6A009 Dos saberes populares ao conhecimento científico: uma reflexão sobre mel da cana, açúcares e adoçantes – do artesanal ao industrial – uma proposta para o ensino de ciências

  • Abigail Mirian Schiavon Almeida UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
  • Radamés Gonçalves Lemos Universidade do Estado do Amazonas – UEA
  • Carlos Leandro Brito Teixeira Universidade do Estado do Amazonas – UEA
Palabras clave: saberes empíricos, mel da cana, ensino de ciências

Resumen

Pensar possibilidades que amplie a reflexão sobre o uso de açúcares, adoçantes e o mel da cana correlacionando ao ensino-aprendizagem, pode contribuir como um tópico importante para o ensino de ciências, abrindo portas para que alunos de localidades ribeirinhas compreendam e compartilhem saberes, na qual, possibilita uma proposta além do método rotineiro, fugindo do tradicionalismo, ampliando a capacidade de entender o contexto que são facilmente relacionados a assuntos que os sujeitos estão familiarizados na vivência escolar e no cotidiano. Este trabalho buscou analisar como a produção artesanal do mel da cana se relaciona ao saber empírico e acadêmico, dentro de um contexto histórico. A partir de narrativas de produtores, levou a reflexão que os saberes populares enriquecem os conhecimentos científicos, e correlacionam ao ensino de ciências.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

Carvalho, A. M. P de; Gil-Pérez, D. A formação de professores de Ciências: tendência e inovações. São Paulo: Cortes, 1993.
Chassot, A. I. Alfabetização Cientifica: Uma possibilidade para a inclusão social. In: Revista Brasileira de Educação, n. 22, p. 89 – 100, 2003. ISSN 1413-2478
Dorneles, L. V; Dallago, R. M e Del Pino, J. C. Saberes populares fazendo-se saberes escolares: um estudo envolvendo o pão, o vinho e a cachaça – 1. ed. – Curitiba: Appris, 2014. ISBN 978-85-8192-446-5
Fatibelo, O. F, Vieira, I. C, Gouveia, S. T e Calafatti, S. A. Adoçantes artificiais. Química Nova. n. 19. P. 248 – 260. 1996. doi.org/10.21577/0100-4042.20170171
FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução Roberto Machado. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015. ISBN: 978-85-7753-296-4
Gondim, M. S. C; Mol, G. S. Saberes populares e ensino de Ciências: possibilidades para um trabalho interdisciplinar. Química Nova na Escola, n. 30, p. 3 – 9, 2008. on-line ISSN 2175-2699
Lopes, A. R. C. Conhecimento Escolar: ciência e cotidiano. Rio de Janeiro: UERJ, 1999.
Lyotard, J-F. A condição pós-moderna. Tradução: Ricardo Corrêa Barbosa; prefácio: Silvano Santiago – 15. ed. – Rio de Janeiro: José Olympio, 2013. ISBN 978-85-03-00638-5
Pinheiro, P. C; Leal, M. C e Araújo, D. A. Origem, produção e Composição Química da Cachaça. Química Nova na Escola, n. 18, p. 3 – 10, 2003. on-line ISSN 2175-2699
Resende, D. R; Castro, R. C. e Pinheiro, P. C. O saber popular nas aulas de Química: relatos de experiência envolvendo a produção do vinho de laranja e a sua interpretação no ensino médio. Química Nova na Escola, n. 30, p. 3 – 9, 2010. on-line ISSN 2175-2699
Silva, R. O. Cana de mel, sabor de fel – capitania de Pernambuco: uma intervenção pedagógica com caráter multi e interdisciplinar. Química Nova na Escola, n. 2, p. 90 – 94, 2010. on-line ISSN 2175-2699
Publicado
2018-11-19
Cómo citar
Almeida, A. M. S., Lemos, R. G., & Teixeira, C. L. B. (2018). 6A009 Dos saberes populares ao conhecimento científico: uma reflexão sobre mel da cana, açúcares e adoçantes – do artesanal ao industrial – uma proposta para o ensino de ciências. Tecné Episteme Y Didaxis TED, (Extraordin), 1-6. Recuperado a partir de http://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/9061