6B001 Cegueira adquirida: implicações sociais, culturais e educacionais

Sani de Carvalho Rutz Da Silva
Eliziane de Fátima Alvaristo
Luiz Alberto Pilatti
Lúcia Virginia Mamcasz-Viginheski

O estudo tem como objetivo compreender como as mudanças originadas no processo da perda de visão influenciam outros aspectos como os educacionais, culturais e sociais. Por meio de abordagem qualitativa, utiliza-se do estudo de caso como estratégia de pesquisa e traz como participante uma pessoa com cegueira adquirida. Como instrumento para a coleta de dados, fez-se uso da entrevista dirigida. Os resultados mostram que o fator psicossocial pode contribuir no desenvolvimento e nas condições culturais no processo de ensino e aprendizagem da pessoa com cegueira adquirida. No entanto, para que isso aconteça, é necessária a interação entre a escola e a sociedade da qual o estudante cego faça parte, com vistas à sua inclusão.

Rutz Da Silva, S. de C., Alvaristo, E. de F., Pilatti, L. A., & Mamcasz-Viginheski, L. V. (2018). 6B001 Cegueira adquirida: implicações sociais, culturais e educacionais. Tecné Episteme Y Didaxis TED, (Extraordin), 1-7. Recuperado a partir de http://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/9066
AMIRALIAN, M. L. M. T. (2004). Sou cego ou enxergo? As questões da baixa visão. Educar em Revista, n. 23, p. 15-28.

ARANHA, M. S. F. (2001). Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiência. Revista do Ministério Público do Trabalho, Ano XI, n. 21, p. 160-173.

CHIZZOTTI, A. (2009). Pesquisa em ciências humanas e sociais. 10 ed. São Paulo: Cortez.

FLICK, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa.3 ed. Porto Alegre: Artmed.

JUNIOR, C. A. OLIVEIRA, de G. A. L. (2016). As principais causas da cegueira e baixa visão em escola para deficientes visuais. Rev. Brasileira de Oftalmologia v. 7, n. 1, p. 26-29.

LIRA, F. C. C. SCHLINDWEIN. M. L. (2008). A pessoa Cega e a Inclusão: Um olhar a partir da psicologia histórico-cultural. Cad. Cedes, v. 28, n. 75, p. 171-190.

MENDES, G. E. (2006). A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, p. 387-405.

NUNES, S. LOMÔNACO, J. F. B. (2010). O aluno cego: preconceitos e potencialidades. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, v. 14, n.1, p. 55-64.

TALEB, A, et al. (2012). As condições de saúde ocular no Brasil. São Paulo: Conselho Brasileiro de Oftalmologia.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Article Details

Artículos más leídos del mismo autor