As atividades científicas e a não neutralidade da ciência: o julgamento da geração espontânea

  • Bárbara Bittencourt Azevedo
  • Carlos Eduardo Toledo de Rosas
  • Sheila Cristina Rego Ribeiro
Publicado
2017-10-13
Este trabalho apresenta um breve estudo acerca das possíveis relações que permearam as atividades científicas de Louis Pasteur e Félix Pouchet no caso da geração espontânea, com foco nas questões que envolvem a não neutralidade da ciência. As reflexões que aqui são apresentadas baseiam-se nas premissas da construção social da ciência e numa visão externalista desta. Ambos auxiliaram para a análise de como funcionam as relações entre a não neutralidade da ciência, os mitos, as visões deformadas da ciência e o impacto destes nos indivíduos envolvidos em atividades científicas.
Palabras clave: CTS. História e Filosofia da Ciência. Geração Espontânea (es)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Bittencourt Azevedo, B., Toledo de Rosas, C. E., & Rego Ribeiro, S. C. (2017). As atividades científicas e a não neutralidade da ciência: o julgamento da geração espontânea. Tecné Episteme Y Didaxis: TED. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/4833

Auler, D.; Delizoicov, D. (2001). Alfabetização científico-tecnológica para quê? ENSAIO - Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v.3, n.1, jun.

Braga, M.; Guerra, A.; Reis, J. C. (2007). Breve História da ciência moderna: Vol. 4: A belle-èpoque da ciência (séc. XIX). Rio de Janeiro: Zahar.

Braga, M.; Guerra, A.; Reis, J. C. (2008). O papel dos livros didáticos franceses do século XIX na construção de uma concepção dogmático-instrumental do ensino de física. Cad. Bras. Ens. Fís., Florianópolis, v.25, n.3, dez.

Braga, M.; Guerra, A.; Reis, J. C. (2010). The Role of Historical-Philosophical Controversies in Teaching Sciences: The Debate Between Biot and Ampère. Sci & Educ, [s.l.], v. 21, n. 6, p.921-934, 21 out. Springer Science + Business Media.

Collins, H.; Pinch, T. (2010). O Golem: O que você deveria saber sobre ciência. 2. ed. Belo Horizonte: Fabrefactum. 286 p. (Ciência, tecnologia e sociedade).

Martin, O. (2003). Sociología de las ciencias. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión.

Martins, L. A. P. (2009). Pasteur e a geração espontânea: uma história equivocada. Filosofia e História da Biologia, [s.i], v. 4, n. 1, p.65-100.

Pérez, D. G.; Montoro, I. F.; Alís, J. C.; Cachapuz, A.; Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciênc. educ. (Bauru), Bauru, v. 7, n. 2, p. 125-153.

von Linsingen, I.; Pereira, L. T. V.; Bazzo, W. A. (Eds.). (2003). Introdução aos Estudos CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade). Madrid: Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI).