1B039 O Estágio como Pesquisa na Prática de Ensino de Química

  • Jordana Maria Lopes Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Adrilaine Inez Levandoski Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Eliane Aparecida dos Santos Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Leila Inês Follmann Freire Universidade Estadual de Ponta Grossa
Publicado
2018-11-14

Resumen (pt)

Este artigo objetiva discutir as tendências encontradas durante a análise das problemáticas do projeto de investigação da própria prática desenvolvido pelos licenciandos ao final da disciplina de Estágio Curricular Supervisionado do curso de Licenciatura em Química de uma instituição de ensino superior no Estado do Paraná-Brasil. O Estágio Curricular Supervisionado compreende uma investigação sobre a própria prática a qual o acadêmico desenvolve a partir de uma problemática encontrada na escola. Verificou-se que estas surgem nos trabalhos a partir de contextos específicos que visam trabalhar a química em uma realidade menos conteudista e mais contextualizada.

Palabras clave: Pesquisa sobre a própria prática, Estágio Curricular Supervisionado, Licenciatura em Química, Problemática de Pesquisa. (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Lopes, J. M., Levandoski, A. I., Santos, E. A. dos, & Freire, L. I. F. (2018). 1B039 O Estágio como Pesquisa na Prática de Ensino de Química. Tecné Episteme Y Didaxis: TED, (Extraordin). Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/8788
BARDIN, L. (2003)Análise de conteúdo. Lisboa. Edições 70.
GARRIDO, E., BRZEZINSKI, I. (2008). A Reflexão e Investigação da Própria Prática na Formação Inicial e Continuada: contribuição das dissertações e teses no período 1997-2002. Diálogo Educ, 8(23), 153-171.
GIL, A.C. (2002). Como elaborar projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas.
LOPES, A.C. (2005). Discursos curriculares na disciplina escolar Química. Ciência & educação, 11(2), 263-278.
LOPES, A.C., ABREU, R.G., GOMES, M.M. (2005). Contextualização e tecnologias em livros didáticos de Biologia e Química. Investigações em Ensino de Ciências, 10(3), 1-20.
MALDANER, O.A.(2000) A formação inicial e continuada de professores de química: professores/pesquisadores. Ijuí: Unijuí.
SCHNETZLER, R.P. (2002) A pesquisa em Ensino de Química no Brasil: Conquistas e Perspectivas. Química Nova, 25(1), 14-24.
SANTOS, W., SCHNETZLER, R.P. (2003) Educação em química: compromisso com a cidadania. Ijuí: Unijuí.
SILVA, M. (2005) O habitus professoral: o objeto dos estudos sobre o ato de ensinar na sala de aula. Revista Brasileira de Educação, (29), 152-163.
CARVALHO, J.M. (2005) O não lugar dos professores nos entre lugares de formação continuada. Revista Brasileira de Educação, (28), 96-107.
FARIAS, I.M.S., SILVA, S.P. (2009) Ensinar pela pesquisa: dos dilemas à renovação da prática de ensino na formação docente. En SANTOS, F.K.S. (Org.). Abrindo trilhas para os saberes: formação humana, cultura e diversidade (pp. 61-78). Fortaleza, Brasil: SEDUC
PIMENTA, S. G., LIMA, M. S. L. (2004) Estágio e Docência. São Paulo: Cortez.
LUCKESI, C.C. (2011) Avaliação da Aprendizagem – Componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez.