Educación literaria: controversias pedagógicas entre el Ministerio de Educación y Ciencia y la Asociación de Profesores de Portugués

Educação Literária: controvérsias pedagógicas entre o Ministério da Educação e da Ciência e a Associação de Professores de Português

Literary Education: Pedagogical Controversies between the Ministry of Education and Science and the Association of Portuguese Language Teachers

Publicado
2019-03-04

Resumen (es)

This paper addresses the conflict raised by the reformulation of the Portuguese language program in secondary education. This reform was put to the test by the Ministry of Education of Portugal in 2013. From the controversies raised by the changes made, we chose literary education and the criteria to choose literary works for school as a topic of discussion. The program’s design is subject to a lively discussion among credible actors. In this article, we combine a reflection and an exploratory research and chose the controversies incurred by the Portuguese Teachers Association in opposition to Government-issued guidelines. From the discussion, we highlight the opposition to the canon as a criterion for choosing the works and how inference can be operated in a massified school and with the compulsory length of school until the twelfth year.

Resumen (pt)

A disputa suscitada pela reformulação do programa do ensino língua portuguesa no Ensino Secundário é objeto do artigo. Esta reforma é testada pelo Ministério da Educação de Portugal em 2013. Das controvérsias suscitadas pelas mudanças introduzidas, elege-se como objeto de disputa o Ensino Literário e os critérios destinados à escolha das obras literárias a adotar nas escolas. O desenho do Programa é sujeito a uma discussão acesa entre atores credíveis. Ensaia-se no artigo uma reflexão combinada com uma pesquisa exploratória e se escolhem as controvérsias insurgidas pela Associação de Professores de Português por contraposição às orientações emanadas de cima. Da discussão ressalta a oposição sobre o cânone como critério de escolha das obras e sobre o modo como a inferência pode ser operada numa escola massificada e com a obrigatoriedade escolar prolongada até ao 12º ano.

Resumen (en)

El conflicto planteado por la reformulación del programa de lengua portuguesa en la enseñanza secundaria es objetivo de este artículo. Esta reforma fue puesta a prueba por el Ministerio de Educación de Portugal en 2013. De las controversias suscitadas por los cambios introducidos, se eligió como tema de discusión la Educación literaria y los criterios para la elección de las obras literarias que deben tomarse en las escuelas. El diseño del Programa está sujeto a una discusión encendida entre actores acreditados. En este artículo se ensaya una reflexión combinada con una investigación exploratoria y se eligen las controversias introducidas por la Asociación de Profesores de Portugués en oposición a las directrices emitidas desde arriba. De la discusión se resalta la oposición al canon como criterio de elección de las obras y sobre cómo la inferencia puede ser operada en una escuela masificada y con la obligatoriedad escolar prolongada hasta el 12º año.

Palabras clave: portuguese literature, education, pedagogy, inference (en)
Palabras clave: literatura portuguesa, educación, pedagogía, inferencia (es)
Palabras clave: literatura portuguesa, educação, pedagogia, inferência (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
José Manuel Resende, Universidade de Évora

Professor Catedrático na Universidade de Évora. Investigador do grupo Pragmaticus e CICS-NOVA.

Correio eletrônico: josemenator@gmail.com

José Maria Carvalho, Universidade Nova de Lisboa

Professor na Universidade Nova de Lisboa. Investigador do grupo Pragmaticus e CICS-NOVA.

Correio eletrônico: carvalhoze10@hotmail.com

Resende, J. M., & Carvalho, J. M. (2019). Educación literaria: controversias pedagógicas entre el Ministerio de Educación y Ciencia y la Asociación de Profesores de Portugués. Pedagogía Y Saberes, (50). https://doi.org/10.17227/pys.num50-6845

Abbott, A. (1988). The System of Professions. An Essay on the Division of expert Labor. Chicago e Londres: The University of Chicago Press.

Associação Portuguesa de Professores (APP). (2013). Parecer sobre o programa e metas curriculares de português do Ensino Secundário. Lisboa: Autor.

Boltanski, L. e Thévenot, L. (1991). De la Justification. Les Économies de la Grandeur. Paris: Gallimard.

Breviglieri, M. e Stavo-Debauge, J. (2007). L’hypertrophie de l’oeil. Pour une anthropologie du « passant singulier qui s’aventure à découvert ». Em D. Cefaï e C. Saturno (Ed.), Itinéraires d’un pragmatiste. Autour d’Isaac Joseph (pp.79-98). Paris: Economica.

Carvalho, H., Ávila, P., Nico, M. e Pacheco, P. (2012). Literacia e desigualdades sociais em Portugal: Uma análise a partir de dados do pisa (2000-2009). VII Congresso Português de Sociologia, Crise e Reconfigurações, Seção de Sociologia da Educação. Porto: APS.

Deleuze, G. (1991). A Dobra. Leibniz e o Barroco. São Paulo: Papirus.

Deleuze, G. e Guattari, F. (1995). Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. São Paulo: Editora 34.

Dewey, J. (1958). Experiencia y Educación. Buenos Aires: Losada.

Foucault. M. (1997). Nietzsche, Freud e Marx. São Paulo: Principio.

Hennion, A. (2011). Pragmática do Gosto. Revista de Ciências Sociais da PUC-Rio, 8, 253-277.

Latour, B. (2012). Reagregando o Social. São Paulo: Edusc.

Lemieux, C. (2009). Le devoir et la grâce. Économica.

Ministério da Educação e Ciência (MEC). (2014a). Programa e Metas Curriculares de Português – Secundário. Lisboa: Autor.

Ministério da Educação e Ciência (MEC). (2014b). Balanço da Consulta Pública. Lisboa: Autor.

Quéré, L. (2006). Entre fait et sens : la dualité de l’événement. Réseaux, 139, 183-218.

Quéré, L. e Karsenti, B. (2004). La croyance et l’enquête. Aux sources du pragmatisme. Paris: l’EHESS.

Rancière, J. (1995). Políticas de Escrita. São Paulo: Editora 34.

Reis, L., Dussault, G., Ávila, P. e Dias, S. (2012). O conhecimento sobre o medicamento e literacia em saúde. Um estudo em adultos utentes de farmácias do concelho de Lisboa. Revista Portuguesa de Farmacoterapia, 4(2), 7-22.

Resende, J. (2003). O Engrandecimento de uma Profissão. Os professores do Ensino Secundário Público no Estado Novo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Resende, J. (2010). A Sociedade contra a Escola? A Socialização Política Escolar num Contexto de Incerteza. Lisboa: Piaget.

Resende, J. (2012). A escola como territórios de envolvimentos políticos: as gramáticas de Socialização Política nos encontros dos professores com os alunos. Em M. J. Casa-Nova, A. Benavente, F. Diogo, C. Estêvão, e J. T. Lopes (Org), Cientistas Sociais e Responsabilidade Social no mundo atual (pp. 133-159). Vila Nova de Famalicão: Húmus.

Resende, J. (2016). Testemunhos analíticos sobre a Inclusão Escolar: a escola para todos pondo à prova a Sociologia Pragmática sobre a Socialização política Escolar. Em G. T. do Carmo (Org), Sentidos da Permanência na Educação (pp. 235-260). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Resende, J. (2017). O Excel é que manda? As outras faces das desigualdades escolares. Em G. Setton, G. Valente, e E. E. Gomes (Org), Mérito, desigualdades e diferenças: cenários de injustiça escolar no Brasil e em Portugal (pp. 55-75). São Paulo: usp.

Resende, J. e Caetano, P. (2015). A arte de fazer a medida. O julgamento dos professores em contextos de avaliação escolar. Em M. M. Vieira (Org.), O Futuro em Aberto (pp. 97-129). Lisboa: Editora Mundos Sociais.

Resende, J. e Dionísio, B. (2016). Itinerários à luz da Sociologia Pragmática: o que os lugares comuns fazem à comunalidade escolar. Terceiro Milénio – Revista Crítica de Sociologia e Política, 6(1), 198-235.

Resende, J. e Gouveia, L. (2014). A sociabilidade escolar à prova do reconhecimento no regime da philia: o (in) aceitável do insulto moral na relação entre pares. Em S. L. Guedes, e T. A. Cipiniuk (Org), Abordagens etnográficas sobre educação - Adentrando os muros das escolas (pp. 97-130). Niterói: FAPERJ/Alternativa.

Resende, J., Gouveia, L. e Beirante, D. (2014). O mandato e a licença profissional à prova das mutações no Estatuto da carreira docente: controvérsias em torno do trabalho profissional. Em M. B. Portugal, A. M. Diogo, M. Ferreira, J. T. Lopes, e E. E. Gomes (Org), Entre a crise e a euforia: práticas e políticas educativas em Portugal e no Brasil (pp. 149-172). Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Resende, J., Gouveia, L. e Beirante, D. (2016). O mandato docente em face das reconfigurações do sistema de ensino: tensões, mal-estar e dilemas no quadro de uma instituição escolar compósita. In Atas do ix Congresso de Sociologia – Portugal Território de territórios. APS: Faro.

Seabra, T., Ávila, P. e Castro, L. (2013). Imigração e condições sociais no desempenho escolar: resultados das provas de aferição em alunos da aml. Em L. Veloso e P. Abrantes (Org), Sucesso Escolar: da compreensão do fenómeno às estratégias para o alcançar (pp. 207-229). Lisboa: Mundos Sociais.

Serres, M. (1991). Filosofia Mestiça. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Thévenot, L. (1993). Essai sur les objets usuels : propriétés, fonctions, usages. Em B. Conein, N. Dodier, e L. Thevenot (Eds.), Les objets dans l’action (pp. 85-111). Paris: l’EHESS.

Thévenot, L. (1994). Le régime de familiarité; des choses en personnes. Genèses, 17, 72-101.

Thévenot, L. (2006). L’action au pluriel. Sociologie des régimes d’engagement. Paris: La Découverte.