Quilombola School Education from a Field Perspective: The Quilombola Peasant

La educación escolar quilombola desde la perspectiva del hombre del campo: el campesino quilombola

Educação Escolar Quilombola na Perspectiva do homem do Campo: O Camponês Quilombola

Publicado
2020-08-31

Este artículo se deriva de una investigación en desarollo titulada: “Las políticas públicas educativas del plan de acciones articuladas-PAR en municipios de Bahía”, que se centra en Vitória da Conquista, Ilhéus e Itabuna. En él se describen los resultados de este estudio en lo que se refiere a la realidad de la educación escolar quilombola desde la perspectiva del hombre del campo: el campesino quilombola. Se siguió el método del materialismo histórico dialéctico. Los resultados apuntan a contradicciones entre las normativas previstas en las legislaciones específicas y la materialidad de las particularidades de esta población. Concluimos que el modo de producción específico del hombre del campo quilombola legitima una práctica social de enfrentamiento al capital a través del campesinado, y para mejor explicitarla creamos la categoría Campesino quilombola.

Palabras clave: ethnic community, rural education, farmer, constitutional law, brazilian culture (en)
Palabras clave: comunidad étnica, educación rural, campesino, derecho constitucional, cultura brasileña (es)
Palabras clave: comunidade étnica, educação rural, agricultor, direito constitucional, cultura brasileira (pt)
Niltânia Brito-Oliveira, Universidade do Estado da Bahia

Mestra em Educação pela Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC; Professora do PARFOR/UNEB; Profa. da Faculdade Maurício de Nassau; Profa. da Educação Básica de Vitória da Conquista - BA/Brasil.

Igor Tairone Ramos dos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Mestrando em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB; graduação em Relações Internacionais pela Universidade Federal da Paraíba (2017). Atualmente é professor de língua estrangeira - Cultural Norte-Americano;  Pós-graduado em Comércio-Exterior pela Faculdade Metropolitanas Unidas. Atua como intérprete de LIBRAS para eventos de educação.

Abramovay, R. (2007). Paradigmas do capitalismo Agrário em Questão (3ª edição). Edusp.

Brazilian Constituição. (2003). Decreto 4887, de 20 de novembro de 2003.

Cheptulin, A. (2004). A Dialética materialista-Categorias e Leis da Dialética, vol. 02 (trad. Leda Rita Cintra Ferraz). Coleção Filosofia. Alfa- Ômega, Série 1.

Conselho Nacional de Educação. (2004). Parecer CNE/CP 003. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais.

Conselho Nacional de Educação. (2006). Parecer CNE/CEB nº 1. Dias Letivos para a aplicação da Alternância nos Centros Familiares de Formação por Alternância.

Fernandes, F. (2007). O Negro no Mundo dos Brancos (2ªedição). Global Editora.

Fernandes, F. (1978). A Integração do Negro na Sociedade de Classes (3ª edição). Ática.

Fórum Nacional de Educação do Campo-Fonec. (2012). Notas para análise do momento atual da Educação do Campo. Brasília. http://www.editoraunesp.com.br/catedra/publicacoes_relatorios.asp?tpl_id=5

Garcia, M. F., Junior, M. Antônio Miditiero e Viana Pedro C. G. (Org). (2015). A Questão Agrária no Século XXI: escalas, dinâmicas e conflitos territoriais (p. 309-362). Outras Expressões.

Gomes, N. Lino. (2006) et al. Identidade e Corporeidades Negras: Reflexões sobre uma experiência de formação de professores/as para a diversidade étnico-racialAutêntica.

Kosik, K. (1997). Dialética do Concreto (6. ed.). (Trad. C. Neves e A. Toríbio). Paz e Terra.

Martins, J. de Souza. (1986). Os camponeses e a Política no Brasil: as lutas sociais no campo e seu lugar no processo político (3ª edição). Vozes.

Marx, K. (1993 [1843]). Introdução à crítica da filosofia do direito de Hegel. Edições 70

Marx, K. e. Engels, F. (1998). A ideologia Alemã. In Teses de Freubach (pp. 118-119). Alfa-Omega.

Marx, K. (2010). Contribuição a Crítica da Filosofia do Direito de Hegel (trad. L. Ehlers). Expressão Popular.

Mészáros, I. (2014). O poder da ideologia. (Trad. M. Lopes e P. C. Castanheira). Boitempo.

Minayo, M. C. de Souza. (Org.) Deslandes, F., Gomes, R., (2007). (Orgs.) Pesquisa Social Teoria, método e Criatividade. Editoras Vozes.

Ministério da Educação Nacional. (2012). Resolução CNE nº 08. Diretrizes Operacionais para a Educação Escolar Quilombola.

Ministério da Educação Nacional. (2007). Plano de Ações Articuladas (PAR). Relatório Público. http://simec.mec.gov.br/cte/relatoriopublico/principal.php

Ministério da Educação Nacional. (2002). Resolução CNE nº 01. (Educação do Campo–cultivando um Brasil melhor) Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo.

Ministério da Educação Nacional. (2004). Resolução nº 1. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.

Ministério da Educação Nacional. (2008). Resolução nº 2/2008. Estabelece Diretrizes Complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo.

Ministério da Educação Nacional. (2010). Resolução nº 4. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica.

Ministério da Educação Nacional. (2010). Resolução nº 7. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos.

Ministério da Educação Nacional. (2010). Decreto nº 7.352. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária-Pronera. Diário Oficial da União. Poder Legislativo.

Munanga, K. (2004). Uma abordagem Conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Cadernos Penesb (Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira) 5, 15-23.

O’Dwyer E. Cantarino. (1995) (Org.). Remanescentes de quilombos no Brasil. Boletim da ABA-Terras de Quilombos.

Oliveira, W. T. Farias. (2017). Diversidade Étnico-racial no Currículo Infantil: o estudo das práticas educativas em uma EMEI da cidade de São Paulo. Editora Vozes.

Presidência da República Federativa do Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil.

Presidência da República Federativa do Brasil. (2003). Lei nº 10.639. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnicas- Raciais e para o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.

Presidência da República Federativa do Brasil. (2008). Lei nº 11.645. Diretrizes Curriculares nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira Africana e Indígena.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. (2003). Decreto nº 4.887. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.

Ramos, M. Nogueira. (2004). O projeto unitário de ensino médio sob os princípios do trabalho, da ciência e da cultura. In G. Frigotto Gaudêncio e M. Ciavatta (Org.). Ensino médio. Ciência, cultura e trabalho. MEC/Setec.

Santos, A. Ramos. (2012). Análise das políticas públicas educacionais implementadas no contexto das escolas municipais. Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista/BA. Secretaria Municipal de Educação.

Santos, A. Ramos. (2013). Ocupar, resistir e produzir, também na Educação! O MST e a Burocracia Estatal: Negação do Consenso. Ed. Paco.

Santos, A. Ramos. (2016). Aliança (neo) desenvolvimentista e decadência ideológica no campo: movimentos sociais e reforma agrária do consenso. CRV.

Brito-Oliveira, N., Ramos Dos Santos, A., & Ramos dos Santos, I. T. (2020). La educación escolar quilombola desde la perspectiva del hombre del campo: el campesino quilombola. Revista Colombiana De Educación, 1(80). https://doi.org/10.17227/rce.num80-10802

Visitas

128

Citaciones

Métricas PlumX

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.