6B001 Cegueira adquirida: implicações sociais, culturais e educacionais

  • Sani de Carvalho Rutz Da Silva Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Eliziane de Fátima Alvaristo Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR
  • Luiz Alberto Pilatti Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR
  • Lúcia Virginia Mamcasz-Viginheski Associação de Pais e Amigos dos Deficientes visuais

Resumen

O estudo tem como objetivo compreender como as mudanças originadas no processo da perda de visão influenciam outros aspectos como os educacionais, culturais e sociais. Por meio de abordagem qualitativa, utiliza-se do estudo de caso como estratégia de pesquisa e traz como participante uma pessoa com cegueira adquirida. Como instrumento para a coleta de dados, fez-se uso da entrevista dirigida. Os resultados mostram que o fator psicossocial pode contribuir no desenvolvimento e nas condições culturais no processo de ensino e aprendizagem da pessoa com cegueira adquirida. No entanto, para que isso aconteça, é necessária a interação entre a escola e a sociedade da qual o estudante cego faça parte, com vistas à sua inclusão.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

AMIRALIAN, M. L. M. T. (2004). Sou cego ou enxergo? As questões da baixa visão. Educar em Revista, n. 23, p. 15-28.

ARANHA, M. S. F. (2001). Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiência. Revista do Ministério Público do Trabalho, Ano XI, n. 21, p. 160-173.

CHIZZOTTI, A. (2009). Pesquisa em ciências humanas e sociais. 10 ed. São Paulo: Cortez.

FLICK, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa.3 ed. Porto Alegre: Artmed.

JUNIOR, C. A. OLIVEIRA, de G. A. L. (2016). As principais causas da cegueira e baixa visão em escola para deficientes visuais. Rev. Brasileira de Oftalmologia v. 7, n. 1, p. 26-29.

LIRA, F. C. C. SCHLINDWEIN. M. L. (2008). A pessoa Cega e a Inclusão: Um olhar a partir da psicologia histórico-cultural. Cad. Cedes, v. 28, n. 75, p. 171-190.

MENDES, G. E. (2006). A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, p. 387-405.

NUNES, S. LOMÔNACO, J. F. B. (2010). O aluno cego: preconceitos e potencialidades. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, v. 14, n.1, p. 55-64.

TALEB, A, et al. (2012). As condições de saúde ocular no Brasil. São Paulo: Conselho Brasileiro de Oftalmologia.
Publicado
2018-11-20
Cómo citar
Rutz Da Silva, S. de C., Alvaristo, E. de F., Pilatti, L. A., & Mamcasz-Viginheski, L. V. (2018). 6B001 Cegueira adquirida: implicações sociais, culturais e educacionais. Tecné Episteme Y Didaxis TED, (Extraordin), 1-7. Recuperado a partir de http://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/9066