9A018 Contribuições do professor na educação para a saúde e na formação cidadã

  • Cristiane Tarine Müller Girotto Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
  • Eva Teresinha de Oliveira Boff Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ
  • Maristela Borin Busnello Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ

Resumen

Considerando que a escola tem como missão formar cidadãos conscientes, responsáveis e saudáveis, e que o professor é visto como o profissional fundamental para trabalhar com temas relacionados à saúde, o estudo teve por objetivo realizar uma reflexão sobre o papel do professor, na prática de Educação para a Saúde e as contribuições para a promoção da alimentação saudável no ambiente escolar. Foram analisados os documentos oficiais brasileiros que discutem sobre currículo e educação para saúde, e servem de referência para as escolas, professores e nutricionistas. Diante do exposto, consideramos que a Educação para a Saúde deve fazer parte da formação inicial e continuada de professores, pois além da informação, objetiva a constituição de cidadãos comprometidos com a própria saúde e dos alunos pelos quais são responsáveis, transformando a realidade na qual estão inseridos.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

Barbosa, NS., Machado, N.M.V., Soares, M.C.V., Pinto, A.R.R. (2013). Alimentação na escola e autonomia - desafios e possibilidades. Ciênc. saúde coletiva, 18, (4), 937.
Boog, M.C.F. (2008). O Professor e a alimentação escolar: ensinando a amar a terra e o que a terra produz. Campinas, SP: Komedi.
Brasil. Câmara dos Deputados. (1971). Lei nº 5692 de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o Ensino de 1º e 2º Graus, e dá outras Providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF.
Brasil. Câmara dos Deputados. (1990). Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Centro de Documentação e Informação Brasília, DF.
Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC / SEF.
Brasil. Ministério da Saúde. (2008) Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual operacional para profissionais de saúde e educação: promoção da alimentação saudável nas escolas / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 152 p.
Brasil. Presidência da República. Casa Civil. (2009). Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola os alunos da educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF.
Bydlowski, C. R.; Westphal, M. F.; Pereira, I. M. T. B. (2004). Promoção da saúde. Porque sim e porque ainda não! Saúde e sociedade. 13, (1), 14-24.
Carvalho, A. A. S.; Carvalho, G. S. (2008). Eixos de valores em promoção da saúde e educação para a saúde. In: Pereira, B. O.; Carvalho, G. S. de. Actividade física, saúde e lazer: modelos de análise e intervenção. Lisboa: Lidel.
Davanço G.M., Taddei J.A.A.C., GAGLIANONE C.P. (2004). Conhecimentos, atitudes e práticas de professores de ciclo básico, expostos e não expostos a Curso de Educação Nutricional. Rev. Nutrição. 17, (2), 177-184.
Demarzo, M. M. P.; Aquilante, A. G. (2008). Saúde Escolar e Escolas Promotoras de Saúde. In: Programa de Atualização em Medicina de Família e Comunidade. (Vol. 3, 49-76). Brasil: Artmed: Pan-Americana.
Moraes, R.; Carmo Galiazzi, M. (2007). Análise textual discursiva. Brasil: UNIJUÍ.
Moreira, A. F.; SILVA, T. T. da. (2008). Currículo, cultura e sociedade. Brasil: Cortez.
Ochsenhofer, K. et al. (2006). O papel da escola na formação da escolha alimentar: merenda escolar ou cantina? Nutrire: Rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. 31, (1), 1-16.
Pinto V.L.X. et al. (2014). Educação Permanente de professores: a reflexão-ação na promoção da alimentação saudável nas escolas. Extensão em Foco. 10, 37-58.
Razuck, R.C.S.R. et al. (2011). A Influência do professor nos Hábitos Alimentares. VIII Encontro Nacional de Pesquisas em Educação em Ciências - ENPEC. ABRAPEC.
Scarparo A.L.S, Marques T.B.I, Del Pino J.C. (2016). Alimentação Saudável: reflexões sobre o ensino da temática no ambiente escolar. In: A. Souza e S. Angotti. Reflexões em ensino de ciências. Brasil.
Wordl Health Organization. (1986). The Ottawa Charter for Health Promotion. Disponível em: https://www.canada.ca/content/dam/phac-spc/documents/services/health-promotion/population-health/ottawa-charter-health-promotion-international-conference-on-health-promotion/charter.pdf>
Publicado
2018-11-22
Cómo citar
Girotto, C. T. M., Boff, E. T. de O., & Busnello, M. B. (2018). 9A018 Contribuições do professor na educação para a saúde e na formação cidadã. Tecné Episteme Y Didaxis TED, (Extraordin), 1-6. Recuperado a partir de http://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/9166