Mídia educação como estratégia didático-metodológica para o ensino de ciências em escolas em situação de vulnerabilidade social

  • Sônia Cristina Vermelho
  • Marina Maldonado
  • Roberto Eduardo Brandão
Publicado
2017-10-13
O texto apresenta os resultados parciais de investigação em que problematiza a metodologia da Mídia Educação para o ensino de ciências numa escola pública no Rio de Janeiro. Orienta-se pelas Diretrizes de Formação de Professores para a Educação Básica com objetivo de analisar as potencialidades e limitações dessa metodologia em contextos vulneráveis. No primeiro semestre realizamos Oficinas de Fotografia no contraturno. Os resultados preliminares indicaram que, em relação ao domínio da linguagem, encontramos certa dificuldade em avançar na leitura crítica; na dimensão relacional, a experiência mostrou-se bastante positiva. Em relação aos mecanismos da Indústria Cultural – Harmonização e Coerção Subjetiva – ainda que de forma insipiente, a experiência mostrou um potencial formativo devido às suas possibilidades de reflexão sobre o contexto social.
Palabras clave: mídia educação, metodologia didático-pedagógica, contexto de vulnerabilidade social, educação em ciências (es)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Vermelho, S. C., Maldonado, M., & Brandão, R. E. (2017). Mídia educação como estratégia didático-metodológica para o ensino de ciências em escolas em situação de vulnerabilidade social. Tecné Episteme Y Didaxis: TED. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/4774

Adorno, T., & Horkheimer, M. (1985). Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos (2o ed). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Auler, D., & Delizoicov, D. (2001). Alfabetização Científico-Tecnológica Para Quê? Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 3(2), 105–116.

Aumont, J. (1993). A Imagem. Campinas, SP: Papirus.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa, PT: Edições 70.

Bevort, E., & Belloni, M. L. (2009). Mídia-educação: conceitos, história e perspectivas. Educação & Sociedade, 30(109), 1081–1102. doi.org/10.1590/S0101-73302009000400008

Ministério da Educação. (2015). Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior e para a formação continuada. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192

Ministério da Educação. (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. MEC, SEB, DICEI. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf&Itemid=30192

Foucault, M. (1992). O que é um autor? Portugal: Veja/Passagens.

Freire, P., & Macedo, D. (2006). Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra (4o ed). São Paulo: Paz e Terra.

Wilson, C., Grizzle, A., Tuazon, R., Akyempong, K., & Cheung, C.-K. (2013). Alfabetização midiática e informacional: currículo para formação de professores. Brasilia: UNESCO, UFTM. Recuperado de http://unesdoc.unesco.org/images/0022/002204/220418por.pdf