reflexões de ideias sobre a sua própria prática. Tais reflexões permitem que os professores avaliem suas ações e busquem aperfeiçoar sua prática. Neste sentido, este trabalho tem por objetivo avaliar o processo reflexivo de uma licencianda de Química, ao elaborar planos de aulas e refletir sobre sua regência em seu diário de campo. Com base nos resultados, é possível perceber a importância da elaboração dos planos, da regência de aulas e do processo de reflexão realizado pela licencianda, uma vez que ela percebeu a relevância do desenvolvimento dos conceitos a partir da realidade dos estudantes, considerando, por exemplo, suas ideias prévias.

Palabras clave: plano de aula, processo de reflexão, sequência de aula, diário de campo. (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Suart, R. de C., Silva, R. A. da, Silva, F. N. da, & Souza, J. A. de. (2018). 1B135 Planos de aulas e o diário de campo: estratégias para a formação inicial docente. Tecné Episteme Y Didaxis: TED, (Extraordin). Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/8886
De Azevedo, M. C. P. S. (2004). Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. Em Carvalho, A.M.P. Ensino de Ciências unindo a pesquisa e a prática, p.19-33. De Cássia Suart, R., & Marcondes, M. E. R. (2017). As contribuições do processo de reflexão orientada na formação inicial de uma professora de Química: desenvolvimento de práticas investigativas e para a promoção da alfabetização científica. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 16(1), 69-93. Bejarano, N. R. R., & de Carvalho, A. M. P. (2016). Professor de ciências novato, suas crenças e conflitos. Investigações em Ensino de Ciências, 8(3), 257-280. Bastos, F. (2005). Construtivismo e ensino de ciências. Questões atuais no ensino de ciências. São Paulo: Escrituras, 9-25.
Gauthier, C., Martineau, S., Desbiens, J. F., Malo, A., &Simard, D. (1998). Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Unijuí, 2. Lüdke, M., & André, M. E. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Peme-Aranega, C., de Longhi, A. L., Baquero, M. E., Mellado, V., & Ruiz, C. (2006). Creencias explícitas e implícitas, sobre la ciencia y su enseñanza y aprendizaje, de una profesora de química de secundaria. Perfiles educativos, 28(114), 131-151. Zabalza, M. A. Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: Artmed, 2004.