Problematizando a ideia de gênios isolados: Mayer e Joule no episódio da conservação da energia

  • Julliana Bomfim
  • José Claudio Reis
  • Andreia Guerra
Publicado
2017-10-13
No presente ensaio analisamos o episódio histórico da formulação do princípio da conservação da energia, focando nos filósofos naturais Julius Robert Mayer (1814-1878) e James Prescott Joule (1818-1889). Nosso objetivo, nessa análise, é identificar alguns aspectos que permitam problematizar a visão estereotipada dos cientistas como gênios isolados, que pode distanciar alunos do saber científico. Entre esses aspectos, apontamos questões contextuais referentes às trajetórias pessoais e profissionais dos personagens históricos, abordando algumas das dificuldades e conflitos que ambos enfrentaram em suas carreiras para alcançar aceitação e prestígio na comunidade científica. Acreditamos que uma familiaridade com esses fatores possibilita uma visão de ambos como produtos de seu tempo e espaço, enriquecendo a prática pedagógica de futuros professores
Palabras clave: História e Filosofia da Ciência, Natureza da Ciência, conservação da energia, Julius Robert Mayer, James Prescott Joule. (es)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Bomfim, J., Reis, J. C., & Guerra, A. (2017). Problematizando a ideia de gênios isolados: Mayer e Joule no episódio da conservação da energia. Tecné Episteme Y Didaxis: TED. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/4736

Aduriz-Bravo, A., Izquierdo-Aymerich, M. (2009). A research-informed instructional unit to teach the nature of science to pre-service science teachers. Science & Education, 18(9), 1177-1192.

Braga, M., Guerra, A., Reis, J. C. (2011). Breve história da ciência moderna: Vol. 4: A belle-époque da ciência (séc. XIX)(2a. ed.). Rio de Janeiro: Zahar. Brickhouse, N.W., Potter, J. T. (2001). Young women's scientific identity formation in an urban context. Journal of Research in Science Teaching, 38(8), 965-980.

Caneva, K. L. (1993). Robert Mayer and the conservation of energy. Princeton and Chischester: Princeton University Press.

Coelho, R. L. (2007). On the concept of energy: How understanding its history can improve physics teaching. Science & Education, 18(8), 961-983.

Elkana, Y. (1974). The discovery of the conservation of energy. London And Southampton: The Camelot Press.

Figuerôa, S. F. de M. (2001). Para pensar a vida dos nossos cientistas tropicais. In Heizer, A. & Videira, A. A.P. (orgs.), Ciência, civilização e império nos trópicos (p. 235-246). Rio de Janeiro: Access.

Forato, T. C. de M., Pietrocola, M., Martins, R. de A. (2011) Historiografia e natureza da ciência em sala de aula. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 28(1), 27-59.

Gomes, L. C. (2015). A história da evolução do conceito físico de energia como subsídio para o seu ensino e aprendizagem – parte II. Cad. Bras. Ens. Fís., 32(3), 738-768.

Kuhn, T. S. (2001). A conservação da energia como exemplo de descoberta simultânea. In Kuhn, T. S, A tensão essencial: Estudos selecionados sobre tradição e mudança científica (p. 89-126)(Penna-Forte, M. A., trad.). São Paulo: Unesp.

Martins, A. F. P. (2015). Natureza da Ciência no ensino de ciências: uma proposta baseada em “temas” e “questões”. Cad. Bras. Ens. Fís., 32(3), 703-737.

Martins, R. de A. (1984). Mayer e a conservação da energia. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, (6), 63-95.

Mccomas, W. F. (2008). Seeking historical examples to illustrate key aspects of the nature of science. Science & Education, 17(2-3), 249-263.

Smith, C. (1998).The science of energy: A cultural history of energy physics in victorian Britain. Chicago: The University of Chicago Press.