O Brincar no Recreio de Turmas de Educação Infantil

The Play In School Recess Of Early Childhood Education Classes

El Jugar en el Recreo de Grupos de Educación Infantil

  • Heloisa Elesbão Universidade Federal de Santa Maria
  • Raquel Firmino Magalhães Barbosa Universidade Federal de Santa Maria
  • Maria Cecília da Silva Camargo Universidade Federal de Santa Maria
Publicado
2020-07-29

El jugar es característico y esencial a la infancia, siendo el esparcimiento escolar un espacio/tiempo en que, en gran parte de las veces, el juego se hace presente. A partir de eso, este estudio tuvo como objetivo analizar cómo los niños vivencian el jugar en el recreo de grupos de la Educación Infantil en escuelas municipales de una ciudad de la región central del estado del Rio Grande do Sul (Brasil). De ese modo, se realizó una investigación etnográfica por medio de observaciones del esparcimiento escolar de grupos de Educación Infantil (preescolares A y B) insertos en escuelas de Enseñanza Fundamental. Se observó que, a pesar de que las instituciones sean municipales, el modo de jugar en el recreo ocurrió de modo distinto, aunque la presencia de la imaginación en los juegos ha sucedido en las dos escuelas.

Palabras clave: Early Childhood Education; Play; School Recess. (en)
Palabras clave: Educación infantil; Jugar; Recreo. (es)
Palabras clave: Educação Infantil; Brincar; Recreio (pt)
La descarga de datos todavía no está disponible.
Elesbão, H., Magalhães Barbosa, R. F., & da Silva Camargo, M. C. (2020). El Jugar en el Recreo de Grupos de Educación Infantil. Lúdica Pedagógica, 1(32), 1-22. Recuperado a partir de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/LP/article/view/12176
André, M. E. D. A. de. (2008). Etnografia da prática escolar (15ª ed.). Campinas: Papirus.
Barbosa, R. F. M., Martins, R. L. D. R. e Mello, A. da. S. (2017). Brincadeiras lúdico-agressivas: tensões e possibilidades no cotidiano na educação infantil. Movimento, 23 (1), 159-170.
Barbosa, S. C., Coledamb, D. H. C., Netoa, A. S., Elias, R. G. M. e Oliveira, A. R. de. (2016). Ambiente escolar, comportamento sedentário e atividade física em pré-escolares. Revista Paulista de Pediatria, 34(3), 301-308.
Brasil. (2013). Ministério da Educação. Dúvidas mais frequentes sobre Educação Infantil. Brasília: MEC.
Brasil. (1998). Ministério da Educação e do Desporto. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF.
Brasil. (2018). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB.
Brasil. (2010). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB.
Brasil. (2006). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Básicos de Infraestrutura para Instituições de Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB.
Brougère, G. (1998). A criança e a cultura lúdica. Revista da Faculdade de Educação, 24 (2), 103-116.
Coelho, R. e Tadeu, B. (2015). A importância do brincar na educação de infância. Anais do II Encontro de mestrados em Educação da Escola Superior de Educação de Lisboa (v. 2, pp. 106-114). Lisboa: CIED.
Corsaro, W. A. (2002). A reprodução interpretativa no brincar ao “faz-de-conta” das crianças. Educação, Sociedade & Culturas, 17, 113-134. Tradução de Manuela Ferreira e Isabel Abreu.
Corsaro, W. A. (2005). Entrada no campo, aceitação e natureza da participação nos estudos etnográficos com crianças pequenas. Educação & Sociedade, 26 (91), 443-464. Tradução de Alain François, com revisão técnica de Fernanda Müller.
Delalande, J. (2011). As crianças na escola: pesquisas antropológicas. In: Martins Filho, A. J. e Prado, P. D. (Orgs.) Das pesquisas com crianças à complexidade da infância (pp. 61-80). São Paulo: Autores Associados. Tradução de Loic Malhaire.
Fonseca, A. de. C. e Faria, E. do. C. G. V. (2012). Práticas corporais infantis e currículo. In: Arroyo, M. G. e Silva, M. R. da. (Orgs.). Corpo-infância: exercícios tensos de ser criança; por outras pedagogias dos corpos (pp. 280-300). Petrópolis: Vozes.
Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC.
Kunz, E. e Costa, A. R. (2015). A imprescindível e vital necessidade da criança: “brincar e se-movimentar”. In: Kunz, E. (Org.). Brincar & se-movimentar: tempos e espaços de vida da criança (pp. 13-37). Ijuí: Unijuí.
Mello, A. da. S., Zandominegue, A. C., Magalhães, R. F. M., Martins, R. L. D. R. e Santos, M. (2016). A Educação Infantil na Base Nacional Comum Curricular: pressupostos e interfaces com a Educação Física. Motrivivência, 28(48), 130-149.
Nascimento, C. P. (2014). A atividade pedagógica da Educação Física: a proposição dos objetos de ensino e o desenvolvimento das atividades da cultura corporal. (Tese de Doutorado em Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo.
Neuenfeldt, D. J. (2005). Recreio escolar: o que acontece longe dos olhos dos professores? In: Neuenfeldt, D. J. (Org.). Recreio escolar: espaço para “recrear” ou necessidade de “recriar” este espaço? (pp. 15-28). Lajeado: UNIVATES, 2005.
Negrine, A. da. S. (1999). Instrumentos de coleta de informações na pesquisa qualitativa. In: Molina Neto, V. e Triviños, A. N. S. (Orgs.) A pesquisa qualitativa na Educação Física: alternativas metodológicas (pp. 61-93). Porto Alegre: Editora Universidade/UFRGS/Sulina.
Pereira, V., Condessa, I. e Pereira, B. (2017). Educadores em ação no recreio escolar: formar para (inter)agir. In: PONTES JÚNIOR, José Airton de Freitas. (Org.). Conhecimentos do professor de educação física escolar (pp. 622-653). Fortaleza: EdUECE.
Redin, M. M. (2009). Crianças e suas culturas singulares. In: Muller, F., Carvalho, A. M. A. de. (Orgs.). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro (pp. 115-126). São Paulo: Cortez.
Rodrigues, R. (2015). A educação infantil e os (im)possíveis enlaces no campo escolar: os enredos na passagem entre o brincar, o aprender e o educar. Motrivivência, 27(45), 102-112.
Santos, A. C. S. dos. (2011). O recreio e as suas dimensões na percepção das crianças (Trabalho de Conclusão do Curso de Pedagogia). Universidade do Estado da Bahia, Salvador.
Simoni, A. L. S., Ferreira, C. K., Souza, C. A. B. de., Cardoso, S. T. da. S. B. e Rosa, T. G. da. (2013). Brinquedo e brincadeira - recreio legal. Anais do V Simpósio sobre Formação de Professores - SIMFOP (v. 5, pp. 1-12). Tubarão: Editora Unisul.
Souza, K. R. R de. (2014). As crianças e o recreio investigando as relações de pares nos primeiros anos do ensino fundamental (Tese de Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
Vasconcelos, V. M. R. de. (2008). Infância e Psicologia: Marcos teóricos da compreensão do desenvolvimento da criança pequena. In: Sarmento, M. e Gouvea, M. C. S. de. (Orgs.) Estudos da infância: educação e práticas sociais (pp. 62-81). Rio de Janeiro: Vozes, 2008.
Wenetz, I. (2012). Gênero, corpo e sexualidade: negociações nas brincadeiras do pátio escolar. Cadernos Cedes, 32 (87),199-209.
Wenetz, I. e Stigger, M. P. (2006). A construção do gênero no espaço escolar. Movimento, 12 (01), 31-58.
Wenetz, I., Stigger, M. P. e Meyer, D. E. (2013). As (des)construções de gênero e sexualidade no recreio escolar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 27 (1), 117-128.