Atividades experimentais mediadas por tecnologias digitais de informação e comunicação em licenciaturas em ciências da natureza

Experimental Activities Mediated for Digital Technologies of Information and Communication in Initial Nature Sciences Teacher Training

Actividades experimentales mediadas por tecnologías digitales de información y comunicación en licenciaturas en ciencias de la naturaleza

Publicado
2020-02-21

Es cada vez mayor el alcance de las Tecnologías Digitales de Información y Comunicación (TDIC) en las interacciones sociales, entre ellas las que ocurren en el ámbito de la educación. A este respecto se desarrolló una investigación junto a formadores de profesores del área de ciencias de la naturaleza a fin de hacer un análisis acerca de cómo entienden y promueven actividades experimentales mediadas por TDIC en situaciones de formación inicial de profesores vinculados a esa área. Se analizó de modo cualitativo, desde la perspectiva del análisis textual discursivo (atd), transcripciones de doce entrevistas semiestructuradas con seis formadores que enseñan asignaturas de contenidos específicos que contienen experimentación, así como con seis formadores que investigan sobre enseñanza de ciencias. Las categorías situaciones límite e inéditos viables respaldadas por el educador Paulo Freire fueron utilizadas a priori para el análisis. Se destacó asimismo las siguientes subcategorías: hegemonía del locus de la experimentación; escasa valoración de la experimentación asociada a las TDIC; y experimentación mediada por tdic. Los resultados muestran, por ejemplo, los entendimientos que relacionan la experimentación con la motivación y la apropiación de técnicas de laboratorio, minimizando el potencial de las actividades experimentales mediadas por TDIC.

Palabras clave: exprimentation, digital technologies of information and communication, science teaching, teacher training (en)
Palabras clave: experimentación, tecnologías digitales de información y comunicación, enseñanza de ciencias, formación de profesores (es)
Palabras clave: experimentação, tecnologias digitais de informação e comunicação, ensino de ciências, formação de professores (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Renata Isabelle Guaita, Universidade Federal de Santa Catarina

Aluna de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Possui título de Mestre em Educação Científica e Tecnológica pelo mesmo Programa de Pós Graduação. Possui graduação em licenciatura em Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Tem experiência na área de Ensino de Química. 

Fábio Peres Gonçalves, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Educação Científica e Tecnológica. Professor Associado no Departamento de Química da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil

Guaita, R. I., & Gonçalves, F. P. (2020). Actividades experimentales mediadas por tecnologías digitales de información y comunicación en licenciaturas en ciencias de la naturaleza. Tecné Episteme Y Didaxis: TED, (47). https://doi.org/10.17227/ted.num47-6757

Angotti, J. A. P. (1982). Solução alternativa para a formação de professores de ciências: um projeto educacional desenvolvido na Guiné Bissau. In: Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo. 188 f.

Autores, XXXX

Barros M. R., Baffa, A. & Queiroz, S. L. (2014) Blogs na formação inicial de professores de química. Química Nova na Escola, 36(1), 4-10.

Brasil (2008). Lei nº 11.794 (Lei Arouca), de 8 de outubro de 2008. Regulamenta o inciso VII do § 1o do art. 225 da Constituição Federal, estabelecendo procedimentos para o uso científico de animais; revoga a Lei no 6.638, de 8 de maio de 1979; e dá outras providências.

Cardoso, D. C. & Takahashi, E. K. (2011). Experimentação remota em atividades de ensino formal: um estudo a partir de periódicos Qualis A. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. 11(3),185- 208.

de Jong; T.; Linn, M.C. & Zacharia, Z. (2013). Physical and Virtual Laboratories in Science and Engineering Education. Science, 340, 305-308.

Delizoicov, D. (1982). Concepção problematizadora para o ensino de ciências na educação formal: relato e análise de uma prática educacional na Guiné-Bissau. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Instituto de Física, Universidade de São Paulo, São Paulo. 227 f.

________ (1991). Conhecimento, tensões e transições.Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo. 214 f.

________. (2008) La educación en ciencias y la perspectiva de Paulo Freire. Alexandria: Revista de educação em ciência e tecnologia, 1(2), 37-62.

Delizoicov, D.; Angotti, J. A. & Pernambuco, M. M. (2002). Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez.

Ferreira, D. B. & Villani, A. (2002). Uma reflexão sobre prática e ações na formação de professores para o ensino de Física. Revista Brasileira de Pesquisa e Ensino Em Ciências, 2(2), 63-76.

Finkesltein, N. D.; Perkins, K. K.; Adams, W.; Kohl, P. & Podolefsky, N. (2005). Can computer simulations replace real lab. equipment? Proceedings of the 2004 Physics Education Research Conference. . Melville, NY. p. 101-104

Francisco Junior, W. E.; Ferreira, L. H. & Hartwig, D. R. (2008). Experimentação problematizadora: fundamentos teóricos e práticos para a aplicação em salas de aula de Ciências. Química Nova na Escola, 30, 34-41.

Freire, P. (1979a.). Pedagogia da Esperança. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

_________ (1979b). Educação e Mudança. 12ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

_________ (1985). Extensão ou comunicação? 8ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

_________ (1987). Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

_________ (1996). Pedagogia da Autonomia. 1ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

_________ (2000). Pedagogia da indignação. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

_________ (2003). À Sombra desta Mangueira. 5ª edição. São Paulo: Olho d’Água

Freire, P. & Faundez, A. (1985). Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. & Guimarães, S. (1984). Sobre Educação (Diálogos): volume 2. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. & Shor, I. (1986). Medo e Ousadia. 18 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Galiazzi, M. C. ; Rocha, J. M. B.; Schmitz, L. C. ; Souza, M. L.; Giesta, S. & Gonçalves, F. P. (2001). Objetivo das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores. Ciência & Educação, 7(2), 249-263.

Gil-Perez, D. & Valdés Castro, P. (1996). La Orientación de Las Prácticas de Laboratorio con Investigación: Un Ejemplo Ilustrativo. Enseñanza de Las Ciencias, 14(2), p.155-163.

Giordan, M. (2008). Computadores e linguagens nas aulas de Ciências. Ijuí: Ed. Unijuí.

Gonçalves, F. P. & Marques, C. A. (2011). A problematização das atividades experimentais na educação superior em Química: uma pesquisa com produções textuais docentes. Quimica Nova, 34(5), 899-904.

_________ (2012). A problematização das atividades experimentais na educação superior em Química: uma pesquisa com produções textuais docentes - parte II. Quimica Nova, 35(4), 837-843.

_________ (2013). Problematización de las actividades experimentales en la formación y la práctica docente de los formadores de profesores de Química. Enseñanza de las Ciencias, 31(3), 67-86.

_________ (2016). A experimentação na docência de formadores da área de ensino de química. Química Nova na Escola, 38(1), 84-98.

Grandini, N. A. & Grandini, C. R. (2004). Os objetivos do laboratório didático na visão dos alunos do curso de Licenciatura em Física da UNESP-Bauru. Revista Brasileira de Ensino de Física, 26(3), 251-256.

Gravier, C., Fayolle, J., Bayard, B., Ates, M. & Lardon, J. (2008). State of the art about remote laboratories paradigms - foundations of ongoing mutations. International Journal of Online Engineering, 4(1), 1-9.

Hodson, D. (1994.) Hacia un enfoque más crítico del trabajo de laboratorio. Enseñanza de las Ciencias, 12(3), 299-313.

________ (1998). Is this really what scientists do? Seeking a more authentic science in andbeyond the school laboratoryIs: Wellington, J. Practical Work in school science: which way now? (pp. 93-108). London: Routledge.

________ (2005). Teaching and Learning Chemistry in the Laboratory: A Critical Look at the Research. Educación Química, 16(1), 30-38.

Hofstein, A.; Navon, O.; Kipnis, M. & Naaman-Mamlok, R. (2005) Developing student’ ability to ask more and better questions resulting from inquiri-type chemistry laboratories. Journal of Research in Science Teaching, v. 42(7), 791-806.

Jeschofnig, L. & Jeschofnig, P. (2011). Teaching lab. science courses online. San Francisco: Jossey-Bass.

Lapa, A. B. & Belloni, M. L. (2012). Educação a distância como mídia-educação. Perspectiva, 30(1), 175-196.

Moraes, R. (2003). Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, 9(2), 191-211.

Moraes, R. & Galiazzi, M. C. (2013). Análise Textual Discursiva. 2ª edição. Ijuí: Editora Unijuí.

Pernambuco, M. M. C. A. (1994). Educação e escola como movimento do ensino de ciências: a transformação da escola pública. 1994. 2 v. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Pontuschka, N. (1993) (Org.). Ousadia no diálogo: interdisciplinaridade na escola pública. São Paulo: Loyola.

Pozo, J. I. (1998) (Org.). A solução de problemas. Porto Alegre: Artmed.

Tao, P. K. & Gunstone, R. F. (1999) Conceptual Change in Science through Collaborative Learning at the Computer. International Journal of Science Education, 21(1), 39-57.

Tarekegn, G. (2009). Can computer simulations substitute real laboratory apparatus? Latin-American Journal of Physic Education, 10(3), 506-517.

Zazharia, Z. (2003). Beliefs, Attitudes, and Intentions of Science Teachers Regarding the Educational Use of Computer Simulations and Inquiry-Based Experiments in Physics. Journal of Research in Science Teaching, 40(8), 792-823.

Zacharia, Z. & Constantinou, C. P. (2008). Comparing the influence of physical and virtual manipulatives in the context of the Physics by Inquiry curriculum: The case of undergraduate students’ conceptual understanding of heat and temperature. American Journal Physics, 76(4&5), p. 425-430.