Atividades Lúdicas E Musicalização Em Sala De Aula: Aprendizagem Na Pré-Escola

Ludic Activities And Music In Classroom: Pre-School Learning

Actividades Lúdicas Y Musicalización en el Aula: Aprendizaje en el Preescolar

  • Mônica Gonçalves da Silva Centro Universitário La Salle - Campus Canoas
  • Hildegard Susana Jung Centro Universitário La Salle - Campus Canoas
  • Louise de Quadros da Silva Centro Universitário La Salle - Campus Canoas
Publicado
2020-07-29

El presente artículo posee como tema los nuevos paradigmas y la utilización de la lúdica y de la musicalización en el aula. Esta investigación tiene como objetivo suscitar el debate referente a la importancia de la inserción de actividades lúdicas, especialmente con el uso de la música en el proceso pedagógico del preescolar. La investigación, de cuño cualitativo, buscó sus datos en una revisión bibliográfica acerca de la temática. Los resultados señalan la importancia de la música en el ámbito escolar como facilitadora de la interacción social, así como para estimular habilidades, hipótesis y conceptos. Además, la música ofrece oportunidades de investigación y desarrollo de la creatividad. Se considera, por tanto, a las actividades lúdicas como aliadas en el proceso pedagógico en la educación infantil, pues aportan momentos de socialización, creatividad y curiosidad, además del desarrollo de la dimensión cognitiva de los niños.

Palabras clave: Pre-school; Playfulness; Musicalization; Learning. (en)
Palabras clave: Preescolar; Ludicidad; Musicalización; Aprendizaje. (es)
Palabras clave: Pré-escola; Ludicidade; Musicalização; Aprendizagem. (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Gonçalves da Silva, M., Susana Jung, H., & de Quadros da Silva, L. (2020). Actividades Lúdicas Y Musicalización en el Aula: Aprendizaje en el Preescolar. Lúdica Pedagógica, 1(32), 1-20. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/LP/article/view/12179
Bastian, H. G. (2009). Música na escola: contribuição do ensino da música no aprendizado e no convívio social da criança. São Paulo: Paulinas.
Bissoli, M. de F. (2005). Educação e Desenvolvimento da personalidade da criança: contribuições da Teoria Histórico-Cultural. 2005. 281f.Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Marília, SP.
Borba, Â. M. (2006). O brincar como um modo de ser e estar no mundo. In: Brasil. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: FNDE, Estação Gráfica. p. 33-45.
Bueno, R. (2011). Pedagogia da Música. Jundiaí: Keyboard Editora Musical Ltda.
Brasil. (1996). Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília.
________. (1998). Referencial curricular nacional para a educação infantil. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF. Consulta realizada em 10 de dez. 2018. https://goo.gl/YWiHgy
________. (2006). Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à Educação. Ministério da Educação, Secretaria da Educação Infantil. Brasília: MEC.
Brito, T. A. de. (2003). Música na educação infantil: propostas para a formação integral da criança. São Paulo: Peirópolis.
Cavaliere, A. M. (2002). Educação integral: uma nova identidade para a escola brasileira. Educação e Sociedade, Campinas, 23, 81, 247-270.
Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed.
Chateu, J. (1987). O jogo e a criança. São Paulo: Summus.
Delalande, F.; Vidal, J; Reibel, G. (1984). La musique est un jeu d'enfant. Paris: Buchet/Chastel.
Demo, P. (2011). Educar pela pesquisa. rev. Campinas: Autores Associados.
Facci, M. G. D. (2004). A periodização do desenvolvimento psicológico individual na perspectiva de Leontiev, Elkonin e Vigostski. Cad. CEDES, 24, 62, 64-81.
Fortuna, T. R. (2003). Jogo em aula. Revista do Professor, 19, 75, 15-19. Consulta realizada em 15 de nov. 2018. https://goo.gl/264R5w
Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas.
Kishimoto, M. T. (2011). Jogos, Brinquedos e a Educação. 14. Ed. São Paulo: Cortez.
Mec. (2017). Base Nacional Comum Curricular. Brasília.
Montessori, M. (s. d.). Mente absorvente. Rio de Janeiro: Portugália Editora.
Negrine, A. da S. (1997). Aprendizagem e desenvolvimento infantil a partir da perspectiva lúdica. Revista Perfil, 1, 3-12.
Nogueira, M. A. (2003). A música e o desenvolvimento da criança. Revista da UFG, 5, 2.
Oliveira, M. K. de. (1997). Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione.
Pasqualini, J. C. (2009). A perspectiva histórico-dialética da periodização do desenvolvimento infantil. Psicologia em Estudo, 14, 1, 31-40.
Paula, N. M. de. (2009). Crianças pequenas - dois anos - no ciberespaço: interatividade possível?. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de Brasília, 244f.
Siqueira, M. A. da S. (2005). Monografias e teses: das normas técnicas ao projeto de pesquisa: teoria e prática. Brasília: Editora Consulex, 2005.
Storniolo, S. R. P. (2016). A música na educação infantil como facilitadora do processo de ensino-aprendizagem. Editora Autografia: E-book. 60 p.
Texeira, C. E. J. (1995). A Ludicidade na Escola. São Paulo: Loyola.
Teixeira, S. R. de O. (2010). Jogos, brinquedos, brincadeiras e brinquedoteca: implicações no processo de aprendizagem e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Wak.
Veronezzi, T. (2011). A música na Idade Média. Apostila da Arte. Consulta realizada em 5 de dez. 2018. https://goo.gl/Gf5vRm
Vygotsky, L. S. (1991). A formação social da mente. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes.
________. (1998) A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes.
________. A formação social da mente. 6.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
Vygotsky, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. (1994). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 5.ed. São Paulo: Ícone.
Zavadski, K. C.; FACCI, M. G. D. (2012). A atuação do psicólogo escolar no Ensino Superior e a formação de professores. Psicologia USP, 23, 4, 683-705. Consulta realizada em 3 de dez. 2018. http://www.scielo.br/pdf/pusp/v23n4/v23n4a04