1A072 Do reducionismo ao pensamento complexo: um olhar sobre as relações entre os paradigmas de Ciência e a prática pedagógica

  • Renato Araújo Torres de Melo Moul Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Maria Iracema Barbosa Moura Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Eliabe da Silva Santos Universidade Federal Rural de Pernambuco
Publicado
2018-11-10

Na abordagem tradicional do conhecimento científico, os conteúdos específicos são fragmentados e dispersados em áreas conceituais distintas, de modo que estruturas e processos não se relacionam. O pensamento reducionista se mostra nos ambientes de ensino, incluindo o ambiente acadêmico, como principal via para o modus operandi da Ciência. Neste trabalho buscamos compreender a relação dos paradigmas científicos e seus reflexos na prática pedagógica. Apontando ainda, a necessidade de uma ruptura epistemológica, a fim de promover aos docentes e discentes um novo modo de pensar e fazer Ciência, abrigado nos paradigmas emergentes, que incluem as incertezas, o erro, a subjetividade, a criatividade e as relações entre as partes constituintes.

Palabras clave: Paradigmas, Ciência, prática pedagógica, reducionismo. (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Moul, R. A. T. de M., Moura, M. I. B., & Santos, E. da S. (2018). 1A072 Do reducionismo ao pensamento complexo: um olhar sobre as relações entre os paradigmas de Ciência e a prática pedagógica. Tecné Episteme Y Didaxis: TED, (Extraordin). Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/8732
Behrens, M. A. (2013). O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis, Vozes.
Capra, F. (2004) A teia da vida: uma compreensão científica dos sistemas vivos. 9 ed. São Paulo: Cultrix.
Gallo, S. (2001). Disciplinaridade e transversalidades. En: Candau, V. M. (Eds.). Linguagens, espaços e tempos no ensinar e aprender. Rio de Janeiro: DP&A.
Grígoli, J. A. G., & Teixeira, L. R. M. (2006). A prática pedagógica docente e a formação de professores. Revista Série-Estudos, 12, 109 – 122.
Jorge, M. M. A. (2006). O impacto epistemológico das investigações sobre complexidade. Sociologias, 8 (15), 24– 55.
Keller, E. F. (2005). The century beyond the gene. Journal of Biosciences, 30 (1), 101 -118.
Kuhn, T. S. (2018). A estrutura das revoluções científicas. 13ªed. SP: Perspectiva.
Morin, E. (2007). Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina.
Pienta, A. C. G., Berticelli, D. D., Gaspar, M. D. R., Behrens, M. A. (2005). Educação, formação profissional docente e os paradigmas da ciência. Olhar do professor, 8 (2), 93– 106.
Zabala, A. (2010). A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed.