6A006 Ensino de química e inclusão escolar de alunos com deficiência visual: desafios e possibilidades

  • Gabriela Bueno Denari Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho

Resumen

Não é de hoje que se discute sobre a importância da inclusão escolar no Brasil, porém, as discussões ainda precisam evoluir muito e chegar a ações significativas no contexto educacional. Diante disso, o presente trabalho objetivou trazer algumas reflexões sobre o ensino de química para alunos com deficiência visual no Brasil, destacando as dificuldades e os desafios que ainda estão presentes no contexto escolar, bem como indicar possibilidades de mudança. Esta reflexão apontou para alternativas com a didática multissensorial evidenciando que o ensino de química não se limita às percepções do sentido da visão, podendo ser explorado vários recursos e tornando o ensino efetivamente inclusivo.  

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

Camargo, E. P. (2012). Perceber e o não perceber: algumas reflexões acerca do que conhecemos por meio de diferentes formas de percepção. In: Masani, E. F. S. (Org.). Perceber: raiz do conhecimento. São Paulo: Vetor, p. 220-234.
Camargo, E. P.; Nardi, R. (2010). Contextos comunicacionais adequados e inadequados à inclusão de alunos com deficiência visual em aulas de mecânica. Revista Ensaio, 12(2), 27-48.
Decreto de Lei nº 3.298 (1999). Regulamenta a Lei que dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Brasil. Casa Civil.
Ferreira, P. F. M.; Justi, R. (2008). Modelagem e o fazer ciência. Química Nova na Escola, 28, 32-36.
Germano, B. F. F.; Denari, G. B. (2017). Deficientes visuais e a didática multissensorial: um estudo a partir dos anais dos EVEQs de 2012-2016. In: Anais do XV Evento de Educação em Química, Araraquara, Brasil.
Gonçalves, R. B., Vianna, C. A. F. J.; Santos, S. B. (2009). Materiais didáticos alternativos para o ensino de ciências a alunos com deficiência visual. In: DÍAZ, F., et al. (orgs). Educação inclusiva, deficiência e contexto social: questões contemporâneas [online]. Salvador: EDUFBA, pp. 99-106.
Lei Nº 9.394 (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasil. Casa Civil.
Martí, M. S. (1999). Didáctica multisensorial de las ciencias: un nuevo método para alumnos ciegos, deficientes visuales y también sin problemas de visión. Paidos: Barcelona, p. 237.
Ministério da Educação (2012). Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Grafia Química Braille para uso no Brasil. 2ª Edição. Brasília: MEC.
OMS. (2011). Organização Mundial da Saúde. Clasificación Internacional del funcionamiento, de la discapacidad y de la salud. Genebra: OMS.
Sassaki, R. K. (1999). Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 5ª edição, Rio de Janeiro: WVA Editora.
Sassaki, R. K. (2007). Nada sobre nós, sem nós: Da integração à inclusão – Parte 1. Revista Nacional de Reabilitação, X(57), jul./ago, 8-16.
Torres, E. F.; Mazzoni, A. A.; Mello, A. G. (2007). Nem toda pessoa cega lê em Braille nem toda pessoa surda se comunica em língua de sinais. Educação e Pesquisa, 33(2), 369-385.
Wells, H. G. (1899). Em terra de cegos. In: CALVINO, I. (org) Contos fantásticos do século XIX: O fantástico visionário e o fantástico cotidiano. São Paulo: Companhia das Letras. Título original: Racconti fantastici dellottocento. Vários autores. Vários tradutores. 2004. p. 312-328.
Publicado
2018-11-19
Cómo citar
Denari, G. B. (2018). 6A006 Ensino de química e inclusão escolar de alunos com deficiência visual: desafios e possibilidades. Tecné Episteme Y Didaxis TED, (Extraordin), 1-6. Recuperado a partir de http://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/9058