Gênero e sexualidade no ensino escolar: uma investigação a partir do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID)

  • Lourenço Silveira
  • Silmara Oliveira Nascimento
  • Thabata Cristini
  • Hylio Laganá Fernandes
Publicado
2017-10-13
O exercício da prática como um dos instrumentos de formação docente é de indiscutível importância. O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) propõe aos bolsistas o desenvolvimento de projetos em escolas públicas, com suporte de orientadores e supervisores, a fim de potencializar a própria formação. Essa investigação ocorreu durante o desenvolvimento de um projeto PIBID-Biologia e versa sobre gênero e sexualidade, por tratar-se de uma demanda da escola parceira. O objetivo da pesquisa foi avaliar um trabalho realizado em uma perspectiva que amplia a abordagem higienista, frequentemente associada a aulas de biologia e que ignora aspectos de origens sociais e culturais, verificando se essa abordagem pode contribuir para descontruir as desigualdades de gênero social e a heteronormatividade.
Palabras clave: Educação, gênero, sexualidade, PIBID, formação. (es)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Silveira, L., Oliveira Nascimento, S., Cristini, T., & Laganá Fernandes, H. (2017). Gênero e sexualidade no ensino escolar: uma investigação a partir do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID). Tecné Episteme Y Didaxis: TED. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/4791

Barbosa, L. (2003). Igualdade e meritocracia: a ética do desempenho nas sociedades modernas (4ª ed.). Rio de Janeiro: Editora FVG. Butler, J. (1990). Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity. New York: Routledge.

Carvalho, F. A. de. (2009). Que saberes sobre sexualidade são esses que (não) dizemos dentro da escola? In: M. N. D. Figueiró (ORG.). Educação sexual: em busca de mudanças. Londrina: UEL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior. (2008). PIBID – Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. Recuperado em 16 abril, 2016 de http://www.capes.gov.br/educacao-basica/capespibid Engel, G. I. (2000). Pesquisa-ação. Educar em Revista, 16, 181-191. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/er/n16/n16a13.pdf

Mello, L.; Freitas, F.; Pedrosa, C. (2012). Para além de um kit anti-homofobia: políticas públicas de educação para a população LGBT no Brasil. Revista Bagoas, 07, 99-122. Recuperado de http://www.periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/2238/1672

Miranda, F. F. (2010). Heteronormativiade: Uma leitura sobre construção e implicações na publicidade. Fragmentos da cultura, 20. Recuperado de http://educativa.ucg.br/index.php/fragmentos/article/view/1314/898

Pavan, R. (2013). Currículo, a construção das identidades de gênero e a formação de professores. Revista Contrapontos, 13, 102-111. Recuperado de http://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/3824

Rogers, C. R. (1972). Liberdade para aprender (2 ed.). Belo Horizonte: Interlivros.

Strey, M. N.; Cabeda, S. T. L.; Prehn, D. R. (2004). Gênero e Cultura: Questões contemporâneas. Porto Alegre: EDIPUCRS. Vasconcellos, C. dos S. (1992). Metodologia Dialética em Sala de Aula [PDF]. Revista de Educação AEC, 83. Recuperado de http://www.uel.br/graduacao/odontologia/portal/pages/arquivos/NDE/METODOLOGIA%20DIAL%C3%89TICA%20EM%20SALA%20DE%20AULA.pdf