Tecnologias Digitais: A Educação a Distância e a Educação Ambiental

  • Leidy Gabriela Ariza Ariza
  • Ângela Adriane Bersch Schmidt
  • Eliane Piske Lima
Publicado
2017-10-13
O texto faz uma reflexão da interatividade na educação a distância a partir do olhar da Educação Ambiental, com a perspectiva qualitativa de interpretação e descrição de elementos que envolvem o ensino e a aprendizagem, em um curso de Especialização em Educação Ambiental a distância, no Brasil. Mostrando o contexto virtual como a representação da ambientalização curricular dos conhecimentos, das atitudes e das motivações dos envolvidos na intencionalidade educativa. Onde a metodologia dialógica, na qual o curso foi constituído, privilegiou a interação do trio, aluno, professor e tutores e promoveu as interlocuções com/sobre as situações problematizadas no espaço do Moodle, os quais estavam em permanente reflexão, diálogo e cooperação, fruto da Comunidade Aprendente.
Palabras clave: Educação Ambiental. Educação a Distância. Comunidade Aprendente. Tecnologias digitais. (es)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Ariza Ariza, L. G., Bersch Schmidt, Ângela A., & Piske Lima, E. (2017). Tecnologias Digitais: A Educação a Distância e a Educação Ambiental. Tecné Episteme Y Didaxis: TED. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/4720

Brandão, C. R. (2005). Comunidades Aprendentes. In: Ferraro Júnior, L. A. (org.). Encontros e caminhos: formação de educadores ambientais e coletivos educadores. Brasília: Ministério do Meio Ambiente /Diretoria de Educação Ambiental.

Bronfenbrenner, U. (2002). A ecologia do desenvolvimento humano: Experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas.

Bronfenbrenner, U. (2011). Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Tradução André de Carvalho-Barreto. Porto Alegre: Artmed.

Freire, P. (1980). Conscientização: teoria e prática da libertação. Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3. ed. São Paulo: Moraes.

Guerra, A. F ; Figueiredo, M. L. (2014). Ambientalização curricular na educação superior; desafios e perspectivas. Educar em revista, Curitiba, Brasil. UFPR. Edição Especial. 3. 109-126.

Layrargues, P. (2006). Muito além da natureza: educação ambiental e reprodução social. In: LOUREIRO, Carlos (Org.), LAYRARGUES, Philippe (Org.) e CASTRO, Ronaldo (Org.). Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez.

Levy, P. (2003). O que é virtual? Editora 34. São Paulo.

Loureiro, C.F.B. (2012). Teoria social e questão ambiental: pressupostos para uma práxis crítica em educação ambiental. In: LOUREIRO, Carlos F.B.; LAYRARGUES, Philippe P.; CASTRO Ronaldo S.de. (Orgs). Sociedade e meio ambiente: a educação ambiental em debate. 7ªed. São Paulo: Cortez.

Loureiro, C.F. B., BARBOSA, G. L. ; ZBOROWSKI, M. B. (2009). Os vários “ecologismos dos pobres” e as relações de dominação no campo ambiental, In: LOUREIRO, C.F.; Layargues, P.P.; CASTRO, R.S. (Orgs.). Repensar a educação ambiental: um olhar crítico. São Paulo: Cortez.

Loureiro, C.F. B. (2007). Educação Ambiental Crítica: contribuições e desafios. In: MEC/MMA. Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola, Brasília: 65-72.

Quintas, J.S.(2006). Introdução à gestão ambiental pública/José Silva Quintas. 2ª ed. revista. – Brasília: Ibama.

Silveira, M. H. e Souza, J. (2011). Diretrizes metodológicas utilizadas em ações de inclusão digital. In: SILVEIRA, Maria; PRETTO; Nelson. (Org.). Inclusão Digital polemica contemporânea. Salvador. Brasil. Edufba. 91-107.