11B07 Os princípios do MST e a alimentação escolar: o escrito e o vivenciado sob o olhar dos professores

  • Francislene N. S. ; Silva Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)
  • Roberta C Bomfim
  • Elisa P Massena

Resumen

Este trabalho teve como objetivo investigar concepções de professores de um assentamento, localizado no sul da Bahia, no Brasil, sobre o escrito nos princípios do MST e o vivenciado acerca da alimentação escolar. Essa investigação foi realizada por meio de um curso para professores de 8 horas oferecido por um grupo de pesquisa vinculado a uma universidade pública do Brasil, cujo tema foi alimentação. Neste trabalho foi analisada a transcrição do 2º dia do curso por meio da Análise Textual Discursiva, discutindo uma categoria de análise denominada Alimentação: prática cultural ou princípio educativo. Os resultados indicam que o princípio da Soberania Alimentar preconizado pelo MST não é fielmente seguido, já que na alimentação escolar há uma influência de hábitos urbanos, sendo a alimentação uma prática cultural.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

APPLE, M. W. (1989) Educação e poder. Porto Alegre: Artmed.
APPLE, M. W. (2006) Ideologia e currículo (3 ed.). Porto Alegre: Artmed.
AUTH, M. A. (2002) Formação de professores de ciências naturais na perspectiva temática e unificadora. 200 f. Tese. (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação: Universidade Federal de Santa Catarina - Florianópolis.
CALDART, R. S. (2012) Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais que escola. Petropólis: Vozes.
LA VÍA CAMPESINA (2003). Que Es La Soberania Alimentaria? Disponível em: https://viacampesina.org/es/que-es-la-soberania-alimentaria/. Acesso em: 14 abr. 2018.
MACIEL, M. E. (2005) Identidade Cultural e Alimentação. In: Canesqui, A. M. Garcia, R. W. D. Antropologia e Nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.
MALDANER, O. A.; ZANON, L. B. Situação de Estudo: uma organização do ensino que extrapola a formação disciplinar em Ciências. In: Moraes, R.; Mancuso, R. (Orgs.). Educação em Ciências: Produção de currículos e formação de professores. 2 ed. Ijuí: UNIJUÍ, 2007. p. 43-175.
MORAES, R.; GALLIAZI, M. C. (2007) Análise Textual Discursiva. Ijuí: UNIJUÍ.
MINAYO, M. C. de S. (org.). (2012) Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 32ª ed. Petrópolis: Vozes.
MST. (2005) Dossiê MST Escola: Documentos e Estudos 1990-2001. Cadernos de Educação Nº 13. Edição Especial.
RÜCKERT, B., GAIA, M. C. de M. (2014) Educação popular, saúde e segurança alimentar em áreas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Tempus, actas de saúde colet. v. 8, n. 2, pp. 157 – 171, Brasília.
SANTOS, A. R. (2010) A Gestão Educacional do MST e a Burocracia do Estado – 2010. Dissertação (Mestrado), Faculdade de Educação, UFMG.
SOUSA, P. G. (2018) Desenvolvimento profissional docente no contexto da reconfiguração curricular pela Situação de Estudo. 2018. 75 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – UESC.
Publicado
2018-11-27
Cómo citar
Silva, F. N. S. ;, Bomfim, R. C., & Massena, E. P. (2018). 11B07 Os princípios do MST e a alimentação escolar: o escrito e o vivenciado sob o olhar dos professores. Tecné Episteme Y Didaxis TED, (Extraordin), 1-6. Recuperado a partir de http://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/9270