Práticas educativas e o currículo da educação básica no Brasil: desafios para professores(as) dos anos iniciais

Educational Practices and the Curriculum of Basic Education in Brazil: Challenges to Teachers in the Initial Years

Prácticas educativas y currículo de educación básica en Brasil: desafíos para los profesores de los años iniciales

Publicado
2022-07-15

Este artículo tiene como objetivo brindar reflexiones sobre los desafíos que enfrentan profesoras de los años iniciales de la ense-ñanza fundamental, con relación a sus prácticas docentes y curriculares. El referente teórico de la investigación incluye estudios sobre el currículo y las prácticas educativas. La investigación, de abordaje cualitativo, incluyó entrevistas con profesoras de los años iniciales de una institución de enseñanza de la red pública municipal en una ciudad en el norte de Santa Catarina, Brasil. Por medio del análisis de contenido, los resultados resaltan la necesidad de la profesionalización de las profesoras y la auto-nomía curricular, en tanto existe la necesidad de una discusión colectiva de un proyecto educativo que comparta un currículo donde se respete la diversidad cultural y social de los niños y de la comunidad.

Palabras clave: Educational practices, Curriculum, Fundamental Education, Political Pedagogical Project (en)
Prácticas educativas, Currículo, Enseñanza Básica, Proyecto Político Pedagógico (es)
Práticas Educativas, Currículo, Anos Iniciais, Projeto Político Pedagógico (pt)
Jane Mery Richter-Voigt, Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE

Pós-Doutora em Ciências da Educação na especialidade Desenvolvimento Curricular pela Universidade do Minho - UMINHO, Braga, Portugal (2018).Doutora em Educação, área de concentração Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP (2012). Mestre em Educação na linha de pesquisa Educação Matemática pela Universidade Federal do Paraná-UFPR (2004). Licenciada em Matemática pela Fundação Educacional da Região de Joinville - FURJ (1991). É professora titular da Universidade da Região de Joinville-UNIVILLE, atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação, em cursos de graduação e como pesquisadora e coordenadora do Grupo de Pesquisa Estudos Curriculares, Docência e Tecnologias - GECDOTE. É coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação. Coordenadora geral do Observatório do Ensino Médio em Santa Catarina - OEMESC. Tem experiência no ensino de graduação e pós-graduação, na área de ensino de Matemática na educação básica e no ensino superior e na formação de professores. Desenvolve pesquisas envolvendo temas como: currículo, políticas e práticas curriculares, autonomia e flexibilidade curricular, práticas educativas na Educação Básica.

Dilma Alexandre, Universidade da Região de Joinville UNIVILLE

Mestre em Educação pela Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE SC. Pesquisadora no Grupo de Estudos Curriculares, Docência e Tecnologias - GECDOTE. Professora na Rede de Educação Básica em Araquari SC. Possui graduação em Pedagogia pela Associação Catarinense de Ensino (2000) e graduação em Letras - Português pela Universidade Norte do Paraná (2009). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação

Silvia Sell Duarte-Pillotto, Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE

Pós-Doutora no Instituto Estudos da Criança - IEC na Universidade do MINHO - UMINHO, Braga/Portugal em 2007/2008. Doutora em Engenharia de Produção (Gestão da Qualidade) pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2003); Mestre em Educação (Currículo) pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (1997) Especialista em Fundamentos Estéticos para a Arte na Educação pela Faculdade de Artes do Paraná (1992); Graduada em Educação Artística - Habilitação Artes Plásticas pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina - UDESC (1983) Professora titular nos cursos de Artes Visuais e Pedagogia na Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE e no Programa de Pós-Graduação - Mestrado em Educação; Pesquisadora e Coordenadora de Núcleo de Pesquisa em Arte na Educação - NUPAE, possui experiência nas áreas de Artes, Gestão, Currículo, Avaliação; Infância e Arte/Educação. Avaliadora do INEP, atua nos seguintes níveis da educação: educação superior e pós-graduação. Autora de vários livros publicados, desenvolve formação continuada e consultoria nas áreas citadas.

Apple, M. W. (1995). Trabalho docente e textos: economia política das relações de classe e de gênero em educação. Porto Alegre: Artes Médica.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, LDA.

Base Nacional Comum Curricular do Ministério da Educação e Cultura do Brasil (2018). Retirado de: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Lei n. 11.274 de 6 de fevereiro de 2006 do Ministério da Educação e Cultura do Brasil. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Retirado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11274.htm

Freire, P. (1998). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa (9ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2016). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa (54ª ed.). São Paulo: Paz e Terra. (Coleção Leitura).

Gadotti, M. (2016) O projeto político-pedagógico da escola na perspectiva de uma educação para a cidadania. São Paulo: USP.

Gatti, B., & André, M. (2010). Metodologias da pesquisa qualitativa na educação: teoria e prática. In B. Gatti & M. André, A relevância dos métodos de pesquisa qualitativa em Educação no Brasil (pp. 39-52). Petrópolis: Vozes.

Imbernón, F. (2010). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez.

Kramer, S., Nunes, M. F., & Corsino, P. (2007). A infância e sua singularidade. In Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade (pp. 13-23). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

Kramer, S., Nunes, M. F., & Corsino, P. (2011). Infância e crianças de 6 anos: desafios das transições na educação infantil e no ensino fundamental. Educação e Pesquisa: Revista da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 37 (1), 69-86.

Leite, C. (2012). A articulação curricular como sentido orientador dos projetos curriculares. Educação Unisinos, 16 (1), 87-92.

Libâneo, J. C. (2010). Pedagogia e pedagogos, para quê? São Paulo: Cortez.

Libâneo, J. C. (2011). Adeus professor, adeus professora: novas exigências educacionais e profissão docente. São Paulo: Cortez.

Marcelo, C. G. (2009). El profesorado principiante: insercion a la docência. España: Editorial Octaedro.

Moreira, A. F. B., & Candau, V. M. (2003). Educação escolar e cultura (s): construindo caminhos. Revista Brasileira de Educação, (23), 156-168.

Morgado, J. C. (2003). Projecto Curricular e Autonomia da Escola: possibilidades e constrangimentos. Revista galego-portuguesa de psicoloxía e educación: revista de estudios e investigación en psicología y educación, 10 (8), 335-348.

Morgado, J. C. (2005). Currículo e profissionalidade docente. Portugal: Porto Editora.

Morgado, J. C. (2011). Projecto curricular e autonomia da escola: das intenções às práticas. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação-Periódico científico editado pela ANPAE, 27 (3), 391-408.

Nóvoa, A. (1999). Profissão professor. Portugal: Porto Editora.

Pillotto, S. S. D., & Bohn, L. R. D. (2014). Mediação cultural como possibilidade de aprendizagem na infância. Revista GEARTE, 1 (4), 284-296.

Pillotto, S. S. D., & Voigt, J. M. R. (2016). Políticas de avaliação na educação básica e seus desdobramentos na disciplina de Arte. Práxis Educativa, 11 (3), 757-774.

Sacristán, J. G. (1999). Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Sacristán, J. G. (2013). (org.) Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso.

Veiga, I.P.A. (2010). Projeto político-pedagógico da escola de ensino médio e suas articulações com as ações da Secretaria de Educação. Anais do I Seminário Nacional: Currículo em movimento – Perspectivas Atuais. Belo Horizonte, nov. Retirado de https://www.academia.edu/5135729/ANAIS_DO_I_SEMIN%C3%81RIO_NACIONAL_CURR%C3%8DCULO_EM_MOVIMENTO_Perspectivas_Atuais_Belo_Horizonte_novembro_de_2010_PROJETO_POL%C3%8DTICO_PEDAG%C3%93GICO_DA_ESCOLA_DE_ENSINO_M%C3%89DIO_E_SUAS_ARTICULA%C3%87%C3%95ES_COM_AS_A%C3%87%C3%95ES_DA_SECRETARIA_DE_EDUCA%C3%87%C3%83O

Voigt, J. M. R. (2018). O Projeto Político-Pedagógico da Escola Brasileira e a Construção da Autonomia Curricular: possibilidades e desafios. Revista de Estudos Curriculares, 9 (2), 20-33.

APA

Richter-Voigt, J. M., Alexandre, D., & Duarte-Pillotto, S. S. (2022). Práticas educativas e o currículo da educação básica no Brasil: desafios para professores(as) dos anos iniciais. Pedagogía y Saberes, (57). https://doi.org/10.17227/pys.num57-13524

ACM

[1]
Richter-Voigt, J.M., Alexandre, D. y Duarte-Pillotto, S.S. 2022. Práticas educativas e o currículo da educação básica no Brasil: desafios para professores(as) dos anos iniciais. Pedagogía y Saberes. 57 (jul. 2022). DOI:https://doi.org/10.17227/pys.num57-13524.

ACS

(1)
Richter-Voigt, J. M.; Alexandre, D.; Duarte-Pillotto, S. S. Práticas educativas e o currículo da educação básica no Brasil: desafios para professores(as) dos anos iniciais. Pedagog. saberes 2022.

ABNT

RICHTER-VOIGT, J. M.; ALEXANDRE, D.; DUARTE-PILLOTTO, S. S. Práticas educativas e o currículo da educação básica no Brasil: desafios para professores(as) dos anos iniciais. Pedagogía y Saberes, [S. l.], n. 57, 2022. DOI: 10.17227/pys.num57-13524. Disponível em: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/PYS/article/view/13524. Acesso em: 7 ago. 2022.

Chicago

Richter-Voigt, Jane Mery, Dilma Alexandre, y Silvia Sell Duarte-Pillotto. 2022. «Práticas educativas e o currículo da educação básica no Brasil: desafios para professores(as) dos anos iniciais». Pedagogía y Saberes, n.º 57 (julio). https://doi.org/10.17227/pys.num57-13524.

Harvard

Richter-Voigt, J. M., Alexandre, D. y Duarte-Pillotto, S. S. (2022) «Práticas educativas e o currículo da educação básica no Brasil: desafios para professores(as) dos anos iniciais», Pedagogía y Saberes, (57). doi: 10.17227/pys.num57-13524.

IEEE

[1]
J. M. Richter-Voigt, D. Alexandre, y S. S. Duarte-Pillotto, «Práticas educativas e o currículo da educação básica no Brasil: desafios para professores(as) dos anos iniciais», Pedagog. saberes, n.º 57, jul. 2022.

MLA

Richter-Voigt, J. M., D. Alexandre, y S. S. Duarte-Pillotto. «Práticas educativas e o currículo da educação básica no Brasil: desafios para professores(as) dos anos iniciais». Pedagogía y Saberes, n.º 57, julio de 2022, doi:10.17227/pys.num57-13524.

Turabian

Richter-Voigt, Jane Mery, Dilma Alexandre, y Silvia Sell Duarte-Pillotto. «Práticas educativas e o currículo da educação básica no Brasil: desafios para professores(as) dos anos iniciais». Pedagogía y Saberes, no. 57 (julio 1, 2022). Accedido agosto 7, 2022. https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/PYS/article/view/13524.

Vancouver

1.
Richter-Voigt JM, Alexandre D, Duarte-Pillotto SS. Práticas educativas e o currículo da educação básica no Brasil: desafios para professores(as) dos anos iniciais. Pedagog. saberes [Internet]. 1 de julio de 2022 [citado 7 de agosto de 2022];(57). Disponible en: https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/PYS/article/view/13524

Descargar cita

Citaciones

Crossref Cited-by logo
0

Métricas PlumX

Visitas

39

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.