1B119 Formação de professores de ciências da natureza para elaboração de sequências didáticas

  • Vera de Mattos Machado Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Suzete Rosana de Castro Wiziack Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Publicado
2018-11-15

O objetivo deste artigo foi o de analisar o discurso de professores de Ciências da Natureza, da Rede Estadual de Educação de Mato Grosso do Sul, participantes de uma formação continuada para a elaboração de Sequências Didáticas contendo Atividades Experimentais. A metodologia pautou-se na abordagem qualitativa, a partir da Análise de Discurso dos professores participantes, que responderam a três questões abertas. A análise ocorreu à luz de referenciais teóricos que abordam sobre o assunto. Os resultados da investigação permitem inferir a urgência de se consolidar e incorporar na formação inicial e continuada de professores de Ciências da Natureza o desenvolvimento de Sequencias Didáticas contendo Atividades Experimentais.

Palabras clave: Atividade Experimental; Formação Continuada e Inicial; Currículo de Ciências. (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Machado, V. de M., & Wiziack, S. R. de C. (2018). 1B119 Formação de professores de ciências da natureza para elaboração de sequências didáticas. Tecné Episteme Y Didaxis: TED, (Extraordin). Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/8873
Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. São Paulo, Brasil: Edições 70. Becker, A. F.D. & Machado, V. de M. (2016). Formação continuada de professores na perspectiva colaborativa e reflexiva: um olhar para a atividade experimental investigativa no ensino de ciências nos anos iniciais (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Brasil. Cachapuz, A., Gil-Pérez, D. Carvalho, A. M. P. de, Praia, J. &Vilches, A. (2011) A necessária renovação do ensino de ciências. São Paulo, Brasil: Cortez. Carrascosa, J. (1996). Análise da formação continuada e permanente de professores de ciências. Ibero-americanos. EnL. C. Meneses. (Org.), Formação Continuada de Professores (pp. 10-44). Campinas, Brasil: Editora Autores Associados. Chevallard, Y., Bosch, M. &Gascón, J.(2001). Estudar matemáticas: o elo perdido entre o ensino e a aprendizagem. Trad. Dayse Vaz de Moraes. Porto Alegre, Brasil: Artmed.
Fontoura, H. A, Pierrô, G. M. de S., Chaves, I. M. A. B.(2011). Didática: do ofício e da arte de ensinar. Niterói, Brasil: Ed Intertexto. Goodson, E.F. (1995). Currículo: teoria e história. Petrópolis, Brasil: Vozes. Krasilchik, M. (2008). Prática de ensino de biologia. São Paulo, Brasil: Editora da Universidade de São Paulo. Marandino, M., Selles, S. E. & Ferreira, M. S.(2009). Ensino de Biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo, Brasil: Cortez. Mizukami, M. da G. N. (2003). A pesquisa sobre formação de professores: metodologias alternativas. EnR. L. L. Barbosa. (Ed.), Formação de Educadores: desafios e perspectivas (pp. 201-232). São Paulo, Brasil: Editora UNESP. Weckerlin, E.R. & Machado, V. de M. (2014). Uma proposta de formação continuada de professores de ciências de Ponta Porã – MS: elaboração de uma sequência didática para o 7º ano do ensino fundamental (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Brasil. Zabala, A. (1998). A prática educativa. Porto Alegre, Brasil: Artmed.